English French German Spain Italian Dutch

Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Perfil: Collin Chou

Finalmente mais um perfil! Para quem gostava dessa seção, desculpe a ausência. Eu não estava com cabeça pra pesquisar fotos e biografia...
Mas enfim, voltou. E dessa vez preferi mudar o nome de "Perfil da Semana" para apenas "Perfil" porque, bem, eu não consigo fazer mais um perfil desses por semana, então o nome seria enganoso... Ou em vez disso seria melhor voltar para o nome antigo, "100% Homem Bom"? XDDDDDDDDD
Hoje contarei um pouco sobre Collin Chou.

Collin Chou, cujo nome de batismo é Chou Hsiao-Long (鄒兆龍), é um ator de ação taiwanês com um bom currículo de filmes chineses e que atualmente é conhecido pelo público ocidental como o intérprete de Seraph nos filmes Matrix Reloaded e Matrix Revolutions.

Collin Chou

Desde jovem, Chou treinava artes marciais. E enquanto aprendia tae kwon do ele foi descoberto e contratado como dublê... aos doze anos! Pela idade e altura ele era escalado para servir de dublê para atrizes.
Aos 18 anos ele teve sua primeira oportunidade na frente das câmeras, protagonizando um filme taiwanês chamado Shy Spirit (ou Promising Young Boy), que contava a história de um jovem lutador de tae kwon do. O filme foi produzido por Sammo Hung.
Collin ChouCom 21 anos ele entraria pro Hung Ga Ban, o time de dublês de Sammo Hung especializados para trabalhar no cinema e lá criou o nome artístico Ngai Sing, que usou durante um bom tempo. No grupo ele se torna um dos membros mais importantes, e até mesmo torna-se um estudante de arte marcial de Sammo Hung, podendo se gabar de ter sido, até o momento, o único discúpulo de Sammo. E foi em produções de filmes de Sammo Hung, como License to Steal, que Collin Chou consolidou sua carreira em Hong Kong.
O final da década de 90 foi um período de mudanças significativas na vida de Chou. Em 1997 ele se casa com a modelo e atriz Wanda Yung e muda o nome artístico para Collin Chou, adotando um nome inglês para melhor divulgar seu trabalho assim como muitos artistas chineses o fizeram. No ano de 1999 ele muda-se para os Estados Unidos para estudar a língua inglesa e então tentar uma carreira em Hollywood futuramente. E a chance não iria demorar...
A trilogia Matrix estava sendo preparada e eles precisavam de um ator com habilidades marciais para o papel de Seraph. O primeiro escolhido para o papel foi Jet Li, mas este recusou o papel. Collin Chou então ganhou o papel, podendo mostrar suas habilidades como ator para o mundo. E a partir de sua participação em Matrix Reloaded e Matrix Revolutions, Collin Chou é mais um dos atores que dividem seu tempo trabalhando em Hong Kong e no ocidente, onde mora recentemente (Los Angeles). Seu último trabalho em Hollywood foi como o Imperador de Jade, vilão do filme O Reino Proibido.

Collin Chou

Nome: 鄒兆龍
Nome romanji: Chou Hsiao-Long
Nome artístico: Collin Chou, Ngai Sing (no começo de carreira).
Profissão: Ator, modelo, artista marcial
Data de nascimento: 11 de agosto de 1967
Local de nascimento: Kaohsiung, Taiwan
Altura: 1,80m
Signo: Leão
Tipo sanguíneo: O
Família: Casado até hoje com Wanda Yung, com a qual tem dois filhos.

Collin Chou

Filmografia
Os filmes lançados no Brasil estão com o nome em português e em negrito.
  • Shy Spirit (1988)
  • Into the Fire (1989)
  • License to Steal (1990)
  • Lover's Tear (1991)
  • Slickers vs. Killers (1991)
  • Blade of Fury (1993)
  • Exorcist Master (1993)
  • Kung Fu Cult Master (1993)
  • Ashes of Time (1994)
  • Hail the Judge (1994)
  • O Guarda-Costas Em Ação (The Bodyguard from Beijing, 1994)
  • O Justiceiro (My Father is a Hero, 1995)
  • Thunderbolt - Ação Sobre Rodas (Thunderbolt, 1995)
  • War of the Under World (1996)
  • Dr Wai: Em Busca da Escritura Sagrada (Dr. Wai in "The Scripture with No Words, 1996)
  • God of Gamblers 3: The Early Stage (1997)
  • '97 Aces Go Places (1997)
  • Rumble Ages (1998)
  • I Shoot Myself (1998)
  • The Group (1998)
  • Immortal Spirit (1999)
  • City of Darkness (1999)
  • Temptation of an Angel (1999)
  • The Victim (1999)
  • The Vampire Combat (2001)
  • No Problem 2 (2002)
  • Roaring Dragon, Bluffing Tiger (2003)
  • Matrix Reloaded (The Matrix Reloaded, 2003)
  • Matrix Revolutions (The Matrix Revolutions, 2003)
  • American Fusion (2005)
  • O Mestre das Armas (Fearless, 2006)
  • The Duel (2006)
  • DOA: Morto ou Vivo (DOA: Dead or Alive, 2006)
  • Flashpoint (Flash Point, 2007)
  • O Reino Proibido (The Forbidden Kingdom, 2008)
  • Nuptials of the Dead (2008)
  • City Under Siege (2010)
Collin Chou

