English French German Spain Italian Dutch

Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Shrek e Fiona = LOVE... Quer queira a Igreja ou não!

Foto: Alessandro Veronese Mânico

Um casamento que aconteceu dia 12 de março no Rio Grande do Sul ontem chamou bastante a atenção na mídia (eu vi a reportagem no Jornal Hoje), tudo porque o casal, Denise Flores e Marcelo Basso, resolveu casar vestidos em algo que lembrasse o Shrek e a Fiona - e os convidados vestidos como personagens de contos de fada - e a diocese de Caxias do Sul publicou nota assinada pelo bispo Dom Paulo Moretto desaprovando os trajes usados pelos noivos usados no casamento, criando a possibilidade da diocese dar "dicas" de traje "padrão" para futuras cerimônias. Essa quase entra na seção "Seria cômico se não fosse trágico" do blog, mas achei melhor dar um outro enfoque direto à notícia.
Minha opinião? Eu AMEI essa ideia de se casarem com trajes do Shrek e Fiona. Primeiro, porque eu sou muito, muito fã do casal do filme. Para mim é o modelo de casal perfeito, porque eles se amam incondicionalmente. Uma das melhores e mais emocionantes demonstrações de amor no cinema, pra mim. E segundo, eu adoro esses casamentos inovadores. Muitos amigos ou conhecidos virtuais já fizeram ou sonham fazer (casar usando cosplay ou as vestimentas do Aragorn e Arwen de "O Senhor dos Anéis" por exemplo...). Eu mesmo gostaria de casar, caso Deus me permitisse a bênção de desencalhar, usando um cosplay (preciso dizer qual???) - obviamente, não na igreja. Enfim, esse casal veio com uma ideia que, em minha opinião é maravilhosa, e me aparece o povo criticando, especialmente a igreja, falando que tal celebração não correspondeu "à nossa realidade, nem a santidade e seriedade desta celebração". Você pode ler tal manifestação dos bispos clicando aqui.
Agora compreendo porque algumas pessoas próximas não fazem a mínima questão hoje de casar na igreja. E não falo só do fato de alguém do casal ser ateu, mas é que algumas acham aquela coisa de casar de branco, véu e grinalda, terninho, um PORRE! É uma parcela pequena de pessoas que conheço, não é maioria, mas existe. E tem aqueles que acham mais interessante casar numa praia, com todos num estilo mais despojado, ou casam num iate... A questão é sair daquele marasmo, daquela celebração batida que eu particularmente também acho um saco. Mas tem o risco do povo mais "tradicional" se incomodar, pelo que soube, por pouco o padre desse casamento da notícia quase se recusou a casá-los. Já pensou?

Eu realmente não entendi porque o povo da igreja se incomodou tanto. Será que Deus liga mesmo pra tanta burocracia e rituais para abençoar um amor? Afinal, tem muita noiva que se casa de branco mas que há muito tempo não é mais "pura" - especialmente aquelas que se casam obrigadas por terem engravidado. E eu acho que estamos numa sociedade onde cada um trabalha, paga suas contas, e tem direito de casar usando a roupa que bem entende, afinal, eles estão pagando por tudo, não é mesmo? A nossa Constituição nos garante o direito de vestir o que bem entender, porque os bispos estariam acima disso? E eu fico pensando, se esse casal "chocou" tanto algumas pessoas e os bispos, imaginem se eles aparecessem vestidos como este casal britânico que também se casou cosplayando o Shrek e a Fiona?
Por fim parece que não aprendemos nada. Continuamos a perseguir os "ogros". Lamentável. Mas deixo aqui minha aprovação total ao casal. Que sejam feios, ops, felizes para sempre, como os ogros do cinema!... O resto, é resto!

Comentando o single 1/3 no Junjou na Kanjou

FLOW

Demorou - haja demora nisso, acho que o single saiu em janeiro desse ano -, mas vim comentar o mais recente single de uma das minhas bandas japonesas favoritas, FLOW. Por coincidência, o single é uma cover de outra banda japa que eu amo, SIAM SHADE.
A música é a clássica 1/3 no Junjou na Kanjou, e a escolha da música se deve, provavelmente, para divulgar o novo disco da FLOW, ANIME BEST, que vai compilar músicas da banda que entraram na trilha de animes.
Bom, ouçam a cover aqui:


Minha opinião? Olha, eu queria muito, muito mesmo, dizer que amei a cover mas... não dá!
Não que seja de todo ruim, mas É inferior à original, sem chance. E eu digo isso com pesar porque eu adoro FLOW, mas essa versão não tem o mesmo "sabor" que no original sabe?
Talvez o maior defeito da cover de "1/3 no Junjou na Kanjou" seja o excesso de efeitos que colocaram no arranjo pra que a música soasse um pouco diferente da original... Colocar a batida meio hip hop durante a introdução da música ficou ótimo, mais FLOW impossível, mas o resto achei de um exagero...
E pra fechar, por mais que o Keigo e Koshi (vocalistas) sejam ótimos, juntos não valem nem metade do Hideki (vocalista do SIAM SHADE). A interpretação dos dois não me emocionaram tanto quanto este. É aquela coisa: Junjou na Kanjou é clássico, e não adianta, muitos farão covers mas dificilmente sairá melhor que a original. Ainda não ouvi a cover dessa música por outra banda, a Nogod, mas é isso que penso. Infelizmente, em minha opinião, FLOW falhou nessa... =/

Para quem interessar, a música foda original:

27 de março: happy anniversary!!!

O dia está quase acabando, mas eu não posso ficar sem falar desse dia: 27 de março.
27 de março pode não significar alguma coisa pra alguém, mas pra mim significa muito. Nesse dia nasceram duas pessoas que em determinadas fases de minha vida me foram muito importantes. E hoje carrego por elas um grande, grande, GRANDE apreço!

Xuxa

Xuxa foi aquela em que dediquei grande parte do meu lado "tiete". Desde bem pequeno, segundo minha mãe, eu dançava ao som da Xuxa. E assim foi durante muito tempo, até que inveitavelmente eu cresci e não vi mais graça no trabalho da Xuxa. Outras fontes de tietagem acabaram tomando seu lugar.
Xuxa
Porém, ultimamente voltei a acompanhar a Xuxa. Voltei a ouvir as músicas freneticamente. E devo dizer que muita música, por mais boba que seja, me emociona. E a cada música ouvida, memórias saem de lááááá do fundo do baú. A lembrança da Xuxa me traz felicidade por ter tido uma infância tão boa, com uma trilha sonora muito divertida, mas também me dá tristeza, porque infelizmente nada, NADA na minha vida será tão bom quanto naquele tempo. Tenho certeza disso. Uma pena... Mesmo assim, não tenho nada a não ser agradecer.

