English French German Spain Italian Dutch

Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Conto: Redenção


 
Sete da manhã. Ela acordou, mas ainda estava tentando se lembrar de quem era, onde estava, e que dia era. Só acordou de fato quando, ao se levantar, deu uma topada no criado-mudo. Daí, depois de uma série de palavrões, tudo voltou ao normal. Seu quarto, que por dias parecia sempre tão escuro, naquele dia estava muito claro. O Sol estava forte, deixando uma bela iluminação através daquelas cortinas de cor amarelo bem clarinho.
Porém ela nem notou. A dor da topada lhe lembrou de outra dor: e a dor era de um caso que aconteceu há tanto tempo que nem ela entendia porque ainda lembrava daquilo.
— Ah, é... Hoje fazem oito anos em que o conheci.
E não tinha como não lembrar. Os dois se conheceram num acidente de carro. Ele, sempre impulsivo, acelerou o carro para que ainda pudesse passar antes que o sinal ficasse vermelho. Ela, também impulsiva, tocou de ir em frente assim que o seu sinal tornou-se verde. A batida foi até feia, mas eles nada sofreram, só seus automóveis... E as mães de ambos, que foram xingadas à exaustão. Quem poderia imaginar que dali nasceria um caso de amor?
Porém o que ela não imaginaria mesmo era que os dois estariam afastados depois de anos. Parecia algo impossível na época, inimaginável... Mas lá estava ela, sozinha, em casa. Arrumando a cama, sozinha. Tomando banho, sozinha. Deixando um recado na secretária eletrônica da casa da mãe, entrando em seu carro, indo para o trabalho... Sozinha, sozinha, sozinha...
Ao parar em um cruzamento, ela decide conferir a maquiagem. Ensaia um sorriso, e ao olhar-se no espelho, acha-se patética. Ela então leva um susto ao ver um garoto batendo na janela de seu carro. Ela então viu que ele tinha uma rosa nas mãos.
— Quer uma rosa, moça?
A cara ficou ainda mais azeda. Ela então lembrou porque o dia era ainda mais marcante: tudo havia acontecido no dia 12 de junho. Ironia da vida é pouco pra explicar tudo isso.
Ela suspirou. E decidiu comprar uma rosa, custava só um real mesmo. Ao ter a rosa em mãos, ela lembrou da época de escola, em que os alunos voltavam com uma rosa feita de papel crepom, e todas ela sempre deu ao pai. Ela então riu, pensando em como ele iria encarar receber uma rosa da filha com trinta e poucos anos de idade. Bons tempos em que não havia muito com o que se preocupar, a não ser em ser feliz.
Ao passar por uma padaria, sentiu fome. Lembrou que havia saído sem tomar café, então decidiu parar ali. Era uma padaria de bairro, mas era bem abastada. E por estar perto de uma rua cheia de escritórios, estava lotada de gente que estava se dirigindo ao trabalho. A fila até que estava grande, mas ela decidiu encarar. O café ela tem certeza que devia ser bom, estava todo mundo comprando, tomando e saindo com o maior dos sorrisos. Para quem trabalha um dia inteiro, café faz esse tipo de milagre. Além do café ele pensou em comprar algum croissant. Mas as tortas também pareciam muito boas, especialmente a de chocolate e maracujá. Mas maracujá lhe dava muito sono, e ela não precisava disso. Talvez a torta de chocolate e coco fosse melhor, ou então....
— Cristiane, é você?
Ela reconheceu a voz de imediato. “Pelo amor de Deus... Isso é muita sacanagem!”. Ela pensou em como fugir da situação: espancar o coitado sem dó, até que a polícia viesse tirá-la de cima de seu cadáver? Roubar o café quente de alguém e jogar em cima dele, para que isso lhe desse tempo de fugir? Ou então, a saída mais polida, e mais sofrível:
— Eu mesma.
— Como está mudada!
— Estou, é? Você também...
E como! Especialmente se tratando do físico. Perdeu o quê, uns vinte quilos? Estava bem, muito bem. Tão bem que era horrível ter que admitir. O sorriso então, mesmo tímido, parecia muito sincero. Até mais do que quando estavam juntos.