Curiosidades
  • Veio de uma família grande, de doze irmãos. Oito homens e quatro mulheres.
  • É fluente em mandarim, cantonês e inglês.
  • É escalado quase sempre como o vilão da história. E não qualquer vilão, é sempre um indivíduo com fortes distúrbios mentais. XD
  • Ele já dividiu várias vezes a cena com Jet Li. Na maioria daz vezes interpretando o antagonista.
  • Foi dublê do Jackie Chan no filme Thunderbolt - Ação Sobre Rodas.
  • Ele iria participar do lixo filme Ninja Assassino, mas - graças a Deus - ele teve de cancelar sua participação por algum motivo.
Collin Chou

MusicMonday: Rocket

Hoje a música é do Goldfrapp (sim, o nome da cantora é Alison Goldfrapp, mas o Goldfrapp é uma dupla musical caso não saibam...), então não tem erro não é? Quem conhece sabe... Quem conhece gosta!
Viciei em Rocket desde a primeira vez que ouvi. A música é sobre um final de relacionamento culminado por uma traição, com uma letra que carrega uma boa dose de desgosto, mas que por fim quem canta vai literalmente mandar a pessoa infiel pro espaço, e convenhamos, quem nunca quis fazer isso com seus ex? XD E o bom é que a música é tão cool, boa de dançar, que você curte e nem imagina que a letra é meio triste. Triste, mas com boa dose de sarcasmo, assim como o clipe que podem ver pelo link neste post.
Eis minha recomendação para esta segunda, espero que curtam!

Goldfrapp - Rocket

Goldfrapp Rocket single

"Comecei algo
Achei que seria divertido
Comecei algo
Não podia continuar

Perigo, mágoa
Eu sempre soube
Não há vencedor
Nesse jogo você perde

Mas eu ainda quero saber
Como foi que ela entrou
Sem ser convidada

Oh, oh, oh, eu tenho um foguete
Oh, oh, oh, você estará nele
Oh, oh, oh, você nunca irá voltar

Clichês, segredos
Histórias se revelam
Enganado por uma paixão
Perdendo o controle

Perigo, mágoa
Algo morreu
Sem fingimentos
Estou indo embora

Mas eu ainda quero saber
Como foi que ela entrou
Sem ser convidada

Oh, oh, oh, eu tenho um foguete
Oh, oh, oh, você estará nele
Oh, oh, oh, você nunca irá voltar
Oh, oh, oh, eu tenho um foguete
Oh, oh, oh, você estará nele
Oh, oh, oh, você nunca irá voltar

Você nunca irá voltar
Você nunca irá voltar novamente, não, não
Você vai sozinho

Oh, oh, oh, eu tenho um foguete
Oh, oh, oh, você estará nele
Oh, oh, oh, você nunca irá voltar
Oh, oh, oh, eu tenho um foguete
Oh, oh, oh, você estará nele
Oh, oh, oh, você nunca irá voltar
Você nunca irá voltar

Cinco, quatro, três, dois, um
Tivemos uma decolagem..."

Notícias bara: entrevista com Jiraiya

Uma grande novidade para os fãs de bara que acompanham o blog!
The Best Trio Jiraiya
Pesquisando sobre artistas bara eu acabei caindo neste blog, Japanese Gay Art, que é administrado por um curador de arte chamado Masahiko, que além de fazer exposições de arte gay japonesa, contando com os artistas e tudo, ele vende artworks de artistas como Gengoroh Tagame, por exemplo. Ou seja, se você for um gay admirador de arte bem rico, pode comprar algumas coisinhas por lá, navegue pelo blog pra ter mais alguma noção.
Mas meu post aqui não é bem sobre o blog, mas sobre um conteúdo interessante que achei: uma entrevista com o Jiraiya! Eu então me dei a liberdade de traduzir e postar aqui pra vocês, embora não tenha 100% de certeza que o blog entrevistou mesmo o Jiraiya. Não que a entrevista pareça falsa, eu que desconfio de tudo encontrado na internet, desculpem. Mas eu creio que não iriam cometer tamanho absurdo...
Bem, a única ressalva que faço é que a entrevista provavelmente aconteceu em japonês e, como está escrito no post original (vejam a URL de fonte no final do post), alguém traduziu para o inglês, e por causa disso algumas partes ficaram um tanto estranhas, sabe? E não falo só dos erros gramaticais... Por exemplo, o trecho em que Jiraiya fala que ele não conhece a comunidade gay japonesa. Como isso acontece se ele mesmo é gay?... Erro ou não, vou simplesmente traduzir (tentar né já que tem uns trechos podreiras de se traduzir XD) a entrevista e colocar aqui, leiam e comentem. Não deixem de avisar qualquer erro de tradução caso percebam pra que eu corrija o mais rápido possível.
Você pode me dizer o que o levou para tornar-se ilustrador/cartunista para gays?
Meu principal negócio é o design e ilustração comercial. Para ilustração comercial, eu tinha poucas chances de desenhar o meu tipo favorito de cara que é grande e musculoso. Naquela época, eu sabia de uma catapulta para o sucesso de ilustradores de gay "Otokoe-juku", concurso organizado pelo Sr. Gengoroh Tagame em uma revista gay, G-Men. Eu coloquei a minha ilustração para ver no que dava, e ela foi aprovada. Desde então, tenho trabalhado com ilustração para gays.
Eu queria ser um cartunista quando tinha vinte anos e eu tive algumas chances de colocar o meu desenho em quadrinhos em geral *Nota do blogueiro: acho que ele quis dizer mangás "normais": shounen, shoujo etc.*. Contudo, foi impossível para mim desenhar mangás em período semanal ou quinzenal, de modo que eu desisti de ser mangaká. No entanto, cerca de um ano depois de desenhar ilustrações para revistas gays, eu disse ao editor que eu costumava criar histórias, e me pediram para fazer isso para a revista e então faço isso até hoje.