Por isso eu fiquei terrivelmente emocionado vendo a Xuxa na novela Ti Ti Ti gente... Tudo o que a Jaqueline disse é algo que quero dizer um dia à Xuxa:


A Mariah apareceu num dos piores momentos de minha vida: a escola. Ela me tomou de um jeito que se tornou fundamental em minha vida. Tornou-se minha melhor amiga. Pela primeira vez eu ouvia alguém que parecia me entender, tinha uma série de manias que eu tinha... No fundo éramos dois fresquinhos  vivendo no nosso mundinho que viviam sendo tachados de esquisitos, mas a gente nem liga... No fundo, nos sentíamos DIVAS!

Mariah Fantasy

E acho que é por isso que admiro a Xuxa e a Mariah por todo esse tempo, pela semelhança comigo de certo modo. Sei que pode ser viagem de fã mesmo, mas quem vai me condenar por isso? Todo mundo tem aquele artista que acha muito especial, com quem você cresceu junto à cada trabalho... E me identifico muito pelo fato que as duas são arianas, assim como eu. Os trejeitos, humor (e a falta dele às vezes), amor pelos animais, o modo como elas lutaram pelo que queriam, tudo me serviu de inspiração de certo modo... Elas tem seus defeitos, assim como eu os tenho, mas o lado bom delas é muito, muito melhor.
Porém algo que vejo muita semelhança entre nós - fazendo o íntimo agora XD -  é que somos sempre vítima de muita, MUITA crítica. Muita animosidade. E por nada além de ser o que somos. Uma é criticada por ainda trabalhar para crianças, sendo que é "velha" demais para a função... Uma função que ela criou, foi pioneira, e muitas só apareceram por imitá-la. Pode ter sido algo que ela não queria, mas ano após ano ela viu que essa era sua vocação, e a abraçou. A outra, além de velha, é muito gorda para ser considerada uma cantora... a voz? Que importa isso estando acima do peso, né? E apesar de muita crítica, piada e manifestações troll, elas continuam ali. Abraçaram algo e não importa quem apareça, elas não deixam isso de modo algum. E muitas vezes me senti assim. Muitas vezes persisti em algo que muita gente achava bobagem, inclusive na faculdade... E cada vez mais eu percebo que estou no caminho certo. Certo pro mundo? Não sei. Mas é certo pra mim. É o meu jeitinho!
Mariah ButterflyEnfim, se tem alguém além da minha mãe que é culpada de eu ser quem eu sou, culpem essas duas aí. Eu só tenho a agradecer por essas duas em minha vida.

Feliz aniverxário Xu!!!
Happy anniversary Mariah!!!
Appreciate ya... Adore ya... And I luv ya! =)

Xuxa Tititi

PS: Ah é... Feliz aniversário também, Fergie! LOL

Rebecca Black, a "peste negra"???

Rebecca Black

Em um episódio de South Park, aquele dos palavrões, Chef fazia uma piada que a "peste negra" que chegaria ao mundo por causa dos palavrões excessivos na TV era a La Toya Jackson. Engraçado que agora quando ouço "peste negra" eu faço associação à Rebecca Black.
Não que eu seja mais um dos que a detestam, sou indiferente quanto a menina como cantora, mas não tem como eu não observar o fato de que uma menina de 13 anos conseguiu chamar a atenção da indústria musical inteira e seus consumidores também. Uma pena que não foi por algo bom.
Caso você ainda não saiba do que se trata (duvido!), vejam o vídeo abaixo. O nome da música é Friday:


Pois é... Muito a se comentar.
Muitos me conhecem por gostar de música, e defender especialmente aqueles cantores que não são meros "palhaços de palco". Para mim cantor tem que saber cantar. Ter uma boa voz. Li em certa revista que não quero mencionar que voz e alcance vocal não é talento. E, bem, hoje em dia pode ser que não seja mesmo tão necessário saber cantar pra ser cantor, mas essa comigo não cola.
No caso de Rebecca Black nem posso dizer que ela é uma má cantora de fato. Primeiro, como falei, ela ainda tem 13 anos e a voz pode evoluir muito. A voz da Madonna nos anos 80 era medonha e hoje, com muito treinamento, é o que é hoje. Não é uma voz excepcional, mas é decente. Menos irritante. A voz de Rebecca Black em "Friday" está tão manipulada pelo autotune que nem dá pra saber qual é seu timbre direito.
Outra coisa que noto é que o tom em que a fizeram cantar talvez não esteja muito no alcance dela. Sim, ela desafina bastante em certas partes, se nota certo esforço pra tentar alcançar o tom (e não dá certo), e o resultado é essa... coisa. Eu desconfio que a Rebecca Black tenha pouco alcance vocal, ao menos para atingir tons mais graves. Tente, por exemplo, cantar em tons cada vez mais graves. Vai ter um tempo em que você não vai conseguir mais deixar tão grave a voz, e cada um tem seu limite de extensão vocal. No caso da Rebecca Black, deve ser tão curto quanto o da Britney Spears. A maioria de suas canções são num tom mais alto (leia-se mais "menininha", feminino), raramente a ouvi algum vocal mais grave (o tom da voz dela em "Womanizer" é mais baixo, mas acaba sendo também utilizado o autotune para "disfarçar imperfeições"). Uma prova disso seria a entrevista em que ela dá pro programa americano Good Morning America, onde ela acaba cantando o Hino dos Estados Unidos. E só esse trechinho sai milhares de vezes mais agradável do que seus vocais em "Friday".


