English French German Spain Italian Dutch

Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Novidade: brechó REFLECTIONS

Um dos itens à venda na lojinha... Tem mais, vejam lá! =D

Oi pessoas! Este não é um post normal, é mais um informativo, digamos.
Como todos sabem, quando não se tem um emprego e as coisas apertam, a gente se vira pra poder se sustentar. E, bem, decidi que poderia vender algumas tranqueirinhas que tenho aqui no quarto que quase não uso e que poderia servir para alguém. Daí abri uma loja virtual aqui no blog, o Brechó REFLECTIONS! =)
Eu falo tranqueirinhas mas são coisas muito boas, viu? Que eu guardei aqui com todo o cuidado e que agora estou repassando a preços módicos! É uma lojinha, algo simples, não quero criar um site de vendas aqui, é para negócios entre fãs, entendem?
Caso queiram ver o que está à venda e inofrmações de como adquiri-las, é só visitar o link do Brechó REFLECTIONS ali em cima, nos links da página, ou clicar logo aqui.
Espero que este pequeno negócio dê certo e que eu possa não apenas me ajudar, mas ajudar coleções nerds incompletas com a venda de alguns itens da minha, pois ser nerd não é fácil, sei muito bem. Mas enfim, obrigado desde já!

PS: Quem puder divulgar este post ou a loja direto, eu agradeço. =)

Dorama de Ouran... Sei não, sei não...

Ouran High School Host Club dorama

Para quem anda atento às novidades otaku, sabe que Ouran High School Host Club virou dorama e sua estreia será no dia 22 de julho. Quem me conhece sabe que Ouran é uma das obras que eu amo, e acho que algumas deviam estar pensando o porquê de eu não me mostrar muito feliz pela notícia. Bom, eu fiquei meio neutro, o que é estranho até pra mim, mas ultimamente comecei a me preocupar realmente, tanto que tive de "botar pra fora" isso neste post.
Em blogs e sites que visitei, pelo menos uma boa parte das pessoas achou esse elenco muito estranho. Especialmente o ator escalado pra interpretar o Tamaki, Yusuke Yamamoto que, convenhamos, não lembra o Tamaki em nada. Nadinha. Neca. E apesar de achar esse "Tamaki" o descalabro do dorama inteiro, devo dizer que toda a escalação em si, em minha opinião, foi uma lástima. Disse isso ao ver a foto (acima) quando foi divulgada, mas a coisa se confirmou mesmo quando vi o primeiro comercial do dorama aí embaixo. Preparem-se que a coisa é forte!


Gente...

Ouran High School Host Club

Bem... Vamos por partes...

O Tamaki tão sexy quanto uma abóbora com essa cara super plastificada no estilo Ângela Bismarchi...
Kyoya sorrindo DEMAIS pra ser o Kyoya... Cadê a sisudez?
Hani parecendo mais bizarro do que bonitinho... Acho que deveriam ter escolhido uma criança mesmo.
Mori, meu favorito, meu amor, minha vida... Tá muito feio. A cara do ator é muito comum!
E o Nekozawa, gente... Só pra constar, já vi muito cosplay brasileiro que dá de dez a zero. Aliás, já vi Beelzenef feito aqui no Brasil bem melhor que esse que está nas mãos do ator.

E comparado com a sala de música do mangá, no dorama o local está me parecendo um tanto pequeno...
Esse elenco completamente bizarro, a produção capenga... Sem brincadeira, ao ver o vídeo lembrei uma das piores adaptações para dorama que já vi, e uma das maiores decepções em minha vida...


Estou completamente desgostoso em relação ao dorama de Ouran, é aquele mesmo feeling quando sentimos que o projeto vai mal desde a pré-produção, sabe?... Mesmo assim vou acompanhá-lo. Estarei esperando ser surpreendido. Espero que seja apenas um feeling de fã exagerado... espero estar muito enganado!

Zona Negativa procura colaborador


O blog do pessoal da Zona Negativa, que entre outros eventos está organizando o Manaus Comic Con - e nesse post você pode concorrer a um ingresso! - está à procura de um colaborador para ajudar nas atualizações.
Eis aqui o pedido deixado na comunidade do Orkut da Zona Negativa:

Aproveitando a grande onda de sugestões de material para exposição no Manaus Comic Con, estamos oferecendo oportunidades de estágio como colaborador do blog.

Os candidatos devem ter:
*Boa redação
*Inglês intermediário a avançado.
*Conhecimento RAZOÁVEL de pelo menos um dos temas do blog, a saber:
#Quadrinhos
#Cinema
#Música (especialmente rock e subgêneros)
#RPG-Card e/ou Jogos de Tabuleiro

Os candidatos devem enviar um email para znloja@gmail.com, especificando a(s) área(s) de conhecimento/interesse.
Mais informações por email.