De onde veio o seu pseudônimo?
'Jiraiya' é o nome do ninja imaginário benevolente que usa magia. Ele aparece muito em kabuki ou joruri e é muito popular no Japão. Eu só queria um pseudônimo japonês e nunca imaginei que eu iria usar este por mais de 10 anos.

Ouvi dizer que você conseguir ser um empresário e um mangaká ao mesmo tempo... Qual seria a razão para isso? *Nota do blogueiro: acho que "empresário" se refere ao fato que Jiraiya trabalha também com design, como se entende na primeira pergunta da entrevista*
A respeito das ilustrações para gays, eu quero liberar apenas o que eu quero desenhar. Isso não é trabalho fácil para levar como ganha-pão.
Na verdade, tornei-me um freelancer recentemente. Então não sou mais um homem de negócios, mas eu ainda faço distinção entre o meu negócio principal das obras para gays.

Os homens que você desenha são realmente o seu tipo?
Claro que sim! Mas ainda é mangá, então eu exagero um pouco.

Você tem um tema geral em suas obras?
Eu não tenho certeza se ele é chamado de tema, mas eu produzo meus trabalhos na esperança de que gays sintam-se felizes por serem gays através de meus trabalhos.

Qual é o ponto de maior dificuldade ou de maior cuidado em seus trabalhos?
Eu gostaria de desenhar caras reais que eu espero que as pessoas que veem o meu trabalho possam sentir algo como 'eu quero encontrar alguém como ele' ou 'ele se parece com alguém que eu conheço'. Então, eu estou tentando desenhar retratos que sejam verossímeis o tanto quanto possível, sem muitas deformações.

Se você não se importa, você tem um parceiro?
Eu estou com um parceiro há 10 anos.

O que você acha da comunidade gay no Japão?
Como eu não sei muito sobre a comunidade gay no Japão, eu não estou em posição de dizer algo sobre isso.
Em relação ao meio que envolve gays no Japão, eu acho que japoneses não tem sido muito tolerantes sobre a homossexualidade desde os tempos antigos, pensando em pederastia ou nos oyamas (atores que faziam papéis femininos, com alguns servindo como michês) no kabuki. Então, suponho que o Japão é um bom lugar para conhecer o cotidiano gay. Por outro lado, em comparação aos países ocidentais, os direitos gays não são claramente definidos pela lei como o casamento ou a sucessão de bens etc, por isso a legislação deveria ser estudada no futuro.

Quais são seus planos futuros?
Meu quarto tankobon sairá pela Furukawa Shobou em Abril de 2009. Além disso, eu tenho uma idéia de ilustrações para postar em um site que fornece informações elementares sobre o HIV/AIDS para os jovens japoneses. (Este site vai ser lançado no final de maio ou junho). *Nota do blogueiro: a entrevista é datada do dia 13 de maio de 2009* Além disso, tenho trabalhado com uma história para a revista G-men. (Não está claro quando minha história sairá na revista).
Eu gostaria de dividir meu tempo entre desenho livre e meu trabalho regular, mas é difícil e eu me sinto frustrado (risos).
Jiraiya

...Não importa o que aconteça

Quatro Amigas e um Jeans Viajante

Ontem vi pela primeira vez o filme Quatro Amigas e um Jeans Viajante, um ótimo filme por sinal e que pretendo adquirir em breve, e um diálogo em particular, embora simples, me prendeu a atenção e me deixou pensativo por um tempo:

Carmen: Eu estou com raiva do meu pai. Por que é tão difícil admitir isso, Libby? Eu não tenho problemas em ficar com raiva de você.
Tibby: Bem, talvez seja mais fácil ficar com raiva das pessoas que você confia às vezes.
Carmen: Mas por quê?
Tibby: Porque você sabe que elas vão sempre te amar, não importa o que aconteça.

Engraçado como alguns filmes nos passam verdades que a gente neeem se dá conta...
Minha família sempre foi assim. A carga negativa que um trazia do trabalho ou de outras dificuldades era sempre descarregada aqui em casa, sempre foi assim, um contra o outro. E eu, que nunca gostei dessa situação, ultimamente me vi agindo do mesmo modo. Ontem cheguei descarregando gritos pra minha mãe e a Andreza.
Também me tornei mais antissocial que o normal, diante de tanto estresse, ao ponto de ignorar o que minha mãe e a Andreza falavam, sendo que elas queriam apenas conversar. E eu fiquei muito triste com isso, decepcionado comigo mesmo. Porque se tem uma coisa que eu espero no futuro é ter uma família onde a comunicação aconteça. Sei que não existem famílias perfeitas, assim como não existem pessoas perfeitas, mas não quero que meus futuros filhos, se chegar a ter algum, sejam criados dentro de uma zona de guerra. Perder a confiança em boa parte dos familiares, como eu perdi, é algo muito terrível, e isso tudo aconteceu porque sempre usamos uns aos outros como saco de areia, e por mais que a gente ame alguém, há uma hora que a gente cansa de levar soco. E é muito cruel usar desse modo alguém que ama a gente.
Me dói muito machucar quem eu gosto, mas é espantoso como isso é absurdamente fácil de ocorrer. Mas as coisas são assim mesmo. Muitas vezes eu vou errar, mas contato que eu me coloque nos eixos de novo, estarei satisfeito. É isso que significa crescer, não?