Eu acho que pior do que tudo é toda a produção por trás da música e clipe. O arranjo é a coisa mais malfeita que já vi. E quem seja que deixou os backing vocals naquele tom (acho até que é a própria voz da Black, não sei) deveria voltar à faculdade de música, se é que a fez. E claro, não posso esquecer a letra da música, que faz com que Latino pareça um poeta.
O clipe é uma sessão atrás da outra de vergonha alheia. Tem até uma das "amigas" no carro que dá uma risada estilo: "Meu Deus o que estou fazendo aqui? Que ridículo...". E tipo, a Rebecca Black não tem expressão nenhuma no vídeo. Estava com vergonha? Tímida? Não sei, mas que ela parece o tempo todo travada, parece, e acaba mesmo arrancando risadas. Eu vejo e não consigo ficar sem rir, infelizmente. Engraçado que na entrevista ela parece bem mais à vontade.
E como falei antes, eu não consigo odiar a Rebecca Black, odeio mais quem escreveu essa música horrenda. Não consigo até porque acho que seria injusto pra alguém da idade dela. Ela infelizmente cometeu um erro procurando uma empresa de produção musical barata e acho que não deveria ser tão escrutinizada por isso, nem ao menos é uma cantora profissional, ela própria foi responsável - com o pagamento da mãe - pela gravação, não foi vendida na mídia musical mainstream. Estava no ostracismo até que alguém descobriu a ruindade da coisa. A música é uma merda sim, mas chamar a garota de "puta" me parece demais!
Stefhany Absoluta
É engraçado como muitos perdem tanto tempo reclamando algo que não gostam... Amam odiar. É aquele tipo de fã meio psicótico, retardado: fica ansioso para ver o que sai de novo de um artista que odeiam. E ficam perdendo seu tempo tecendo ofensas. E para mim é o ápice do problema mental ficar com raiva de uma adolescente que gosta de ter FUN FUN FUN FUN em sua FRIDAY FRIDAY... E pra ser bem sincero, tem muita coisa que muitos falam ser "ótima música" que está no mesmo nível de "Friday". Tal manifestação hipernegativa só posso comparar com o que aconteceu com a Stefhany.
Pode ser que as músicas e clipes da Stefhany sejam terríveis, mas ela parece se sentir tão bem com isso que realmente não me importo. Acho até que seria muito cruel de minha parte destruir algo que a pessoa goste de fazer. É como se o mundo quisesse cortar minha mão para que eu não desenhasse mais porque desenho mal, porém por mais que meus desenhos fossem horríveis, eles me fazem feliz. Gosto de desenhar. E como pessoa tenho todo direito de me expressar, quem não quiser ver, se manda meu caro... Ache outra coisa pra fazer. Até porque depois dessa notícia, acho que a Rebecca Black realmente está pouco interessada em ficar lendo críticas de YouTube. Não que eu nunca tenha feito isso, mas hoje isso me parece perda de tempo... Cada um tem o direito de fazer o que gosta, mesmo que seja ruim. Quem não quiser, não ouve.

A única coisa que me faz embrulhar o estômago por esse caso é ela gostar de Justin Bieber, mas aí é questão de gosto, e isso é que eu acho que não se discute mesmo... Mas lamento. XD

PS: Para quem acompanha meu blog há algum tempo, deve se lembrar deste vídeo... Essa sim, essa sem dúvida foi a pior cantora que já ouvi até hoje...


Calma! Ainda tô vivo... Eu acho!

Trabalhos escritos...
Provas...
Anotações...
Resumos...
Livros pra ler...

...e quase nenhum tempo pra blogar.

Kuragehime
"Socoooooooooooooorro!"

Desculpem pelo blog ficar assim, abandonado... Eu preciso estar de mente tranquila pra escrever, e o tempo não está propício. E eu tenho muita coisa na mente para ser jogada aqui, mas tá difícil ultimamente... Mas sempre que encontrar uma brechinha eu estarei aqui.
E aproveito o espaço para dizer que em abril (amo esse mês! XD) eu terei novidades, hein!
Até o próximo post!

Amuleto da sorte

Amy Winehouse

É difícil para mim falar em sorte. Acredito mais em destino. Tipo, acho que cada um tem seu papel aqui, mas não que ele esteja 100% determinado. Acho que nós temos escolhas e é nelas que podemos modificar nossos vários destinos, possibilidades...
Mas ultimamente ando percebendo uma coisa... Eu sei, é mais uma viagem minha, mas parece que tá fazendo muito sentido. Eu até já twittei sobre isso antes, mas vou explicar aqui... Tô precisando esbravejar, sabe?
A história é a seguinte, e é fácil de entender já que ela se repete... e como ela se repete: eu conheço fulano. Fulano está sozinho. Fulano, apesar de sozinho, é muito interessante, simpático, gentil... Mesmo assim, fulano não consegue nada, é até meio desacreditado no amor. E com o tempo acabo conhecendo. Quando eu me atrevo a começar a desenvolver algum sentimento, não preciso nem me apaixonar direito, a pessoa desencalha.
Sim, parece-me que eu sou um amuleto de sorte para o amor... alheio. A Miss Match (lembram desse seriado falecido com a Alicia Silverstone?) dos homossexuais. Fale comigo, faça-me apaixonar por você e tchum! Garanto a saída do zero a zero. Não garanto só que a coisa dure, mas saiba que um deles até se casou (e não demonstra nem 1% de chance de se separar tão cedo, firme e forte), então vale arriscar, hein? A diferença agora é que vou começar a cobrar. Vou abrir uma conta pra depositarem doações para eu comprar meu presente de aniversário, huahahauaha...

Aiai... Eu sei, é ridículo se sentir assim, mas tô chateado olha... Aceitaria uma ou outra vez, várias seguidas é palhaçada. Não tenho descrição melhor pra isso. De um lado, acho que é porque eu não ajo quando devo agir, eu sempre espero um pouco. Até porque eu sei bem que quando pulo em cima direto a coisa não vai bem, eu assusto. E eu acredito que amor tem que crescer aos poucos... ou estou errado? Bom, se o Flávio Gikovate diz que esse tipo de "amor" tá acabado, estamos na geração fast food em que nos "apaixonamos" por uma pessoa por semana (ou dia, ou hora...), acho que estou realmente FO-DI-DO...

Praying for Japan...