Dado o recado, só tenho uma coisa pra completar: se você for se candidatar, antes de tudo, verifique se você tem tempo disponível para se dedicar ao serviço. E veja se quer mesmo aceitar essa responsabilidade. Blog é uma coisa que necessita dedicação. Não se candidate por "fama" ou pra colher "outros louros"... É aquela coisa bem piegas: faça por amor e dedicação. XD
Até o próximo post! =)

Sobre "Tekken"


Já que falei de "Tekken: Blood Vengeance" uns posts atrás, acho pertinente falar do tal filme que Katsuhiro Harada acha "terrível". Na verdade ouvi coisas bem piores sobre o filme, e alguns estão certos... Mas não sei porque eu não achava que Tekken pudesse mesmo ser tão ruim. E na minha opinião não foi, mas antes de dar meus pitacos, eis um pouco da história.

O torneio do Punho de Ferro
O filme conta que, num futuro apocalíptico, o mundo não tinha seus representantes-governantes, mas é controlado inteiramente por corporações. A mais poderosa, que controla a região dos EUA, claro, é a Tekken. Na melhor política "pão e circo" para distrair a massa, a Tekken é responsável pelo torneio do Punho de Ferro (Iron Fist), que consta numa competição de luta entre representantes dessas corporações, e o ganhador é levado à glória, riqueza, etc.
Daí conhecemos Jin Kazama, que vive numa modesta casa em Anvil - que seria como uma favela na cidade de Tekken - com sua mãe Jun Kazama. O pai ele nunca conheceu. Depois de uma briga com a mãe e posteriormente uma fuga para encontrar uma namorada, soldados de Tekken que procuravam "rebeldes" do sistema acabam matando Jun e Jin jura vingança. Para isso ele entra no torneio através da vaga que o torneio abre para um lutador anônimo e tentará chegar até o topo, onde poderá confrontar-se com Kazuya Mishima e seu pai, o dono da Tekken, Heihachi Mishima.

Jun Kazama tenta evitar que Jin não se meta com a Tekken... Obviamente, adianta nada.

Seleção de personagens...

Tekken foi um dos dois filmes adaptados de games anunciados ano passado. E talvez esse foi o azar do filme, já que o seu "companheiro", o filme King of Fighters era, de longe, a porcaria do ano. Com isso, toda a comunidade gamer torcia o nariz para ambos, mesmo que com imagens iniciais o filme de Tekken parecesse melhor produzido... Não acredita? É só lembrar a primeira foto do filme de KOF divulgada.
Como se bem sabe, e ainda farei post sobre isso, a linguagem do cinema é bem diferente da de um videogame, portanto para adaptá-lo certamente haveriam mudanças. É só lembrar dessa palavra: adaptação. Algumas coisas foram mudadas, e até casaram bem. Outras obviamente não, normal. Mas elas atrapalham a experiência de Tekken como filme? Eu diria que não. E vou lhes explicar porquê.
Primeiro, vamos analisar a escolha de elenco. Muitos filmes vindos de games erram feio nessa parte  no sentido em que sempre tentam "americanizar" protagonistas no sentido de atrair o público americano já que - na cabeça de alguns produtores e diretores hollywoodianos - as pessoas não gostam muito de filmes protagonizados por negros ou orientais. Hollywood ainda vê o mundo como um paraíso de caucasianos. Não há melhor exemplo do que KOF: Kyo Kusanagi nas telonas (se bem que, na verdade, o filme foi lançado direto em DVD) virou um americano, e só muito chapado pra acreditar que ele era mestiço... Há inclusive uma cena flash back em que Kyo quando criança tem olhos puxados - interpretado por uma criança asiática -, porém quando cresce esse traço some... Uau!
Em "Tekken" até que a escolha de elenco foi mais sensata, ou seja, não senti que me consideravam um espectador ignorante completo. Jin Kazama é interpretado por Jon Foo, que é realmente mestiço, nota-se pelos traços. Ele tem descendência chinesa. Lateef Crowder, brasileiro nascido em Salvador (!!!), interpreta Eddie Gordo, capoeirista brasileiro do game. Não esqueceram também de Heihachi Mishima, interpretado por Cary-Hiroyuki Tagawa (descendência japonesa) e Kazuya (Ian Anthony Dale, descendência francesa e japonesa). Infelizmente não posso dizer o mesmo de Christie Monteiro. No game ela também é brasileira e tem uma aparência física que lembra a uma típica morena brazuca, mas foi interpretada por uma americana de olhos azuis. E pelo que vi nas telas, ao menos agradeço por não terem dado uma "bronzeada" para disfarçarem, seria muito ridículo...

Christie Monteiro branca... Pode ser linda, mas a fidelidade à origem da personagem é zero.