Se sentir extraordinário significa também fazer os outros se sentirem extraordinários... =)

Love is blind... Indeed!

Hoje foi uma daquelas madrugadas... XD
Enquanto pensava e repensava sobre pessoas que entram e saem de nossas vidas (pretendia escrever sobre isso), me dei de cara com o site de um shinigami (assim que chamo carinhosamente minhas antigas paixonites e meu quase-ex). E por coincidência, acabei vendo depoimento da pessoa que ele namorava.
Como eu nunca fiquei conhecendo essa pessoa, decidi dar uma olhada pra saber quem era aquela pessoa a quem ele dedicou tanto amor enquanto eu o amava de longe... Ele falava tão bem dela, eu precisava saber quem é, e quando eu vi...

I Love Lucy

Sabe aquelas situações da vida em que você tem um amor que parecia perfeito e quando se dá conta é trocado por alguém tão horroroso inacreditável que você nem imagina como isso aconteceu? Como se estivesse num universo alternativo? Pois é, tive essa ideia passando pela cabeça no momento, apesar de não ter sido trocado de verdade, nada nem teve chance de acontecer...
Todavia eu choquei! E não pensem que é despeito mas é que pra alguém que eu conhecia e se dizia taaaão exigente, eu simplesmente CHO-QUEI com o que vi. Eu esperava muita coisa, mas não... aquilo. Quem passasse pela mesma situação teria a mesma reação, tenho certeza! XD
E depois me vi rindo da situação toda, especialmente da minha por ver que realmente tudo acontece como Deus quer. Ele não é a pessoa pra mim at all!
Uma lição que eu tirei dessa história? Foram duas, na verdade... A primeira foi que eu espero de coração que ele consiga outra pessoa, já que ainda o considero amigo. Pelo que eu percebo que ela fez com ele pra que as coisas acabassem desse jeito, eu espero MESMO que ele encontre alguém melhor. Já que gostou pela (aparente) boa personalidade, a única justificativa que vejo nesse caso, e depois descobriu que as coisas não eram bem assim, parte pra outra meu caro.

A outra lição? Bem, se ela conseguiu, filho... ATÉ EU! Agora tenho certeza que solteiro eu não morro... *LOL eterno*

Gorete Pânico na TV

E continuo me sentindo extraordinário... XD

Kochikame: o novo vício bara (???)

Ultimamente Kochikame ganhou destaque entre os fãs de bara que frequentam o blog SoupGoblin's Stash (o dono do blog é o criador do The Bara Forums). Ele recentemente descobriu o anime e está disponibilizando vários screenshots beeeeeem interessantes para fãs do bara, sem falar que tudo o que ele escreve é extremamente engraçado, e vim divulgar alguns desses trechos pra quem passa por aqui.
Mas antes, vamos conhecer melhor do que trata este anime.

Kochikame

O nome completo do mangá (sim, o anime veio depois, como geralmente acontece) é Kochira Katsushika-ku Kameari Kōen-mae Hashutsujo (こちら葛飾区亀有公園前派出所), que foi apelidada de Kochikame (こち亀) - o que é bem mais prático, convenhamos. E além de ter um dos nomes mais longos para um mangá, este é o mangá com o maior período de publicação contínua até hoje: Kochikame é publicado na Weekly Shonen Jump (a mesma de onde saiu Dragon Ball, Naruto, Bleach etc.) desde 1976, passou de 1600 capítulos e conta (até agora) com 169 tankobon. O anime não deixa por menos, com mais de 300 episódios.
Kochikame é uma série de humor que conta as aventuras (que coisa mais "Sessão da Tarde" de se dizer, hahaha...) do policial Kankichi Ryotsu, um oficial um tanto preguiçoso que sempre está tentando arrumar um modo de ganhar grana fácil, e sempre se ferra com isso, claro.

Kochikame
Ryotsu com seu inconfundível sorriso (e monocelha).

Mas o que chama a atenção dos fãs de bara é a sem-vergonhice de Ryotsu. O homem aparece pelado em trocentos episódios, e todos são devidamente registrados pelo SoupGoblin em seu blog. E acredite se quiser, Ryo-san está fazendo um barulho tremendo com eles.

Kochikame
Ryotsu tem certa obsessão de mostrar suas partes íntimas. Não tem problema nenhum em ficar pelado...

Kochikame
...e nem de ver os outros pelados.

O que é tão atraente no Ryo-san para que ele seja o novo "muso" dos fãs de bara? Ora, deem uma olhada nos seus traços másculos: essa monocelha espessa, o corpo grande e malhado, os pêlos... XD E não hesita em tirar toda a roupa em público, é... É o personagem de bara PERFEITO!

Kochikame
Isso aí, tudo que é bonito é pra se mostrar, Ryotsu!