— Obrigado. Pilates! — respondeu ele, como se adivinhasse o pensamento dela.
— E obrigada. Dez horas de trabalho que destruíram meu relógio biológico! — ela justificou.
— Mesmo? Você está muito bonita. Pelo visto ainda tem tempo para se cuidar.
— Não que eu ache que ficar sem comer seja uma coisa boa, mas obrigada.
Por um momento parecia que as coisas entre eles estavam bem, muito bem. Era até bom para ela vê-lo sorrindo. Parecia tão animado. Fazia tempo que ela não o via assim. Ao mesmo tempo que isso era até entristecedor para ela, ao pensar que ela talvez fosse a culpada por tais épocas mais desanimadoras, era bom saber que ele estava bem.
— Pintou o cabelo?
— Ah, eu clareei ele anos atrás. Não é bem uma novidade.
— Para mim é. Fica muito bem loira.
O elogio lhe espantou. Especialmente pelo olhar que acompanhou tal fala. Agora ela se sentia muito especial. Em anos de namoro ele mal reparava nessas coisas. Ela começou a pensar se os relacionamentos eram sempre assim: melhor ainda depois que terminavam. Poderia ser outra ironia da vida? Uma segunda chance naquele mesmo dia?
— De quem é essa rosa na sua mão? — ele perguntou. Ela então notou que havia trazido a rosa consigo. A rosa que comprou. Ele continuou: — Já arrumou outra pessoa? Está namorando?
— Não, não...
— Casada?
Ela levou um susto e respondeu de supetão:
— Não! Não... Não mesmo!
Ele riu. Os dois riram.
— Creio que esteja esperando para dar essa rosa a alguém especial, presumo? — ele inquiriu.
— Pode ser...
Ela decidiu então tirar uns minutinhos para sentar e conversar com ele. Ele então contou que após se separarem ele voltou ao curso de Direito que havia trancado. Passou com louvor na OAB e agora representava uma companhia, que era até bem perto de onde ela trabalhava.
— Que coincidência! Fica no mesmo quarteirão... — ele exclamou.
— Pois é. E estranho é que nunca trombei com você durante esses anos...
— Verdade. Estranho. — concordou ele.
Ao se entreolharem por algum tempo, ele então segurou no seu braço, e aos poucos sua mão deslizou para a dela.
— Você continua a mesma. Mudou, mas continua a mesma. — ele comentou baixinho.
— Como assim?
— O seu toque.
Ela enrubesceu. E ficou pensando no que poderia falar. A situação era surreal demais para ser verdade. Será que é sempre assim? Ou talvez fosse coisa do destino, coisa que estava planejada: uma segunda chance que seria a definitiva, uma redenção para todos aqueles anos de tristeza. Ela olhava para as mãos dadas e não acreditava. O toque dele continuava também o mesmo. E aquela mão... Aquele dedo... Aquela marca de anel no dedo anular...
Ele então se espantou com a rapidez que ela tirou sua mão debaixo da dele. O rosto parecia neutro, então ele ficou confuso:
— Algo errado?
— Eu... Eu tenho que ir. Vou me atrasar.
— Entendo. — ele então tomou a rosa que ela havia repousado na mesa. — Podemos nos encontrar em algum dia? Adoraria conversar mais, pra matar as saudades, você sabe, e...
— Que dia é hoje, Adriano? — ela interrompeu-o, perguntando com um olhar sério.
— Ué... Impossível não lembrar. É doze de junho, dia dos namorados! — ele respondeu, dando uma piscadela.
Ela então nada mais disse. Deu apenas um sorriso, pegou seu copo de café e saiu. Antes, tomou a rosa das mãos dele e logo entrou em seu carro. De fato, ela estava prestes a se atrasar, mas como ela era do tipo que raramente se atrasava ou faltava no trabalho (só não aparecia se estivesse muito doente), ela decidiu que um dia de atraso não faria mal. Especialmente se tais minutos fossem gastos para um pequeno desvio. É que o dia era importante, não dá para se adiar uma demonstração de amor e afeto de tamanha importância:
— Pai!... Pra você!...