Não, esse post não é um post demagogo, estou sendo bem sincero... Não quero aparecer com isso - e detesto quem esteja fazendo isso. Mas também não posso ficar ignorando, sabe... Continuar com os posts rotineiros seria como se eu estivesse passando por cima de tudo o que ocorreu no Japão desde o dia 11 de março. Estava evitando ao máximo escrever algo sobre isso agora, mas não deu mais...
Creio que não preciso explicar o que aconteceu, toda a imprensa não se cansa de noticiar. Só queria expressar aqui o quanto eu me sinto estranho nessas situações sabe... Sempre me sinto assim, impotente. Me senti no caso de terremoto no Haiti, inundação em Nova Orleans, Rio de Janeiro, ou até aqui na cidade mesmo. Tive "sorte" de não ter sido vítima de nada disso, nem mesmo na minha cidade. E isso me dá medo. E indignação. Muita. Fico frustrado, mesmo. Se eu não mereço, outros muito menos. Seria tão bom se esse tipo de coisa acontecesse em lugares inóspitos, mas isso está fora de nossa alçada, né? Fazer o quê? Só nos resta rezar.
Rezar. E até nisso muita genta anda fazendo críticas. "Do que adianta rezar pelo Japão?". Aliás, algumas pessoas andam falando tanta, mas tanta besteira nas redes sociais que às vezes não dá pra aguentar. Dia 11 e 12 eu tive de sair certa hora porque não aguentava mais tanta estupidez sendo dita, regurgitada. A maior delas, até agora, foi que o Japão teve isso como castigo pela ação do povo japonês contra a natureza, pela caça às baleias e golfinhos. Olha, por mais que eu não goste também dessa prática, nada, NADA justifica o que aconteceu. Ninguém merece isso. E em conjunto, dá-lhe piadas com Godzilla, Pokémon, super sentai... Para esses indivíduos, é aquela coisa: só aprende quando acontece consigo, no cX dos outros é refresco. E teve gente reclamando que onde mora acontece assalto, tiroteio, ruas alagadas e ninguém fica chorando no Twitter... Querem comparar assalto, uma atitude humana contra outro humano, com uma tragédia natural: um terremoto de 8,4 na escala Richter, um tsunami de 10 metros, e um subsequente vazamento nuclear. Aham, Cláudia...
Aliás, se tem algo que me deixa muito apreensivo é o vazamento nuclear. E se tem uma coisa que acho extremamente idiota é a utilização de energia nuclear. Não quero nem saber dos benefícios, para mim isso só representa o risco de extinguir a vida na Terra. Posso estar exagerando, mas sou radical assim mesmo. Não sou especialista nisso, mas se tem uma coisa que eu tenho certeza é de que o ser humano não 100% à prova de erros. Chernobyl não me deixa calar. Será mesmo que países desenvolvidos precisam mesmo dominar essa "tecnologia"? É algo absolutamente necessário???
E por fim, quero tratar dessa nova polêmica: orar pelo Japão. Olha, por mais que não acreditem e achem inútil, pergunto-lhes então o que estão fazendo de útil. Reclamar, fazer gozação, também não funciona em pXXXX nenhuma. E se tem pessoas, eu inclusive, que acreditam que tem alguém, seja Deus, Buda, a natureza, ou qualquer coisa que acreditem, que possa ao menos trazer conforto para as pessoas de lá, eu acho válido. Eu não posso ir lá ajudar infelizmente, mas por ora meu pensamento e fé estão com eles. Todos eles. E estou feliz com isso, fico feliz em ver que não sou tão imbecil ou frio como alguns que tive o desprazer de ver pela internet.

E é isso. Vamo lá... Força, Japão!

Minha lista de sugestão de presentes


Opa, a partir de hoje falta menos de um mês para que chegue o meu aniversário! Yay!
E como sempre faço desde o ano 2000 e alguma coisa, vou colocar aqui uma listinha de presentes que gostaria de ganhar.
E ainda mais tradicional dessa lista é a justificativa dela: não, ninguém é obrigado a me dar o que ponho aqui na lista. A lista serve para aquelas pessoas indecisas que querem me presentear mas não fazem ideia do que eu gostaria de ganhar - e sabem que sou bem enjoadinho para ganhar as coisas XD. Bem, aqui relacionei um monte de coisa, desculpe por estar fora de ordem. Muita coisa aqui eu vi que está em promoção em alguns sites, também não se preocupem em pagar pela coisa mais cara.

UPDATE: Alguns itens estão riscados porque eu já comprei/ganhei.

Livros:
  • A Mão Esquerda de Deus, Paul Hoffman
  • O Hobbit, J. R. R. Tolkien
  • Roverandom, J. R. R. Tolkien
  • As Aventuras de Tom Bombadil, J. R. R. Tolkien
  • O Pavilhão Dourado, Yukio Mishima <=== admito que este é o que mais quero!
  • Mar Inquieto, Yukio Mishima
  • Confissões de Uma Máscara, Yukio Mishima
  • Cores Proibidas, Yukio Mishima
  • O Diário de Bridget Jones, Helen Fielding
  • Nick & Norah - Uma Noite de Amor e Música, David Levithan e Rachel Cohn
  • 1001 Filmes Para Ver Antes de Morrer
  • 1001 Songs You Must Hear Before You Die <=== esse é outro que amaria ganhar também!
  • O Menino Maluquinho, Ziraldo
  • Oito Minutos Dentro de Uma Fotografia, Ganymedes José

CDs
  • Katy Perry - Teenage Dream
  • Zuco 103 - Tales of High Fever
  • Goldfrapp - Head First
  • Mandy Moore - Amanda Leigh
  • Erykah Badu - New Amerykah Part I - 4th World War
  • Erykah Badu - New Amerykah Part II - Return of Ankh <=== dentre os dois da Erykah, quero mais esse!
  • Vanessa da Mata - Sim
  • Vanessa da Mata - Bicicletas, Bolos e Outras Alegrias
  • The Fugees - The Score
  • TLC - CrazySexyCool
  • Des'ree - I Ain't Movin'
  • Far East Movement - Free Wired
  • The Flaming Lips - Yoshimi Battles The Pink Robots
  • Gal Costa - Bem Bom
  • Gal Costa - Profana
  • LCD Soundsystem - Sound of Silver
  • M.I.A. - Arular
  • M.I.A. - Kala
  • Jay Vaquer - Você Não Me Conhece
  • Radiohead - Pablo Honey
  • Radiohead - The Bends
  • Radiohead - Kid A
  • Radiohead - Amnesiac
  • Radiohead - Hail To The Thief
  • Billie Holiday - Lady In Satin
  • Corrinne Bailey Rae - The Sea
  • Phil Collins - Hits
  • Kylie Minogue - Body Language
  • Norah Jones - Come Away With Me
  • Norah Jones - Feels Like Home
  • Norah Jones - Not Too Late
  • Norah Jones - The Fall
  • Cibo Matto - Viva La Woman
  • Cee Lo Green - The Lady Killer
  • Trilha sonora do filme Tron