Kochikame
Poxa, que coxa!

A nudez masculina, diferentemente da feminina, é tratada mais como algo humorístico, mas assim como as fujoshi e yaoi, os fãs de bara tem a habilidade de ver homoerotismo em tudo também. As cenas eram para ser ridículas (e com certeza, quem vê Kochikame não fica sem gargalhar das situações do pobre Ryo-san) mas os fãs de bara a achamos atraentes - de um modo estranho, mas válido.

Kochikame

Kochikame
Visão mais privilegiada IM-POS-SÍ-VEL!!!

Mas estranho mesmo é o fato que, apesar de Kochikame ter grande popularidade no seu país de origem, nenhum fansubber brasileiro se dispôs a legendar o anime ou dorama pro português. O próprio SoupGoblin baixa em espanhol. O mais próximo que podemos ter de Kochikame é que ele foi exibido no Animax Portugal, mas isso não pé muita coisa já que não se encontra praticamente nada online. Uma coisa sem sentido, já que existem muitos fansubbers adaptando as mesmas séries ao mesmo tempo por aí. Não dá pra variarem um pouco e procurar pelas coisas mais "clássicas", como Kochikame? Fica o recado.
Agora eu me pergunto... Se o anime é cheio de fanservice bara XD será que o dorama também é cheio de cenas de nudez? Se for, EU QUERO JÁ!!!

Kochikame
Será que o Shingo Katori é tão atraente pelado quando nosso monocelhudo Ryo-san??? =O

Enfim, pra quem estiver de dar umas risadas com as pervices dos fãs de bara sobre Kochikame, cliquem aqui e deliciem-se. XDDDDDDDDD

Este post foi inspirado nos posts do blog SoupGoblin's Stash sobre Kochikame. Todos os screenshots foram tirados pelo SoupGoblin./This post was inspired by the SoupGoblin's Stash's posts about Kochikame. All screenshots were taken bt SoupGoblin.

MusicMonday: So Simple

Stacie Orrico. Há um bom tempo eu não ouço esse nome.

Stacie Orrico

Uma cantora gospel (gospel americano, não o horrível gospel brasileiro) que começou bem pequena, lançou disco aos 14 anos e ali mesmo já conseguiu recordes de venda. Em seguida tentou ir para o mercado mainstream e lá estava fazendo seu caminho. Até que ela simplesmente... sumiu. O último álbum, Beautiful Awakening, que daria continuação à sua carreira musical nem foi lançado nos EUA. Curiosamente, foi lançado aqui no Brasil, eu comprei um e é um dos meus favoritos, claro. Dizem que ela tirou um tempo para trabalhos filantrópicos e repensar na vida e carreira, e que talvez retorne esse ano... Seria bom, eu curto bastante o estilo das músicas da Stacie.
Enfim, a música de hoje é So Simple, uma música que gostei desde que ouvi pela primeira vez. A música fala sobre exaltar as coisas simples da vida como família, ou admirar a paisagem, coisa que eu gosto (o meu "lado Shikamaru de ser", huahahaha...) de fazer. Por muito tempo fui daquele tipo que adorava coisas caras ou que me davam certo status, quase beirando a obsessão talvez... depois vi que era meio idiota tal comportamento. Eu também prefiro as coisas simples hoje, e acho que mais pessoas deveriam repensar no que realmente valorizam... Mas aí vai da mente de cada um, né? =) Mesmo assim, deixo a música como recomendação pra vocês.

Stacie Orrico - So Simple

Stacie Orrico So Simple single

"Tudo poderia ser tão simples, simples...

Não preciso de salto alto
Pra me sentir bem
Pode ficar com suas roupas chiques
Prefiro caminhar pela chuva
Do que as coisas materiais
Troco Melrose e as grandes marcas
Por rostos conhecidos
Apenas toque uma melodia que todo mundo conheça

Pegue leve, leve, leve
E desnude sua alma
Eu não preciso de muito
Menos é mais, mais, mais
(Mais, mais, mais...)

Honesto com a vida, honesto comigo mesmo
Do jeito que tem que ser
Tão simples, tão simples, tão simples... yeah
Viva para amar, ame para ser
Absolutamente livre
Tão simples, tão simples, simples... simplesmente eu

Dê-me sabedoria, direta e verdadeira
Ensine-me algo que eu não conheça
Toque Miseducation*, para inspiração eu suponho
Me dê família num domingo
E eu estarei bem
Não há nada neste mundo
Que valha mais o meu tempo

Pegue leve, leve, leve
E desnude sua alma
Eu não preciso de muito
Menos é mais, mais, mais
(Mais, mais, mais...)

Honesto com a vida, honesto comigo mesmo
Do jeito que tem que ser
Tão simples, tão simples, tão simples... yeah
Viva para amar, ame para ser
Absolutamente livre
Tão simples, tão simples, simples... simplesmente eu

Viver meu sonho
É ter minha música ao redor do mundo
(Deixe-os ouvirem)
Compartilhando minha alma e espírito
Espero que você a ouça
Nós temos uma vida pra viver
Ela é você quem faz
Cada novo dia é uma nova chance

Honesto com a vida, honesto comigo mesmo
Do jeito que tem que ser
Tão simples, tão simples, tão simples... yeah
Viva para amar, ame para ser
Absolutamente livre
Tão simples, tão simples, simples... simplesmente eu 

Honesto com a vida, honesto comigo mesmo
Do jeito que tem que ser
Tão simples, tão simples, tão simples...
Viva para amar, ame para ser
Absolutamente livre 
Tão simples...
Simplesmente eu"
 
*"Miseducation" refere-se ao álbum The Miseducation of Lauryn Hill, da cantora Lauryn Hill, a quem Stacie Orrico leva como inspiração para seu trabalho, além de ser fã de seu trabalho, claro.