Dead Sushi: novo filme de terror bizarro

Noboru Iguchi está voltando. O responsável por "clássicos" como The Machine Girl e RoboGeisha lançou o trailer de seu novo filme, Dead Sushi. E não sei quanto a vocês, mas acho que ele conseguiu se superar...


A história - se é que você se importa com a história ao ver esse tipo de filme - é a seguinte: Keiko (Rina Takeda) é a filha de um legendário sushiman, e por isso ela decide seguir os seus passos, pedindo que ele a guie em um treinamento muito rígido de luta (o que isso tem a ver com fazer sushi eu não sei), mas ao ver que o treinamento é muito pesado, ela desiste e decide fugir, se refugiando em um hotel com fontes termais.
Enquanto isso, empregados da Komatsu Pharmaceutical visitam o hotel para provar seu famoso sushi. O que eles não sabem é que um cientista da Komatsu, traído pela companhia, os segue para uma vingança: ele injeta nos sushis uma droga que faz os sushis ganharem vida, além de torná-los feras carnívoras.
Os sushis começam a se multiplicar e a atacar todos do hotel (!). Alguns chegam a infectar os humanos, tornando-os zumbis (!!!), e tem até a presença de uma criatura híbrida: corpo humano e cabeça de salmão (!!!!!!!). Com isso, Keiko deve resgatar os conhecimentos de kung fu para destruir os sushis.

...Juro que não estou inventando nada! É só ver o trailer abaixo ( o final é... errrr... um "êxtase"!):



Nunca mais vou encarar um sushi da mesma maneira.
O filme ainda não tem data de lançamento. Todos chora.


Feliz Dia da Toalha! - Edição 2012 (18+)

AVISO: Post com imagens de nudez masculina. Recomendado somente para maiores de idade.

A velha premissa está valendo... Fã de bara comemora o dia nerd de outro jeito... É só escolher a sua toalha favorita! ;D






Ah sim, quase esqueci... Para mais informações, clique aqui. E não esqueça de sua toalha! Feliz dia do orgulho nerd (e Dia da África, e Dia da Adoção)!

Cynthia Rothrock de volta!

Uma notícia para os fãs de pancadaria (e aí se inclui minha mãe): lembram de Cynthia Rothrock, uma grande artista marcial que por um tempo foi a musa dos fãs de filmes de artes marciais nos anos 80? Pois é, parece que ela está de volta.
A notícia de que ela estaria no elenco de um filme junto com o Matt Mullins (grande artista marcial que é o atual Johnny Cage na websérie Mortal Kombat: Legacy e no novo filme a ser produzido) já rola há algum tempo, e não sei como isso me fugiu (eu sigo o site de notícias desse tipo de filme no Twitter e pelo feed e nada disso apareceu, estranho...), mas essa é a real: o titulo do filme é White Tiger, onde Cynthia interpretará a vilã.

White Tiger cast
Elenco do filme. Fonte: Kung Fu Cinema

E para quem achava que ela talvez estivesse enferrujada, mostro-lhes imagens de ensaios para cenas de luta do filme. Ela parece lidar bem com o trampo aos 55 anos. O "companheiro" de ensaio é Don Wilson, outro artista marcial e ator dos anos 80.

Cynthia Rothrock and Don Wilson

Cynthia Rothrock and Don Wilson

Cynthia Rothrock and Don Wilson
Fonte: BACKKICKS

Tudo bem que, com a queda de popularidade desse tipo de filme com o passar dos tempos, Cynthia aparecia somente em filmes mais independentes, ou aqueles lançados direto pra DVD, e por isso pessoas não muito inteiradas em filmes de ação não notariam facilmente, mas Cynthia Rothrock não fazia parte de um filme desde 2004. E ao visitar o seu IMDb, descubro que o nome dela está em mais dois filmes em pré-produção... Ou seja, talvez esta nova geração possa finalmente conhecer esta heroína, sem falar que vai matar a nostalgia dos fãs da antiga. É um retorno muito bem-vindo, e espero que dê certo...

Ah sim, White Tiger já esta em pós-produção, e seu lançamento será no fim de 2012, ou começo do ano que vem. Qualquer novidade do filme eu vou soltar por aqui, certeza!