Amor de família...
 
Em questão de caracterização, Tekken dá de dez a zero em muito filme de game. Enquanto muitos tentam fugir de qualquer referência das roupas dos games (e acabam tendo um resultado pior ainda), eles resolveram seguir os modelos mostrados nos jogos. Há uma ou outra diferença, mas em sua maioria o resultado ficou bem parecido. Sorte é que o enredo do filme dava uma excelente desculpa para algumas roupas um tanto "over the top": como a competição se trata de uma exibição das corporações, obviamente até as roupas seriam um modo de vendê-las, puxando os olhares para si.
O filme acerta também nas lutas. Aliás, podem falar muita coisa do filme, exceto que ele não tem boas lutas. Todas foram bem coreografadas, e grande parte desse sucesso deve-se ao fato que a maioria dos atores principais são artistas marciais. Outro ponto interessante é que a estrutura das lutas foram feitas para lembrar um game. O modo de escolha dos lutadores, os cenários que mudam a cada luta e o movimento circular de câmera em alguns trechos, referência ao ângulo de câmera dos jogos Tekken... Tudo isso está no filme.
O erro do filme talvez esteja num ponto em que toda adaptação de game peca: a falta de um roteiro melhor. Aliás, Tekken até que tem um roteiro decente, o problema é justamente em algumas mudanças na história que acabam fazendo com que o filme tenha aquele ar de que tenta ser "mais adulto", engajado e acaba soando falso. E pior, destoa do jeitão de game... Não chega a ser mudanças absurdas como as feitas naquele medonho filme do Super Mario na década de 90, mas acaba sendo estranho de qualquer modo, com situações difíceis de engolir - para quem jogou o game. Por exemplo, o personagem Steve Fox. No game ele tem praticamente a mesma idade de Jin, mas no filme ele é bem mais velho, um boxeador já aposentado e mentor de Jin... Steve Fox (no filme) raramente desce o braço em alguém, e num trecho do filme até mostra-se bastante eficiente com metralhadoras. Ao menos pra mim isso é estranho demais: filme de luta baseado em game com armas de fogo... E se me permitem ser mais chato, Steve Fox careca??? Putz... Christie Monteiro então, sequer usa capoeira, isso me chateou, admito. E o que dizer de Anna e Nina Williams, que seriam duas assassinas e que, apesar de irmãs, são inimigas que acabam indo pra cama - juntas - com Kazuya Mishima. Aliás, o fato de que elas, duas das poucas mulheres do elenco, apesar de lutadoras representantes de grandes corporações, se mostram propensas à prostituição, é algo muito infeliz ao meu ver.
Como um "game de Tekken" o filme pode decepcionar, mas como filme de artes marciais Tekken é muito divertido. Ainda há de aparecer o "Cidadão Kane" das adaptações cinematográficas de videogames, Tekken não chegou muito perto, mas acho que valeu tentarem. Tekken poderia ser pior, muito pior, mas não é. O filme, na verdade, acaba sendo uma experiência interessante... se desligar a parte crítica do cérebro um pouquinho. =P

Tekken

Tekken
Gênero: Ação/Artes marciais
Ano: 2010
Diretor: Dwight H. Little
Elenco: Jon Foo, Ian Anthony Dale, Cary-Hiroyuki Tagawa, Tamlyn Tomita, Gary Daniels, Cung Le, Luke Goss, Lateef Crowder, Darrin Dewitt Henson, Candice Hillebrand, Anton Kasabov, Roger Huerta.

Promoção Manaus Comic Con - Reflections From A Twisted Mind


Olá pessoas! Tenho boas notícias pra vocês!
Para quem não sabe, dias 9 e 10 de julho acontecerá em Manaus o primeiro Manaus Comic Con, um evento cultural com palestras, áreas de jogos, concursos, exposição de fanzines, vendas de livros e quadrinhos... Para mais informações, é só visitar o blog dos responsáveis pelo evento, a Zona Negativa.

Mas a notícia não se resume a apenas isso. O blog REFLECTIONS FROM A TWISTED MIND fez uma parceria com a Zona Negativa e estaremos sorteando dez ingressos para o Manaus Comic Con! Fiquem atentos às regras e participem!

Promoção Manaus Comic Con - Reflections From A Twisted Mind

Regras básicas para participar do sorteio:
1. Seguir os blogs da Zona Negativa e o Reflections From A Twisted Mind.

Procurem esses espaços para começar a seguir os blogs.

2. Comentar neste post a frase: "Eu quero ganhar um ingresso para o Manaus Comic Con!"
3. Preencher este questionário corretamente. Leia atentamente as informações lá descritas!
4. Residir em Manaus, para poder receber o ingresso.