DVD shows:
  • Janet Jackson - From Janet to Damita Jo
  • Mariah Carey - The Adventures of Mimi (duplo) <=== Nesse caso serei chato: a versão econômica (1 DVD) eu não quero... XD
  • Mariah Carey - Fantasy At The Madison Square Garden

DVD filme:
  • O Iluminado (duplo)
  • Um Estranho no Ninho (duplo)
  • Cidadão Kane (duplo)
  • O Mágico de Oz
  • Ardida Como Pimenta
  • A Origem
  • O Livro de Eli
  • PS Eu Te Amo
  • A Princesa e o Sapo
  • Sede de Sangue
  • Agentes de Elite
  • D-War
  • Dias Selvagens
  • A Maldição da Flor Dourada
  • Anna e o Rei <=== versão com Jodie Foster e Chow Yun Fat
  • O Rei e Eu <=== clássico com Yul Brenner
  • O Matador <=== filme do John Woo
  • Oldboy (duplo)
  • Ichi O Assassino (duplo)
  • Entre O Amor e A Glória
  • Rogue O Assassino
  • Tekken
  • Tokyo Raiders
  • Direito de Amar
  • Karate Kid 4 <=== aquele com a Hilary Swank
  • Gamer
  • Quem É Essa Garota?
  • Volta Ao Mundo Em 80 Dias <=== a versão com o Jackie Chan
  • Quem Sou Eu?
  • Mr. Nice Guy - Bom de Briga
  • Hora do Rush 3
  • Como Treinar o Seu Dragão
  • Simplesmente Complicado
  • Homem de Ferro 2

Seriados e Boxes de DVD:
  • Box da primeira temporada de 30 Rock
  • Box da primeira temporada de The Big Bang Theory
  • Box da segunda temporada de The Mentalist
  • Segundo Box de Changeman
  • Box Trilogia Toy Story
  • Box Trilogia Karate Kid

Vestuário:
Geralmente não gosto de ganhar roupas, visto que poucos acertam o meu gosto. Mas adoraria ter uma camisa Bazzinga da Loja Nerd. Para verem, cliquem aqui.

Outras coisas que gostaria de ganhar:
  • Chaveiros ou canecas de anime.
  • Action Figures de anime, especialmente Hetalia (Alemanha) ou Naruto (Kakashi e Iruka). Pode ser os pequenininhos.
  • Edições faltantes dos mangás X, Berserk e Slam Dunk. <=== Falem comigo por MSN ou Twitter para que eu passe as edições faltantes. Não precisa ser comprado, aceito usado.
  • Os Pinguins de Madagascar vendidos pela McDonalds. Aceito especialmente os do Recruta.

Outras dicas e avisos:
  • Também ficaria muito feliz em receber cartas dos meus amigos virtuais. Quem quiser me fazer esse mimo, é só me avisar no Twitter ou MSN que lhe mando meu endereço. =)
  • Lembro também que A-DO-RO ganhar presentes que vocês mesmo fizeram: plushies, bottons, cartões, desenhos...
  • Como fã de filmes asiáticos em geral, vocês podem me dar qualquer filme desse tipo (especialmente do Japão, China, Coreia, Tailândia), mesmo não estando na lista vou gostar de qualquer jeito.
  • A maioria das coisas estão à venda em sites de compra online, e até onde vi, muitas estão em promoção.
  • Também não me importo se o produto foi adquirido em sebo, especialmente alguns filmes que pedi e que eu sei que são meio difíceis de achar.

É isso. Lembrando sempre que não é fundamental que me dê presente... Mas que seria ótimo, seria! LOL

James Bond em apoio ao Dia Internacional da Mulher

Saiu hoje um curta genial em apoio ao Dia Internacional da Mulher, comissionado pela coalisão de ONGs feministas EQUALS.
Em dois minutos Judi Dench como o seu peronagem na franquia de James Bond, M, decide falar com o famoso agente secreto, interpretado por Daniel Craig, sobre a suposta igualdade entre homens e mulheres, até convidando-o a se vestir como uma. Um vídeo genial, simplesmente isso, e que nos dá muito o que pensar. Logo abaixo o vídeo e a transcrição da narração do vídeo em português. E perdão se eu tiver errado alguma coisa. Pra mim ainda é complicado entender o sotaque britânico... XD


"Nós somos iguais, não somos, 007?

Nós estamos em 2011 e ainda é mais fácil um homem ganhar mais dinheiro que uma mulher, ainda que no mesmo emprego.
Você tem uma chance ainda maior de ganhar uma vaga na política ou de se tornar diretor de uma empresa.
Como um homem, você tem poucas chances de ser julgado por comportamento promíscuo e de se tornar vítima de assédio sexual.
E ao contrário de trinta mil mulheres no Reino Unido que perdem seus empregos anualmente devido à gravidez, você não teria nenhuma chance de arriscar seu emprego ao decidir ser pai... ou se você acidentalmente se tornasse um.
Para alguém que tem tanta diversão com mulheres, me pergunto se algum dia já considerou a hipótese de se tornar uma..."

*Daniel Craig volta vestido como mulher*

"O mundo mudou... mas os índices continuam estagnados contra nós.
As mulheres são responsáveis por dois terços nos trabalhos mundialmente, mas só conseguem 10% do lucro da produção total, ou 1% dos direitos.
Mas não se trata apenas de dinheiro e poder.
Todo ano setenta milhões de garotas são privadas até mesmo de uma educação básica. E estarrecedores sessenta milhões são assediadas sexualmente durante o caminho para a escola.
Temos medo de andar pelas ruas à noite, e algumas de nós tem ainda mais medo de voltar para casa. Pelo menos uma em cada quatro são vítimas de violência doméstica.
E a cada semana, duas mulheres no Reino Unido são mortas pelos atuais companheiros ou ex.

Então, somos iguais?

Até que a resposta seja SIM, não há como parar de perguntar."

O curta foi dirigido pela Sam Taylor-Wood, diretora do filme O Garoto de Liverpool, e escrito pela Jane Goldman, responsável por Kick Ass. É ver e sair tão estarrecido e envergonhado quanto o Daniel Craig no vídeo.
Para saber mais sobre o grupo EQUALS, clique aqui.

Entre na Bazzingueira...