Thorki: o melhor de Os Vingadores...

...para fujoshis e fudanshis. ;)


Bem, a maioria por aqui já assistiu Os Vingadores, e sendo fãs de um ótimo filme de ação com certeza vão revê-lo váaaarias vezes - eu já vi quatro vezes e quero a quinta...
Mas como sempre acontece, fãs de yaoi tem um "olhar diferente" para qualquer manifestação mais amiga em filmes, mangás, seriados... E claro, aconteceu com Os Vingadores. Os shippers são vários (escolha o seu):

Steve Rogers e Tony Stark:


Tony Stark e Bruce Banner:


Fonte: Tumblr Sekra

Steve Rogers e Agente Coulson (!):


E o que anda fazendo a minha felicidade durante todos esses dias: Thor e Loki!


O discurso no alto daquele rochedo no parque à noite foi algo tão emblemático que mudou toda a minha percepção do Thor. Eu não shippava praticamente ninguém do universo Marvel, até torcia pelo casal Thor e Jane Foster do filme anterior, mas depois de tal cena no alto do monte à noite, devidamente chamada pelo Tony Stark de "Shakespeare in the park"... É Thorki na cabeça! - e percebam: o shipper tem nome oficial, ou seja, não tem mais jeito! XD
Aliás, Os Vingadores é um prato cheio pra quem é fujoshi. Me pergunto se isso é uma tendência dos últimos filmes hollywoodianos, ou se é a mente do fandom que anda cada vez mais suja, hehehehe... Em todo o caso, aproveitem mais algumas imagens Thorki que achei interessante pra, quem sabe, puxar mais gente para esse shipper que, junto com Kakashi x Iruka e Tiger x Bunny se tornou um dos meus grandes vícios. Ah, a dor e a delícia de ser shipper... X3


Morri!

Morri! 2x

Morri! 3x

Nunca "brother" soou tão... pervo. *¬*
Eu quero MUITO ler a continuação dessa história, quem souber onde encontrar... Me avise!!!

Nem "ao vivo" escapa, mas esse shipper tem outro nome: Hiddlesworth. XD

O amor (de shippers) é lindo!

Ah sim, pra quem quiser ver mais dessas belezuras... Existem sites de Thorki por aí, e tem muitos fanarts espalhados pelo DeviantArt, mas minha principal fonte de diversão é este Tumblr: Fuck Yeah Thorki. Se joguem nele e na página do Facebook Thor x Loki que é ótima também. ♥ 

E então... Algum shipper lhe interessou?