Cada pessoa só tem direito a uma inscrição (um questionário preenchido), mas tem um jeito de você ganhar um ponto extra para o sorteio! Olha só:

Você ganhará um ponto extra para o sorteio se twittar a seguinte frase: "Estou concorrendo a um ingresso para o Manaus Comic Con, cortesia da @znloja e @diegohatake http://migre.me/55Ejx". Depois é só copiar o link desse tweet que você postou (exemplo: http://twitter.com/diegohatake/status/82856592164397056) e colocar no questionário. Este ponto extra não é obrigatório, faça se quiser!

A promoção terá início hoje, dia 20 de junho de 2011 e será válida até às 23h59 do dia 30 de julho de 2011. Inscrições encerradas!
O sorteio será feito e divulgado às 14h do dia primeiro de julho de 2011 no meu Twitter (@diegohatake) e os ganhadores serão avisados por e-mail com informações de como buscar os ingressos.

Quaisquer dúvidas, é só escrever mandar um tweet pra mim ou me mandar um e-mail. Boa sorte!!! =D

Quero ver: Tekken: Blood Vengeance

Eu realmente fico com medo de comentar os filmes que mais tenho ansiedade de ver porque eles raramente se dão bem... LOL É aquela mania de achar que eu dou zica nas coisas que gosto, mas enfim... Estaria mentindo muito se dissesse que não quero ver esse filme: Tekken: Blood Vengeance.


Presumo que os frequentadores deste blog sejam nerds e gamers assim como eu e que já conhecem Tekken, então acho que não preciso explicar muito dessa saga. XD Pulemos então ao enredo do filme: Ling Xiaoyu é designada para investigar um jovem estudante chamado Kamiya Shin. Porém antes que descubra alguma coisa, Kamiya Shin é sequestrado. Ela então se junta à andróide Alisa Bosconovitch (e o Panda =P) para tentar resgatá-lo. E, claro, também verificam que tem dedo da Mishima Zaibatsu no meio.





O trailer, que está logo abaixo, promete. A história - que se situa entre os jogos Tekken 5 e Tekken 6 - tem o roteiro assinado por Dai Sato, responsável por Cowboy Bebop, e os responsáveis pela animação são os mesmos de "Resident Evil: Degeneração"... E as cenas de porrada parecem estar bem elaboradas (sempre me empolgo com as cenas Jin X Kazuya, Anna X Nina), o que me acalenta o coração.
Aliás, sejamos bem sinceros: o projeto inteiro tá impecável pelo que podemos ver no vídeo! O Katsuhiro Harada (responavel pela franquia Tekken), que notoriamente ficou puto chateado com a versão live-action "Tekken" (que é mais uma que posso entitular "é ruim, mas eu gosto" XD), pelo visto resolveu botar pra foder nesse projeto, já que ele fez questão de dizer que o "Blood Vengeance" tem ligação nenhuma com o live. Bom, melhor para nós!
Meu único desapontamento talvez seja que possibilidade deste filme sair nos cinemas brasileiros seja nula, e o filme terá cópias lançadas em 3D... Se sair em DVD será ótimo, mas adoraria vê-lo na telona em 3D... T^T Mas enfim, ainda é cedo pra me martirizar. Enquanto isso, prefiro focar nos colírios, Jin Kazama e Kazuya Mishima... Oh my! O Shin Kamiya também não é de se jogar fora... Perdão aos fãs das "fighting babes"! =P


Para ver alguns artworks dos personagens (excelentes!), é só clicar aqui.
E cliquem na imagem abaixo para visitarem o site oficial do filme (em japonês). Enjoy!

Ah, Kazuya Mishima... Se você não fosse tão evil... #pegaeu

Registros: papos e ideias com Kadu Lago

Finalmente criei coragem (dessa vez não foi falta de tempo XD) para colocar aqui os registros do evento "Papos & Ideias com Kadu Lago" que aconteceu na Saraiva Megastore no dia 13 deste mês.