Na opinião de vocês, qual é o hit nerd do verão???
Darei três opções, comentem na sua favorita (???). Entendam como quiser...

Enfim, seria o Melô do Hadouken, do Swing Baiano?


Ou, ainda no clima do game da CAPCOM, seria A Dança do Street Fighter, da dupla Mantena e JP?

Quem sabe a mais, ahn... marcante seja a canção Liga da Justiça, do grupo Leva Nóiz?


Cada uma é uma verdadeira poesia para um ouvido nerd, não?
Assistam (se conseguirem) e vote aqui na sua canção nerd favorita!


Errata: site oficial do Jiraiya

Um post curtinho... ;)
Cometi um pequeno errinho tempos atrás quando fiz meu post sobre o Jiraiya. Aliás, não foi bem um erro, foi falta de uma pesquisa maior. Acontece! Eu e o Google às vezes não nos damos bem. Enquanto muitos acham o que procuram de primeira, muitas vezes não consigo achar nada.
Enfim, voltando ao ponto: no post do Jiraiya eu disse que não tinha encontrado o site dele, mas fazendo uma pesquisa maior dias atrás acabei encontrando-o! E com isso acabei descobrindo algo bom: seu aniversário: dia 28 de abril. Uma pena que não é do mesmo signo que o meu, mas eu gosto de saber que nasceram no mesmo mês que eu! XD É um site afiliado, pelo que se pode ver, com a revista G-men, por isso o site não é tão cheio de "goodies" quanto o do Gengoroh Tagame, por exemplo, mas vale a visita.
Mas é isso. Sei que estou bem atrasado, muitos já devem ter visto o site, mas vou inserir o link na seção de links do site para futuras visitas. E para dar uma olhadinha, é só clicar na imagem abaixo.

Jiraiya

Artista bara: Tsukasa Matsuzaki (18+)

AVISO: Post sobre mangás eróticos homossexuais, que pode conter imagens de nudez masculina e sexo entre homens. Se não gosta, ou não tem idade legal para ver esse tipo de imagem, não prossiga!

Demorou, eu sei, mas apresento-lhes outro artista bara que aprecio bastante: Tsukasa Matsuzaki.

Tsukasa Matsuzaki
Nascido no dia 31 de maio de 1966, Matsuzaki é um artista que já tem um belo arsenal de mangás em seu currículo. Pena que poucos deles se acha traduzidos por aí, em inglês inclusive.
Parece-me que o Matsuzaki começou seu trabalho como mangaká em revistas yaoi/BL e depois migrou para a famosa G-men. Hoje tem mais de 15 títulos compilados próprios, e trabalha até hoje: o último Shouka-Dou, uma série de tankobon em que ele divide a autoria das histórias com o nosso querido Takeshi Matsu, saiu recentemente. Aliás, eu sou maluco pra ler uma história criada pelos dois. E me pergunto se os dois são amigos ou companheiros... 
Seu traço é bom, lembro que há um tempo atrás eu vivia confundindo seu traço com o do Gengoroh Tagame, porém seu estilo não é tão adulto quanto o deste, ele utiliza de um traço mais "manganesco", assim como o Takeshi Matsu.  Utiliza um traço mais agradável, mais polido, quase lembrando um traço de yaoi mesmo às vezes... E parece-me que ele gosta bastante de utilizar a ideia de um quarentão com um homem mais jovem em suas histórias.
Enfim, a seguir mais algumas imagens de trabalhos do Matsuzaki... Não achei artworks. =/

Tsukasa MatsuzakiTsukasa Matsuzaki

Tsukasa MatsuzakiTsukasa Matsuzaki

Tsukasa Matsuzaki
Esta é a arte de capa de uma das edições do Shouka-Dou, publicação com histórias do Matsuzaki e Takeshi Matsu.

Infelizmente não achei nenhum site oficial do Matsuzaki também... Para quem quiser dar uma olhada em seus trabalhos, é só visitar esta página do The Bara Forums, ou procurar suas respectivas traduções em blogs que traduzem bara em português.

Atualização 17/03/11: Eu achei o Twitter do Matsuzaki! Sigam ele: http://twitter.com/Tsukasa_mat

Cinema nunca mais!!!

 
Depois de um acontecimento dessa semana juro que nunca mais convido ninguém para ir ao cinema comigo. Eu nunca agi de acordo com as normas, portanto eu não sabia que "convidar ao cinema" era sinônimo de "quero namorar contigo".
Sério, um dos lugares que menos penso em ficar com alguém é numa sala de cinema. Até porque quem me viu numa sala de cinema sabe o quanto eu sou chato: não gosto de ninguém falando muito, comentando muito o filme, ou conversando mesmo. Imagine se eu vou pagar um ingresso pra me pegar numa sala de cinema, eu não consigo misturar as coisas.
Além disso, como eu acredito - acreditava, né? - que esse era o melhor modo de passar o tempo com amigos, depois de um filme discutí-lo e ficar matando o tempo conversando, assim como já faço com amigos e e o fiz por muito tempo, eu não via malícia nenhuma em convidar pra sair.
Portanto, meus amiguinhos heterossexuais, calma lá... Se eu os convido pra conversar não é com segundas intenções não. Até mesmo se eu estiver interessado em sua pessoas - e isso é algo que não posso evitar, é de minha natureza - eu não vou ficar dando em cima direto. Até porque, primeiro você se diz hétero né? Não precisa ficar confirmando pra mim. E segundo, eu nunca daria em cima de pessoas comprometidas, por exemplo. No máximo de brincadeira, mas geralmente meu interesse é cortado assim que a pessoa acha alguém. E terceiro, eu não sou babaca de ficar investindo em coisas platônicas. Não mais. Pra mim é assim: quando não tem jeito, não tem jeito. Corto logo. Mas acima de tudo eu gosto de preservar amizades e, sei lá se isso é ruim  - ou estranho - gosto de manter as pessoas que gosto por perto, a convido para programas para se distrair e eu conhecer melhor. Isso é indício de paquera? Sei lá, pra mim não é.
Mas enfim, agora saquei porque tanta gente fica com o c* preso se eu a convido pra fazer alguma coisa... Boas notícias pessoal: não vou convidar mais ninguém pra programa nenhum! Podem ficar tranquilinhos. Até porque sempre fiz essas coisas sozinho, quase nunca surtia efeito, e eu acabava ouvindo um monte de desculpa esfarrapada. Mas eu entendo que nem todo mundo seja muito bem seguro, cada um tem seus complexos... E talvez seja melhor assim. Aliás, É melhor assim. Às vezes me lamento por esse tipo de situação, mas sinceramente? É a velha sabedoria popular: antes só que mal acompanhado, né?