Aquele quando se está lembrando de coisas na madrugada








Que saudades eu tenho desse tempo... Um tempo em que a maior preocupação era não se atrasar para o começo da exibição de anime, ou de não perder o ônibus 009.
É incrível como que a vida de uma pessoa pode mudar dos 16 aos 25 anos. Quase dez anos. E apesar de eu ter aprendido tanta coisa, é incrível como ainda me sinto um menino, tão inexperiente, sem noção das coisas.
Enquanto eu ouvia certas músicas no aleatório, começou a tocar músicas que embalavam minha vidda anos atrás, e foi impossível não lembrar desse tempo. Lembrar que muitos se afastaram, ou se foram mesmo. E eu que pensava que ao menos a maioria ficaria junta por mais tempo. Eu e minha ilusão de que certas coisas são pra sempre...
Mas sabe o que é mais difícil de se encarar nesses "momentos nostalgia" de madrugada? É que eu ainda estou preso a momentos que muitos já jogaram fora. Vejo muitos tocando com sua vida, e eu também toquei a minha, mas de certa forma algo parece tão... errado. Parece que estou perdendo toda aquela magia que via nas coisas uns tempos atrás... Nem animes, mangás, cosplays, músicas, encontros, nada mais me toca... Minhas paixões de hoje não são mais tão intensas quanto ontem. E como eu sinto falta de andar com gente que tenha essas paixões.... Perdão se estou falando mal, mas observo que esse tipo de gente definitivamente eu não encontro na minha faculdade. Invejo quem diz que faculdade é o melhor tempo de suas vidas, que muitos bons momentos foram encontrados ali... Eu não encontrei, e lá continuo me sentindo um estranho, e vazio. Apesar de ter achado uma coisa interessante de se fazer (nunca comprei tanto livro e adquiri certeza de que gosto de escrever), tenho certeza que este foi um dos motivos que me levou a perder tal "paixão". Sinto-me cercado de muitas pessoas erradas...
Eu não estou gostando da pessoa que me tornei. Na verdade, nunca simpatizei comigo mesmo. Quer motivo maior para que eu escreva histórias? Simplesmente porque eu odeio a minha própria. Eu simplesmente me canso de fazer tudo errado, escolher as companhias erradas e me afastar das que acabariam sendo as certas. Um erro ambulante. E cansei de ver pessoas que eu gosto se afastando por causa desses erros.
Duvido que alguém me conheça de verdade... Tudo bem que desde que me conheço por gente eu me fechei numa bolha, para proteção, mas sempre quando revelo algo bom de mim, isso nunca é "reconhecido", já que só olham o meu lado ruim. E eu sei que é culpa minha, então acabo me odiando cada vez mais. Sei que não sou uma pessoa fácil pra ninguém, mas acreditem, o fardo é ainda maior para eu mesmo.
Enfim, achei que um dia iria crescer e me tornar alguém legal. Aquele alguém que sempre desejei ser, mas até agora, nada. Pelo contrário, só vejo muita gente saindo de perto. Não há mais o que "crescer", ou "mudar". Sou assim. É engolir a seco e seguir em frente. Isso se eu quiser seguir em frente... Maaaaaaaaaaas enquanto isso, fico com as memórias, as fotos, os momentos, as músicas... Isso me lembra daquela pessoa que fui, e me lembra daquele que nunca serei.

Perdão pelo nonsense...

Quero ver: Magic Mike

Eu já tinha conhecimento da existência desse filme... Comédia/drama sobre um stripper de sucesso que sonha em encontrar uma nova carreira, e que boa parte é baseada na vida do próprio ator que faz o personagem-título, Chaning Tatum. OK. Com Joe Manganiello e Matthew McConaughey. OK. Dirigido por Steven Soderberg. Tá legal...
Sério, por mais que pra qualquer um a ideia possa ser... ahn... promissora, eu não estava muito ligado no filme até ver ESSA capa da revista Entertainment Weekly sobre o filme:


É de recortar e emoldurar, né?
Enfim, de repente fiquei interessadíssimo no filme, até vi o trailer e acho que pode ser um filme interessante. Dizem que o filme seria o novo "Striptease" (aquele filme com a Demi Moore que apesar de muito engraçado tem uma história muito fraca), mas não sei se chegaria a tanto... só se o diretor errar muito na mão...

...mas o que eu tô dizendo? Foda-se a história! Eu quero é ver todo mundo peladooooo! *o*
Pronto, falei! u.uv LOL

Seria cômico se não fosse trágico... - Parte 14


Posso parecer redundante, mas tenho de dizer que, por mais que o conteúdo do vídeo seja trágico, não tem como não rir diante disso.
Durante um conselho municipal, na cidade de Lincoln (Nebraska, Estados Unidos) em que se discutia sobre discriminação, uma senhora chamada Jane Svoboda é convidada para discursar. Homofóbica, a mulher despeja uma coleção de absurdos sobre homossexuais que não tem como não perguntar se a coitada está falando sério ou apenas trollando. Com isso, o vídeo se tornou o mais novo viral do momento, especialmente nos EUA e com os mais antenados do que acontece pelo mundinho gay.
O melhor do vídeo, além das ideias completamente loucas de tal mulher, é o homem atrás dela que, assim como quem viu o vídeo, também parece não acreditar no que está ouvindo: por vezes mostra expressões de como está pasmo, e outras cai na gargalhada.
Para se ter uma noção do nível de instrução da senhora, eis uns trechos interessantíssimos que destaco pra vocês:

"Gays e lésbicas raramente vivem mais de quarenta anos porque é comum que seus parceiros acabem com eles."

"Whitney Houston foi encontrada nua em uma banheira. Todo cadáver encontrado sem roupas teve um parceiro que fugiu junto com elas."