Bom, eu fui para lá sem saber muito do que ia acontecer, muito menos sobre o autor. Quem me convidou pro evento foi o Massao, do Gay.com.br, a quem agradeço muito, se não fosse por ele ia passar completamente batido, pois não li nem ouvi nada sobre o bate-papo... =X
Apesar de não ter lido o livro antes desse dia, me interessei justamente por se tratar de um autor de um livro de temática gay, que é o que eu quero fazer como escritor também. E antes que alguém pergunte, não, ainda não terminei nenhum livro meu. Tenho três histórias que foram escritas meio que paralelamente e hoje estão encalhadinhas por causa da faculdade. Mas devo dizer que tal bate-papo me incentivou, me lembrou que tenho de terminar estas minhas histórias o mais breve possível.
Uma pena que poucas pessoas foram, acho que a conversa teria sido mais dinâmica. Eu inclusive convidei outras bees, que até confirmaram no Facebook, mas nem foram... Mais uma noite muito bacana que não pude dividr com ninguém... Uma pena! Enfim, eu queria ter feito perguntas, mas fiquei com medo de perguntar idiotice porque eu não conhecia nada do livro nem do autor, então decidi apenas ouvi-lo contando sobre a história e sua vida também. O tema da conversa era, além de uma discussão sobre homofobia, aceitação de sua sexualidade e si próprio. A sexualidade eu aceito bem, sobre eu mesmo, bem... digamos que meu id e superego andam convivendo bem. Por ora. XD
Enfim, acho que o ponto alto foi no final, quando descobrimos que a história de Kadu Lago não era tão ficcional. Na verdade, acho que todo livro em si é pessoal, mas admito que foi emocionante vê-lo lendo o final do livro. Pra mim foi um spoiler do caralho visto que eu tinha comprado o livro no dia (que ele autografou com uma bela mensagem, por sinal), mas eu fiquei emocionado. Quase chorei, só não o fiz pra manter pose, hahahahaha! Até porque eu entendo bem os motivos dele, na verdade é quase a mesma motivação que me faz escrever... Não entendeu, bom, quem mandou não ir ao bate-papo? HAHAHAHAHA! =P Eis alguns registros meus do evento.

Típica foto egocêntrica que tiro antes de eventos e afins, testando a câmera.

Escritor Kadu Lago e a organizadora do papo, Lídia Damasceno, uma simpatia de pessoa.

Kadu Lago se preparando para ler as primeiras páginas do livro.

Minha foto com Kadu Lago, logo depois dele autografar o meu livro... Cada um olhando pra uma câmera. =_= Por isso odeio que mais de uma pessoa fique tirando fotos ao mesmo tempo... Difícil saber pra onde olhar!

Bom, foi uma noite memorável, muito divertida, cheia de risadas... Espero ir em várias outras desse tipo. Para quem quer saber mais, o portal D24AM fez uma pequena matéria acompanhada de um registro em vídeo do evento que estou colocando abaixo. Não apareci nenhuma vez. Só de costas... T^T XD Mas serve para vocês saberem mais um pouco de como foi. See ya!

Notícias bara: mangás de Junichi Yamakawa (18+)

AVISO: Post sobre mangás eróticos homossexuais, que pode conter imagens de nudez masculina e sexo entre homens. Se não gosta, ou não tem idade legal para ver esse tipo de imagem, não prossiga!

Não sei se sabiam, mas participei de um Shoujocast umas semanas atrás em que o tema era: "É ruim... Mas eu gosto!" (não ouviram? Cliquem aqui!) e pela minha memória ruim acabei deixando de falar muita coisa, uma delas seriam as obras deste autor bara chamado Junichi Yamakawa.
Para quem não se lembra, Junichi Yamakawa é o criador do infame mangá Kuso Miso Technique que virou até meme na internet um tempo atrás.
E para quem está afim de ler mais algumas de suas obras, eis que a Fishballnoodle, tradutora e fã de bara, traduziu algumas histórias do tankobon "Uho!! Ii otoko-tachi" - uma compilação de dois volumes feita para homenageá-lo e, creio eu, pra capitalizar em cima da moda "yaranaika" - e as colocou ontem no The Bara Forums para nosso deleite... E se vocês acharam "Kuso Miso Techinique" uma história, ahn, bizarra, é porque vocês ainda precisam ver as outras!
Para isso, resolvi fazer breves comentários de cada história traduzida - pro inglês. Para baixar é só clicar nos títulos das histórias.



Essa história é sensacional... XD Segunda Guerra Mundial. Dois oficiais japoneses - amantes - capturados aproveitam o fato que o coronel que os capturou tem certa "curiosidade" em ver dois homens transando. Com isso, mais uma dinamite e um cigarro eles tentarão executar um plano de vingança...
Como eu ri com essa história, até me senti culpado. XD Por mais que ela tentasse ser dramática, as cenas finais levam pra um absurdo que... só lendo pra entender!


Essa é bizarrinha, mas até que é mais fácil de ler, apesar dos diálogos meio esquisitos, típicos dos mangás do Junichi Yamakawa. Um jovem treinador de ginástica fantasia com o treinador e um de seus alunos, mas há algo de estranho nessas histórias... Talvez o autor quis indicar nessa obra o perigo de se "oprimir sentimentos".



A história mais "normal" do pacote, mas ainda com o toque "yaranaika". Conta a breve história de um jovem ator pornô que. literalmente, só tem prazer consigo mesmo. Egocêntrico é pouco pra descrever. Se você já conheceu alguém assim, creio que não seja mera coincidência...