O teste das cores

Isso é muito interessante. Achei no blog do Paulo Braccini um post sobre um teste de perfil psicológico, e como eu adoro fazer esse tipo de coisa, eu o fiz. E devo dizer que o resultado foi certeiro, falou muito sobre minha personalidade e o que eu penso.
Eu então vim aqui opinar sobre o resultado que obtive, ao menos em parte já que algumas coisas eu prefiro guardar pra mim, e dar o link para quem quiser fazer o teste também, que é bem fácil e não leva muito tempo. Acredite, vale ao menos pela curiosidade: http://www.bne.com.br/cores/default.asp

Como você opera, age, frente aos seus objetivos e desejos:
Ocupa-se fácil e rapidamente com qualquer coisa estimulante. Preocupado com coisas de natureza intensamente emocionantes, sejam elas estimuladas por erotismo ou por outro meio. Quer ser considerado como sua personalidade emocionante e interessante, com influência totalmente encantadora e impressionante. Usa táticas inteligentemente para não prejudicar suas possibilidades de sucesso ou solapar a confiança adquirida. <= As cores revelaram que eu sou pervo. LOL

Está sofrendo dos efeitos das coisas que estão sendo rejeitadas como desagradáveis, e continua resistindo vigorosamente a elas. Quer apenas que o deixem em paz. <= Preciso dizer mais alguma coisa? Acho que isso resume os problemas que tenho com essa coisa chamada "vida".


Suas preferências reais:
Espera obter uma posição melhor e maior prestígio, para que possa adquirir para si coisas a que sempre se viu forçado a dispensar.

É inseguro. Busca raízes, estabilidade e segurança emocional, e um ambiente que proporcione maior tranqüilidade e menos problemas, mas não está disposto a despender o esforço necessário ou é incapaz de fazê-lo. <= Nesse caso, eu me proponho a me esforçar se eu ver que não será em vão, mas sim, eu tenho problemas em ficar protelando o que devo fazer. Mas acredite, a faculdade está dando jeito nisso. LOL

Sua situação real:
Está disposto a envolver-se emocionalmente e é capaz de conseguir satisfação na atividade sexual. <= De novo falando em sexo! o.O


Fica angustiado quando suas necessidades ou desejos são incompreendidos e sente que não tem a quem recorrer ou em quem confiar. É egocêntrico; portanto, ofende-se com facilidade. <= Egocêntrico, eeeeu??? Ah, nenhuma novidade até aí. XD Está tudo certo. Feliz ou infelizmente.


Seu problema real:
A ansiedade e a insatisfação contínua, seja em seus empreendimentos ou nas frustrações emocionais, têm provocado considerável tensão. Tenta livrar-se delas refugiando-se numa atmosfera idealizada de simpatia e compreensão, ou num outro ambiente onde haja harmonia e beleza. <= Essa afirmação aqui está incrivelmente correta.

E é isso. Pra quem for fazer o teste, recomendo que seja bem sincero consigo mesmo e esteja bem tranquilo, sem distração, daí sai direiitnho.
Dica dada, o blog volta com a programação normal (??? XD) no próximo post. Fui!

Ready to be extraordinary

Fotógrafo: Nivaldo Almeida. Fonte: Site TrekEarth

"Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora e fazer um novo fim"

Chico Xavier

E nunca é tarde pra recomeçar...
Sim, estou me sentindo extraordinário! Obrigado. ^^v

17 de maio: Dia Internacional Contra a Homofobia... E o que você fez?

O ano terminaaaaa... E nasce outra vez... ♪
Huahahahuhahauha! Eu tinha de fazer essa piada infame... LOL

Sério agora... O que você, que se diz gay, faz ou fez para melhorar a sua situação e a situação de outros gays no nosso país?