"Grande porcentagem de gays em escolas molestam garotos, parte disso se deve ao fato que os garotos ainda não tem AIDS."

"Tornar-se lésbica não é normal. Uma mulher na universidade precisa ser dopada pra transar com gays, de outro modo ela acharia isso abominável."

"Hillary Clinton teve como colega de quarto na faculdade Eleanor Acheson, uma lésbica. Para evitar que pessoas tornem-se gays como Hillary Clinton, as universidades precisam de quartos individuais e dormitórios separados por gênero."

"Leiam sobre Nijinsky para verem que bissexuais sempre acabam loucos."

"Não empreguem gays nas forças armadas, saúde, educação ou psicologia. Eles são genocidas, molestadores, enganadores e dementes."

"Jesus foi beijado por Judas, um viado, que tentou sabotar as boas ideias de Jesus. Vocês escolhem Jesus, um celibatário, ou Judas, um viado? Vocês tem que escolher!"

Uma pena que tal vídeo - ao menos até onde consegui procurar - não ganhou uma versão legendada (vai servir pra treinar seu inglês!), mas é sério, TODOS deveriam ver esse vídeo. Ver que ainda existem pessoas que pensam de uma forma tão retrógrada deveria ser motivo de grande preocupação - vide o que nós brasileiros gays temos de suportar às vezes na mídia -, mas às vezes não tem como acreditar em tais absurdos que se ouve, daí é impossível se manter sério. Depois das risadas, reflitam sobre isso.

Pra não dizer que não falei do Obama

 
Pois é... Enquanto nossa presidentA utiliza os direitos LGBT como moeda de troca para conquistar apoio da bancada de filhos da puta evangélica, lá nos Estados Unidos o presidente Barack Obama fala o seguinte em entrevista:
"Ao longo de vários anos eu tenho conversado com amigos, familiares e vizinhos. Quando eu penso sobre os membros da minha própria equipe de funcionários que estão comprometidos em relações monogâmicas, do mesmo sexo, que estão criando filhos juntos. Quando eu penso sobre esses soldados que estão lá fora lutando em meu nome e ainda se sentem constrangidos, mesmo que o 'Don’t Ask, Don’t Tell' se acabou, porque não são capazes de se comprometer em um casamento. É importante para mim ir em frente e afirmar que eu acho que casais do mesmo sexo devem poder se casar".
Não acreditou? Bom, embora isso tenha acontecido já faz uns dois dias, sei que uma coisa dessas é de pedir um beliscão pra ver se é sonho, mas não é. Tenho vídeo pra provar:

E bem, porque falar disso agora? Ué, eu tenho de marcar tal momento histórico aqui. Além de ser o primeiro presidente negro dos Estados Unidos, ele também foi o primeiro presidente a ter bolas o suficiente pra apoiar o casamento de pessoas do mesmo sexo.
Foi uma jogada de marketing? Não posso negar que foi... Mas tratar de tal assunto em um país onde a ala conservadora é absurda (vide grupos de patetas "em nome da moral e dos bons costumes" que vive fazendo protestos por lá, como o tal "One Million Moms") ainda é uma faca de dois gumes. De qualquer modo, foi algo corajoso e, porque não dizer, certo. De um modo ou de outro, estamos falando de direitos humanos, de igualdade, e trazer a ideia de casamento igualitário é justamente reconhecer os homossexuais como cidadãos com plenos direitos. Direitos iguais, nada mais que isso.

Enfim, nunca esta música fez tanto sentido pra mim quanto agora:


PS: Aproveito também pra deixar claro que fico feliz pela lei aprovada na Argentina que dá a transgêneros o direito de mudar sua identidade sem "permissão" de médicos ou juízes e a cirurgia de mudança de sexo foi incluída no plano básico de saúde de qualquer unidade de saúde, seja pública ou particular... Lei aprovada por totalidade do senado, só uma abstenção. Enquanto isso, no nosso país não se consegue nem um personagenzinho gay em revista em quadrinhos! LOL *rindo pra não chorar*
Me desculpem os fãs de BRA X ARG, mas nessa a gente perdeu feeeeeio (de goleada!)...