Essa é outra genial, e talvez minha favorita do pacote. Conta a história de um assassino serial que mata suas vítimas, todos homens, por excesso de perda sanguínea. E como ele faz isso? Com o seu pênis de incríveis, absurdos, ENOOOORMES... 23 centímetros.
Ao ler eu só lembrava de uma frase famosa da Penélope Nova no programa Ponto Pê da MTV, devidamente alterada pra combinar com este mangá: "Mas que bichinha é essa que não aguenta 23 centímetros???". XD O final da história então, não sei se rio ou se choro até agora... XD

Espero que gostem das sugestões. E com todo o respeito ao autor, se essas histórias não demonstrarem que o plot dos bara de hoje melhoraram bastante, não sei mais o que dizer. Mas é aquela coisa... É ruim, mas a gente acaba gostando! =P

Digam o que acharam das histórias - e a sua favorita - aí nos comentários que vou amar. XD

O idiota


Eu admito. Sou um idiota. Mesmo. Sem querer "fazer drama" como alguns trolls meus falam. XD
Eu sou uma pessoa que às vezes extrapola o direito de ser imbecil. Já falei muita besteira para algumas pessoas, já FIZ muita besteira. Besteiras que fizeram com que pessoas que eu gostava muito se afastassem de mim achando que eu fosse idiota... Digo, eu sou idiota, mas elas se afastaram achando que eu fosse um COMPLETO idiota, coisa que - eu acho - que não sou...
E é incrível como muitas dessas besteiras se repetem. E eu sei que a culpa é minha. Parece que por ser antissocial, minhas habilidades em tratar com as pessoas que gosto acabam sendo estúpidas porque eu não sei lidar com pessoas, não sei me relacionar... e aliado com minha timidez e minha vontade de querer ser importante acabam, sei lá, me deixando nervoso e acabo sendo mais babaca do que o normal.
Se isso acontecesse de vez em quando vá lá, mas acontece MUITO. Só estou escrevendo isso pra dizer, primeiro, que vocês venceram. Admito, sou um idiota. Queria muito, muito, ser como certas pessoas cujo carisma é tão grande que suas idiotices acabam soando bastante... espertas. Eu não posso, eu não consigo isso. Sou apenas idiota.
Então me desculpem se fui idiota. A culpa não é minha. Bom, é na verdade, só que me refiro ao fato que nem eu mesmo gostaria de ser tão idiota assim, creio que a culpa é do meu id. Eu acumulo grandes idiotices dentro da minha cabeça e que, ironicamente, me fazem ser mais idiota ainda com aqueles que não quero perder.
Mas também queria agradecer... Agradecer àqueles que, apesar de minhas idiotices, não me veem como um completo idiota. Me enxergam como um idiota, mas um idiota que tenta acertas as coisas. Um idiota que se esforça, um idiota que já tem tantos problemas que apenas quer encontrar certa paz em viver consigo mesmo, harmonizar todas as personalidades dentro de si, inclusive a chatice. Então agradeço àqueles que gostam tanto de mim que até aceitam minhas idiotices, não "fugiram". Me abraçaram pelo todo... E justamente por poucas pessoas terem feito isso, as agradeço imensamente, porque acho que tenho até o direito de ser idiota às vezes, todo mundo erra...
E quem quiser me chamar de idiota, pode me chamar. Tenho plena consciência disso e talvez tenha de guardar o fardo de ser leviano pela vida toda... Só posso dizer que faço o que posso. Mas se tem algo que me consola nisso tudo é que pelo menos eu tenho consciência disso, enquanto outros nunca conseguem enxergar o que fazem aos outros...

"If my shows of gratitude are miniscule
inside your mind, sorry.
There's only so much I can do
I love you and did all that I could..."

Tokusatsu de volta ao Brasil - Só depende de nós

Uma notícia interessante que vi no site Tokusatsu.com.br que eu não posso deixar de comentar.