O palhaço

Krusty The Simpsons
 
Sabe, durante essa minha ainda breve jornada como Diego eu passei por alguns momentos, no mínimo, chatos. Assim como todo mundo. Pena que não posso avaliar todo mundo, só eu mesmo. E às vezes devo dizer que esses momentos se repetem tanto que me fazem perguntar o porquê disso.
Uma pessoa que durante todo o seu crescimento sempre ouviu de outras bocas que era estranho. Esquisito. E várias vezes essas outras bocas não hesitavam em apontar, comentar, rir... Aliás, eu devo ter a maior cara de palhaço porque as pessoas adoram rir de mim. Até de muitos que se dizem meus "amigos" - posso ter cara de palhaço, mas não sou idiota. Fica a dica!
Mas enfim, para fazer uma referência, leiam a história da Kisa em "Fruits Basket". É praticamente isso: muitos riem de mim, e riem, riem... E eu sempre sem entender o porquê disso.

"Hahahaha, como ele escreve engraçado!"
"Hahahahaha, como ele fala estranho!"
"Hihihihihihihihhihihihihi, olha como ele se veste!"
"Hohohohohohohohohohohoho, olha a cara dele!"
"HUAHAHAUAHAAHHAAUAHAUAHAAHAUAHA, que esquisito ele!"

E vocês se perguntam o que faço de tão estranho-engraçado? EU NÃO SEI! Simples assim.
E sempre foi assim: uma pessoa que cresceu sempre ouvindo o quanto era estranha... sem saber o que tinha de tão estranho pois se achava tão parecida aos outros, que não fazia nada demais.
O negócio é que já cansei de tentar entender, e nem quero. Porém vez ou outra aparece alguém que quer entender meu jeito de ser e, dentre muitas respostas, só posso dizer que nem eu entendo. Desisti de tentar entender. Eu só vivo. Eu só quero viver. Pessoas, a vida é tão curta, cheia de cretinices e problemas por si só... e eu AINDA tenho de me preocupar se estou lhes agradando ou não?
Olha, a coisa é bem simples de resolver: se eu não agrado de alguma forma... se sou enjoado demais, paranoico demais, fresco demais, distraído demais, gentil demais, enfim... ESTRANHO demais... me deixe. Não precisa ficar forçando alguma coisa, simplesmente não mantenha contato com algo que lhe incomoda tanto. Só peço que seja bem claro né? Porque infelizmente, na lista de coisas que eu faço que são estranhas, eu gosto de manter perto as pessoas que gosto. Gosto de tratá-las bem (não diferente de como gostaria de ser tratado), e acho que as diferenças entre nós não seja algo condenável. Até porque não gosto de julgar, gosto de tratar a todos igualmente, valorizo mais o que as pessoas tem de bom, coisa que não sei porquê é difíiiiiicil de acontecer comigo... Enfim, é algo que levaria um tempão para que eu explicasse tudo certinho, mas em resumo é isso: gosto de todos pelo que são. Simples assim. E se é ruim entender isso, ou se você não é capaz de me tratar igualmente... adeus! Me ame ou me deixe... Só isso!
Tenho uma vida toda pra viver, e infelizmente ela não dura muito. Amanhã pode ser que eu nem esteja mais por aqui, então a única coisa que posso fazer é tentar vivê-la. E para isso eu tenho de estar bem consigo mesmo, e pessoas, como eu estou!... Sério, só tenho a agradecer a Deus por tudo, porque em sorte eu não acredito. Acaso muito menos. Acredito que cada um faz sua vida, seu destino, e é isso que vou fazer. E do meu jeitinho! Aos trancos e barrancos, mas vamo lá... Quem não gosta, por favor, dá licença e saia do meio da passagem. E quem gosta, me segue que eu tô brilhando! *_*

Mariah Carey

Álbum de sucessos do CHEMISTRY chega hoje nas lojas

Não sei se os leitores do meu blog acompanham meu Twitter também, mas nele comentei dias atrás que o primeiro single do CHEMISTRY, "Pieces Of A Dream" faria aniversário de dez anos amanhã, dia três de março. Falei isso e me perguntei se o CHEMISTRY faria alguma coisa para comemorar esses dez anos. Dias depois tive a resposta, que é a notícia estou repassando agora. O CHEMISTRY está lançando hoje um álbum de compilação de sucessos entitulado "CHEMISTRY 2001-2011".

Uma das capas das três versões do álbum.
 
O álbum (posso falar que é álbum sem sentir que estou cometendo anglicismo, já que se trata de mais de um disco) conta com três versões: a regular, com dois CDs com músicas já conhecidas e a inédita "merry-go-round". A edição especial com DVD vem, além dos dois CDs de música, um DVD com videoclipes. E por fim a edição especial limitada, que além dos três discos anteriormente citados, vem com mais um DVD extra com apresentações ao vivo e mais brindes: uma toalhinha comemorativa que pode ser usada como cachecol (essas coisas são entituladas "muffler towel" em inglês), um álbum de fotos e um cartão. Que presentão, hein?
Isso sem falar que eles farão uma turnê para comemorar o aniversário de dez anos. E eu aqui no Brasil, sem possibilidade de ter os CDs, muito menos de assistir aos shows. T^T Não, eu não fiz esse post só pra me lamentar disso XD mas é que estou contente que minha dupla musical japonesa favorita já tenha tantos anos de carreira, e espero que consigam mais.
E também escrevo isso para que saibam que adoraria ter a edição com DVD... E olha só que coincidência, já já meu aniversário chega! Indireta? Imagina! XD Brincadeira, eu verificarei quanto custaria importar esse álbum, gostaria muito de tê-lo...
Mais informações sobre o álbum você pode pegar na página especial criada no site do CHEMISTRY para divulgação. Ah sim, quase esqueci... otanjoubi omedetou CHEMISTRY!!!

15 anos de Pokémon

Pokémon

Atrasado, eu sei... Mas fazer o quê, sou universitário (essa é uma boa desculpa, a usarei mais vezes, hahahaha! ;P)! Mas devo dizer que o dia de 27 de fevereiro foi muito divertido para mim. A utilização da tag #pokemon15th no Twitter para lembrar o aniversário de 15 anos de Pokémon me serviu para lembrar de muitas coisas que aconteceram na minha infância, que hoje parece tão distante...