Longe de querer ser o paizão dando bronca, mas observo que muitos por aí dizem que odeiam militância. Alguns não odeiam, mas não acham tão importante, pois "não precisa chamar a atenção", já que basta ser discreto, pra quê alardear sua sexualidade? Bem, eu não acho que é por aí...
Tudo bem, cada um faz o que quiser, nem todo mundo precisa ser militante já que para alguns isso é "chato", mas vocês já pararam pra pensar que antigamente a situação para gays era ainda pior? Há não muito tempo homossexualidade era considerada doença (chamavam de "homossexualismo", por isso o termo é desprezado - e ofensivo - hoje), em alguns países sexo homossexual era crime, e a AIDS era conhecida como "peste gay". Hoje as coisas melhoraram, mas nem tanto... E se você, gay que se diz gay, que dorme/fica/usa de outros homens e expressa sua sexualidade como beeeeem entende, usufrui dessas e outras liberdades, é porque teve muitos "chatos" antigamente lutando para que as novas gerações tivessem mais liberdade.
De fato, não é todo mundo que pode falar abertamente de sua sexualidade, especialmente quando se convive e depende de pais que são altamente religiosos e/ou preconceituosos. E alguns preferem mesmo se manter bem discretos para evitar estresses futuros... Mas algumas vezes é preciso manter uma posição de defesa, e aí? O que vai acontecer?
Ainda temos muito a conquistar. Ainda somos vistos como aberrações, fazendo com que pais prefiram filhos assassinos ou ladrões do que homossexuais, maníacos sexuais que não podem ver uma criança na rua, que só queremos lutar por adoção para ter "lanchinho" em casa... Programas de TV ainda passam uma visão estereotipada de nós, e pior, utiliza de alguns dramas ou de pessoas que não nos representam de verdade apenas para conseguir mais pontinhos de IBOPE...
E alguns no poder acham que não podemos casar, pois isso vai ferir a sagrada instituição que é a família, e que homofobia não precisa ser considerada crime porque nós JÁ SOMOS TRATADOS COM IGUALDADE pela sociedade (???), e que isso seria para nos dar mais privilégios... O número de mortes, espancamento e ameaças à gay, claro, é apenas "fato isolado"... E os Direitos Humanos que vão pra puta que o pariu né?... Enfim, amigos, sejam sinceros... Vocês acham MESMO que militar para que essas coisas mudam seja "chato"???


Com pouco dá pra mostrar que não estamos aqui para sermos vistos como pária, muito menos uma latrina ambulante pra levar merda na cara. A simples posição de se manter firme contra aqueles amigos que vivem utilizando de palavras ofensivas já é alguma coisa. Beijaços mostram que também é possível protestar sem apelar pra violência. Não acredito nesses que dizem que "não é preciso mostrar nossa sexualidade", acho que é isso que justamente esse povo quer: que a homossexualidade seja lenda, não querem encarar que nós existimos. E me desculpem se pareço meio abusado, mas eu não tenho nada de anormal pra ser ignorado. Mereço respeito, e disso eu não abdico. Se for preciso lutar por isso, é o que farei. É o que devíamos todos fazer caso nossos direitos como seres humanos, cidadãos, nos seja negado. Não queremos "privilégios", não somos melhores que ninguém, mas tampouco somos de classe inferior...
Mas a pergunta é se nós estamos realmente fazendo alguma coisa, ou se a cada geração a coisa vai se acomodando mais. Se mais pessoas verem isso como "chatice", é possível de haver um grande retrocesso pelo que nós conquistamos, pensou nisso? Daí estaremos diante de passar por um momento "Uganda" - e não pensem que isso é impossível, abram os olhos e observem quem está no governo - daí quero ver quem vai sentir falta dos chatos... Reflitam nisso durante essa semana.


E para não quebrar a tradição do post especial de 17 de maio anterior, que contou com a reprodução de um depoimento da minha amiga Dri, vou colocar aqui uma declaração que exemplifica o que devemos ter em mente quando chega o 17 de maio... O post foi retirado do blog Passageiro do Mundo, em que o blogueiro Marcos Freitas (agora que notei que dividimos o mesmo sobrenome XD) conta um acontecimento de seu trabalho... Post original aqui.
Intolerante à Homofobia

"Ontem, aconteceu um fato extremamente constrangedor na empresa que eu trabalho. Soube que uma funcionária contou para uma recém contratada que sou gay, porém, ela fez uso de termos pejorativos, referindo a mim como “viado” e a minha irmã como “sapatão”. A recém contratada da empresa não disse quem nos expôs de forma tão esdrúxula e para evitar mais confusões, não queria continuar comentando sobre assunto.

Trabalho na empresa dos meus pais, o que deixa a situação ainda mais constrangedora. Quando tomei conhecimento do ocorrido, fui falar com minha mãe e disse que não admitia tal comportamento e queria punição para quem se referiu assim de mim e da minha irmã. Meus pais não queriam alarmar ainda mais esse assunto que os incomoda e pediu para eu esquecer tudo isso, relevar a situação, eu me revoltei e disse que não e que me recusava continuar numa empresa onde não há respeito a minha pessoa, ainda mais se tratando de uma empresa que eu ajudei a construir.

Hoje, não fui trabalhar. Minha mãe me ligou e eu disse que estava decidido, não trabalharia nessas condições e exigia saber quem havia me tratado dessa forma. Depois meu pai me ligou e perguntou se era isso mesmo, se eu não iria mais trabalhar na empresa, repeti a ele o que já havia dito a minha mãe. Meia hora depois minha mãe me ligou e diz qual funcionária foi autora da homofobia, e, que ela seria suspensa por uma semana para refletir sobre as normas de conduta que ela adotou na empresa.

O clima ficou estranho, mas eu fiquei satisfeito, pois percebi que sou completamente intolerante a homofobia no ambiente de trabalho e que em situações extremas, eu prefiro perder o emprego para manter a minha dignidade. No meio de toda essa confusão, varias vezes repeti que “luto na sociedade contra a homofobia e não posso permitir fatos como esse na minha vida”. Senti-me honrado e grato a minha família, que entendeu que o respeito e a dignidade do ser humano estão acima de tudo. Se não agisse de forma tão radical, invalidaria toda a luta que já travei pelos direitos dos LGBTs e não haveria motivo algum para continuar a minha militância."

O desfecho de vez da história foi postado aqui, recomendo que leiam.

Enfim, que todo dia seja um dia em defesa ao respeito pelas pessoas. Até o próximo post especial de 17 de maio!