Jaspion

O fã de tokusatsu Warlley William decidiu fazer um vídeo para despertar nos fãs de tokusatsu, aqueles fãs da época da Manchete, que se mobilizem para fazer com que a TV aberta perceba que existem os fãs de tokusatsu e que eles estão sentindo falta de ver esses programas, sumidos da TV desde que a Manchete foi extinta - e não, Power Rangers não conta, ao menos pra mim. Quero ver os originais japoneses! - Vamos nos unir para trazer os tokusatsus de volta ao Brasil!
A ideia é fazer com que o vídeo tenha um milhão de visualizações para que percebam que existe um número considerável de fãs de tokusatsu e que a emissora que voltar a investir neles não fará algo em vão. No vídeo Warlley também reclama dos animes "retalhados" pela censura dos canais e pede pra que animes e tokusatsus sejam exibidos na íntegra.
Li no Twitter de Warlley que ele fez isso porque viu que pouca gente que assistia tokusatsus nos anos 70/80/90 não se manifestou sobre a ausência de tokusatsus e devo dizer que realmente, não vi nenhuma manifestação sobre esse fato durante todos esses anos, o que é estranho. Até eu sentia saudades de Jaspion mas nem me passou pela cabeça tentar pedir, fazer abaixo-assinado ou algo assim, já que para certos animes e mangás serem trazidos pra cá já houve muita manifestação online. Gostei dessa aqui e estou ajudando divulgando-a. Seria realmente muito bom rever tokusatsus e ver os mais novos. A experiência com Ryukendo na Rede TV! pra mim foi muito boa, pena que se foi rapidinho, e uma certa distribuidora sequer se deu o trabalho de lançar toda a série em DVD, sabe... Mas enfim, para saber como proceder e ajudar a divulgar essa campanha de tokusatsu de volta ao Brasil, é só assistir o vídeo abaixo. Também é recomendado usar a tag #TokusatsuDeVoltaaoBrasil  no Twitter.



Depois dessa, quem sabe dê pra sugerir também a exibição de doramas japoneses e coreanos no Brasil, né? =) Vamos aproveitar a ideia... Vamos nos manifestar, people!

X-Men Primeira Classe e o "tokenismo" no cinema

Quem me segue no Twitter deve ter percebido que eu me empolguei bem mais assistindo "Kung Fu Panda 2" do que "X-Men Primeira Classe". Na verdade nem pretendia ver o filme, fui por curiosidade... Enfim, para quem não leu meu tweet eu falo de novo: X-Men Primeira Classe é um bom filme, mas não TÃO bom em minha opinião, e falo isso por quase que exclusivamente uma coisa que não sei se tem termo já em português, mas vou adaptá-lo: é o tokenismo.

Darwin and Edi Gathegi

Tokenism é um termo em inglês que se refere a inserir num filme, seriado, livro, ou qualquer mídia desse tipo uma personagem que se refere a algum membro de uma "minoria". Um negro, um gordo, um homossexual, um latino, um asiático, ou uma mulher caso o filme seja de um elenco 100% masculino, entre outros... Mas esses personagens estão ali somente pra "tapa-buraco" ou para "preencher cotas" como a Valéria diz em sua resenha de X-Men Primeira Classe. Esses personagens servem pra dar uma falsa impressão de inclusão, até porque na maioria das vezes os personagens não tem função nenhuma na história.
Token Black
Isso obviamente acontece MUITO nas produções hollywoodianas, tanto que existem várias piadas sobre isso em outras obras. Uma delas é o personagem Token Black - nome mais direto impossível - do South Park, por exemplo, em que aparece nos capítulos não para enfeite, mas para discussão de temas raciais - embora em outros episódios ele também cumpra a função de "paisagem". Outro exemplo também descarado é o Malik (cujo sobrenome nos créditos é Token) do filme "Não É Mais Um Besteirol Americano", onde ele define em uma fala qual é seu papel (e dos tokens) no filme: sorrir, ficar meio de fora do assunto e só comentar interjeições, tipo: "Droga!!!"...

Not Another Teen Movie Token Black Guy

Acho que nem preciso dizer o quanto esse tipo de personagem me irrita, e não só personagens negros. O filme "Quebrando a Banca", que tem o Aaron Yoo no elenco (que eu adoro ;D), é legalzinho mas tem uma coisa me incomoda MUITO, e que me impede de gastar dinheiro para tê-lo em minha coleção: enquanto o filme é protagonizado por dois atores americanos caucasianos, o livro no qual o filme se baseia conta a história de jovens... asiáticos. Os únicos que sobraram é um casal (um é interpretado pelo Aaron Yoo) mas que tem quase nada de cenas já que não são os protagonistas. São tokens.

Agora falarei sobre X-Men Primeira Classe... Cuidado! SPOILERS!