Pokémon Club
Minha memória é curta, mas lembro como se fosse ontem (ou quase XD): a primeira vez que vi Pokémon na TV eu não gostei. Incrível como muita coisa que amo e guardo para sempre hoje, de início, não me agrada e depois me fisga legal... Até lembro que minha mãe estranhou certa vez, quando eu já estava viciado, e me perguntou como eu gostava tanto do desenho se antes eu tinha dito que era chato... XD
Eu lembro bem quando eu comecei a gostar. Foi com o episódio sete - ou seis, nisso minha memória falhou XD - entitulado "Clefairy e a Pedra da Lua". Daí vocês podem tirar o motivo de eu amar tanto o Clefairy. Pokémon me fisgou, além da fofura dos bichos, pelo humor. Há tempos eu não via algo tão engraçado, e criativo! Não tem nenhum episódio chato da primeira temporada, incrível. A primeira temporada, realmente, foi um primor de produção, e anos depois eu fui descobrir que o motivo disso foi o Takeshi Shudo, já falecido e que tem um belo currículo.
Depois eu descobri que na verdade Pokémon não era apenas um desenho, mas que foi adaptado de um game em que você poderia criar seus próprios "monstros de bolso". E, bem, obviamente eu tinha que ter o jogo também. Virei fã de carteirinha, tinha os jogos, chaveiros, as miniaturas que vinham no Guaraná Antártica Caçulinha - que era caro pra cacete - , colecionava as revistas... Aliás, com Pokémon foi que eu descobri a revista AnimeDo. Ou seja, passo a passo eu me encaminhava para o mundo otaku.

Pokémon
Pokémon Amarelo. Meu primeiro jogo de Pokémon. Tenho o cartucho até hoje.
Quando jogaram fora a caixa desse meu jogo - adorava ficar olhando pra ela, tenho pena de jogar as caixas dos jogos - quase morri de ódio. Só salvei o manual.


Mas se tem uma coisa que eu agradeço muito a Pokémon é que o anime me ajudou a conhecer duas pessoas que por um bom tempo foram meus amigos de colégio, os únicos. E me pergunto até hoje como me aguentaram XD pois se muita gente me acha insuportável hoje, imagine naquele tempo onde todo mundo é imaturo... Mas enfim, eles fizeram a minha vida naquele inferno colégio um pouco mais suportável, e divertida. Porém o "grupo" dispersou. Um praticamente sumiu, sabe Deus por onde anda, o outro está muito ocupado, acho, pra falar comigo. Acontece dessas coisas, mas espero que possamos nos reencontrar um dia. Seria um ótimo presente de aniversário.
Pokémon: O Filme
E é engraçado perceber que mesmo depois de muito tempo sem ao menos lembrar de Pokémon, tanta coisa foi retirada do subconsciente com apenas alguns tweets. Relembrar de episódios memoráveis, achar um porre a Eliana tentando aparecer como se fosse a "madrinha" de Pokémon tentando ganhar dinheiro com isso de qualquer jeito, caçar informações direto do Japão (sei que tinha gente fazendo isso há muito tempo, mas era novidade pra pessoas da minha idade), fazer batalhas - com Game Boy ou no papel mesmo, no maior estilo RPG - durante os intervalos das aulas, imitar as vozes do Pokémon - como minha voz não tinha engrossado ainda, eu conseguia imitar direitinho o Pikachu, pena que pouca gente ouviu, deveria ter gravado! -, competições pra ver quem sabia todos os 151 decorados, cantar o PokéRap. E algo muito marcante: a emoção de ir ao cinema para ver o primeiro filme, lotado de gente... Aliás, é engraçado lembrar que, talvez como naquela geração muitos tenham tido contato com outras pessoas por causa de Pokémon - na época internet era rara, difícil ter encontros e eventos de fãs como hoje em dia - a maioria se olhava de jeito estranho e alguns ficavam competindo para reconhecer os Pokémon que apareciam na telona: "Olha o Pikachu!", "Olha o Weezing!", "Olha o Squirtle!"... Sem falar que o filme mostraria os tais Pokémon novos, já da geração seguinte. A parte triste disso tudo é que infelizmente a série não segurou a fama, digamos. Começou a se repetir demais, acabou perdendo a glória de antes. Mas o saudosismo é fogo, tanto que sempre que a tag caia dos TTs, davam um jeito dela voltar, e num grande salto. Creio que aconteceu da tag cair e voltar umas três vezes, mais ou menos.
E com isso descobri que Pokémon não morreu em meu coração. Eu ainda sonho em ter minha criação de Clefairies, queria muito andar num daqueles fuscas do Pikachu (e quem sabe um dia ter cacife pra comprar um), queria que os filmes (e a série) fossem lançados em box por aqui... E ter plushies de alguns favoritos meus, isso é uma coisa que sempre quis e nunca consegui. Na época ainda não tinha grana nas mãos, tudo controlado pela mãe. Sem falar que era uma época em que não podíamos consumir tanto quanto agora (juro que isso não é propaganda petista, hahahaha!).
Eu poderia escrever uma lista quilométrica de coisas sobre Pokémon. Coisas que gostava e desgostava, as coisas que Pokémon trouxe pra mim. Lições, lembranças... Infelizmente isso me levaria muito tempo, um tempo que gostaria de ter, mas não tenho. Talvez essa seja a coisa que mais dói, perceber que o tempo passou, e que muitas das alegrias daquele tempo que marcou tanto passaram. Normal, mas é chato de certa forma. Creio que nada mais vai me marcar tanto quanto Pokémon, nem Naruto que seria meu vício "mais novo". Aquele tipo de coisa que marca e a gente leva pela vida inteira. Se eu pudesse resumir tudo o que Pokémon me trouxe pra vida seria isso: felicidade. Felicidade num tempo em que nem tinha ideia do quão complicada seriam as coisas nos anos a se seguirem. Mas de certo modo, parece que esses dias aconteceram apenas a uns poucos anos atrás... Enfim, valeu Satoshi Tajiri! Que venham os vinte, trinta, quarenta anos de aniversário de Pokémon... Vai ser uma alegria comemorar e relembrar tudo, até onde Deus permitir...

Pokémon

É... Estou velho! T^T