Edi Gathegi as Darwin

Logo que apareceram os personagens de Angel (Zoe Kravitz) e Darwin (Edi Gathegi) eu já senti algo estranho no ar. Já imaginei que seriam personagens sem muito destaque, só não imaginava o tanto.
DarwinA Angel até que teve uma participação maior, mas quando ela decide passar do grupo reunido pelos jovens Magneto e Professor X para o grupo do Shaw, vilão do filme, já imaginei que ela teria uma presença de cena menor que os protagonistas. Mas o golpe fatal que me deixou saindo da sala p. da vida foi a morte do Darwin tentando resgatar a Angel. Só eu achei uma "coincidência" os dois únicos negros saírem do primeiro grupo de alunos do Magneto? E o outro ainda morre, fez quase nada em tela, sua participação foi praticamente um peido naquele filme de mais de duas horas.
Durante conversas sobre o filme, me falaram que a morte do Darwin foi para - pasme - emocionar o público: a típica morte clichê de alguém do grupo de mocinhos feita pelo vilão terrível... Boohoo... *fake tears rolling down my face T.T* Mas com a participação do Darwin sendo minúscula, sem uma história bem desenvolvida na tela, alguém sentiria algum remorso por um personagem visivelmente secundário? E por que não outro personagem daquele grupo já que, supostamente, todos teriam a mesma importância, todos iriam "comover" o público? O que será que serviu de fator para escolherem o Darwin a ser eliminado do filme?
SpykeE aos que falam que Darwin é um personagem inútil, de poderes inúteis, isso só confirma o fato que ele é um "token black" no filme. Por que não fizeram uma "inclusão" de verdade, sem que fizessem gozação de minha inteligência? Lembro que o desenho "X-Men Evolution" criou o personagem Spyke que, apesar de também não ter tanta presença quanto os outros, ele não era fruto de puro tokenismo, já que estrelou alguns episódios e mostrava-se equiparado aos outros em questão de poder e importância, não aparecia pra "sorrir". Será que é difícil criar herois negros que estejam pau-a-pau com os outros poderosos, tem que ser sempre um secundário? Ou então que simplesmente retirassem o Darwin, sem hipocrisia de querer vender inclusão, já que ele era "inútil"...

Existe a Bedchel Rule que se trata de uma tira em que uma das personagens, mulher, tem três requisitos básicos para assistir um filme: primeiro, que tal filme tenha no mínimo duas mulheres com nomes, segundo, que conversem (ou seja, que falem, em vez de posar de modelo), mas que o assunto não seja homens (o terceiro requisito). Acho que ainda vou criar um dia algumas regrinhas para selecionar filmes com questão ao "tokenismo"... Ter mais de um personagem "étnico", com nomes, e que façam algo mais além de caras e bocas. Enfim, um personagem negro que tenha um mínimo de história construída decentemente. Será que isso é pedir muito em pleno século 21???

Campanha "Faça Manaus uma cidade mais bonita, JOGUE NO LIXO OS SEUS CROCS!"


Parece que a velha moda dos manauaras de abadá + bermuda de surfista + Havaianas brancas conseguiu mais um aliado, completando de vez o visual brega.
Tudo começou, creio eu, com a abertura de uma loja no shopping queridinho das RHYCA (ao menos até que o shopping da Ponta Negra não esteja pronto), o Manauara Shopping. Além de estar no shopping center mais badalado da cidade, parece-me que o que atraiu boa parte dos seus clientes é o seu preço elevado. Ora, quem conhece bem Manaus sabe que seu povo é do tipo que ama usar coisas caras, por mais ridículas que sejam. Então começou a moda Crocs em Manaus.

O horror... O HORROR!!!

Eu realmente não entendo o que o povo desta cidade viu nestes... ahn... calçados. Já não bastasse aquela coisa medonha de usarem abadás de aaaaaaanos atrás (que ainda bem que cessou um pouco - UM POUCO eu disse), agora tenho o desprazer de ver milhares de pessoas andando com este troço de borracha nos pés. Os Crocs são o supra-sumo dos calçados feios, e não é só eu quem diz isso. Eu, um podólatra convicto e que tem fetiche também por tênis - um dia faço um post sobre isso para os curiosos - tenho um nojo terrível de Crocs. Sim, nojo. Não é exagero. Meu estômago embrulha ao ver alguém usando isso. É uma reação quase tão forte com a que tenho de Havaianas velhas. E quando é um homem bonito, que broxante...
O pior de tudo não é nem pelo "fator fashion" desse troço... É a cara de pau de ver gente utilizando esses Crocs como se estivessem usando um par de sapatos Louboutin, Gucci, ou sapatinho de cristal da Cinderela. Você já viu esse tipo com certeza: óculos Chilli Beans, camisa Colcci, calça Calvin Klein e... Crocs! E pra completar a pessoa veste aquele carão lindo achando que está A-BA-PHAN-DO! Essa onda tá por toda Manaus, do Vieiralves ao são José... Ai que desgosto!

Se já é ruim no natural, com meia é apelação!

Enfim, a campanha está lançada... Fale para aquele seu namorado, papai, titio, irmãozinho que usar Crocs dentro de casa, por ser confortável, é até compreensível... mas que pare de usar essas borrachinhas se achando a última bolacha do pacote, se achando fashion. Não é só porque algo é caro que é necessariamente algo bom, bonito... Bom senso, gente, BOM SENSO!


PS: Para aqueles que amam seu parzinho de Crocs, calma que o texto é pura gozação, viu? Não levem a sério... Apesar de que eu ache mesmo super broxante homens usando Crocs XD eu defendo o direito de que cada um pode usar o que bem entender. =)