PS: O post saiu meio atrasado, culpa do cansaço e bloqueio criativo causado pela faculdade, perdão... Mas ele está saindo no dia da marcha contra homofobia que vai acontecer lá em Brasília! =)

Ganhei um KakaIru ♥

Como vocês sabem, adoro ganhar desenhos... E adoro mais ainda quando é um KakaIru! *_*
Esse aqui é o resultado de um request que eu fiz no DeviantART da Peace! Olhem só!

Kakashi e seu gosto particular de literatura... LOL

Obrigado Peace! Sei que foi um trabalho de pesquisa muito extensa XD (ela não é muito fã de Naruto XD) mas amei mesmo. Tenho de lhe retribuir o carinho em breve.

Visitem o DeviantART da Diva Peace para mais desenhos e para ver as fotos dos cosplays dela. A moça é fo-da!

Eu queria saber...

Antes de tudo, devo dizer que me sinto um tanto estranho ao falar sobre o que sinto... Especialmente num blog.
Eu não procuro compaixão, muito menos esperar encontrar as respostas de minhas indagações nos comentários. Só espero que isso não incomode muito a quem me visita.


Necessariamente eu não estou triste. Talvez esteja, não sei. Mas estou estranho.
Ultimamente andei pensando na minha vida amorosa que, bem, não existe. XD Por mais que muitos compartilham ou compartilharam de desventuras iguais às minhas, isso não diminui minha frustração devido a algumas coisas que passei e passo...
Mas uma coisa que sempre temi está acontecendo de verdade: é a desesperança. Às vezes sinto como se tudo o que eu acreditasse antes não fizesse mais sentido, ou não valesse mais. Cansei de batalhar contra aquilo que a sociedade fast food de hoje impõe que é um "relacionamento", embora eu jamais compactuarei de algo tão nojento quanto brincar com os sentimentos alheios. Mas é fato: não estou mais tão certo de que eu possa viver um amor um dia.
Não sei se é o fato de que eu tenho uma "mente antiga", tive "uma infância mágica", entendam como quiser... Mas enfim, sou uma pessoa um tanto romântica. E isso aliado com outras particularidades minhas (teimoso, perfeccionista, altruísta, tímido e muito, muito, MUITO sensível), na minha opinião, é o que me faz teimar em achar que terei um amor de verdade, puro... Deve ser por isso que me identifiquei muito (mesmo!) com o Asuka de Otomen. E apesar de na maioria das vezes não achar isso ruim, às vezes acho uma lástima. A solidão, a dor e a alegria que sinto ao gostar de alguém é elevada a enésima potência.

Otomen

E enquanto eu não consigo minha própria história, eu prefiro conhecer outras. Gosto de ler histórias de amor, de assistir histórias de amor. Talvez essa seja uma maneira de eu estar em contato com esses sentimentos que nunca pude expressar. E nas histórias que escrevo também desejo que todos terminem felizes. Além disso, gosto de saber de histórias de amigos que tiveram sorte e acharam alguém especial. Isso meio que resgata minhas esperanças.
Ao mesmo tempo também dói. Especialmente quando vejo muitas pessoas brincando com outras, ou menosprezando o que as outras sentem. E sei lá, acho isso tão comum que assusta, me fazendo pensar se tudo aquilo que um dia eu espero são apenas... mentiras. E o fato de que aquele amor que tinha foi simplesmente jogado fora parece ser um tapa na cara, o tapa que preciso pra acordar. Daí volto a encontrar refúgio em meus mangás, livros, ou nas músicas.
Daí a coisa se torna um círculo vicioso... E eu sinceramente gostaria que isso parasse. Toda essa luta entre minhas vontades e meus medos me esgota demais. Se amar não é mesmo tudo, se há tantas outras coisas na vida pra se ocupar, por que esta me persegue? E por que ainda tento insistir nisso se isso só machuca?
Como já falei, eu cansei de lutar por coisas perdidas. Eu estou longe de ser "o sonho" de alguém, ou algo do tipo. Talvez seja hora de aceitar a verdade de vez... Abandonar a torre porque o "príncipe" não vem...

Tiana

...pra amanhã as esperanças ressurgirem de novo.
É o fim... Não tem fim.

Novo filme yaoi a caminho

Acho que todo mundo que gosta de yaoi já sabe da notícia, mas não podia deixar isso passar...
Pure Heart
O Anime News Network e o Blyme divulgaram a notícia que o mangá Junjou (純情) - que também é conhecido por Pure Heart - de autoria da Hyouta Fujiyama ganhou carta branca pra ganhar uma adaptação em live action. Sim, mais um filme yaoi, graças a Deus, já estava entediado... XD
E todos esses sites anunciam que o filme terá alguma diferença em comparação com a história do mangá. Bem, de fato, eu li o mangá e vi que o mangá tem muitas cenas de sexo... Creio que a maior diferença estará aí. Ai no Kotodama também tem várias cenas de sexo e todas foram beeeeem sublimadas no filme... Mas pelo amor de Deus, que deixem algumas cenas de amasso ao menos! XD
Enfim, o mangá conta a história de Tozaki, um jornalista que por ironia do destino reencontra-se com Kurata, que foi seu primeiro amor na escola. Daí sentimentos afloram, rolam algumas conversas e os dois acabam indo pra cama. A partir daí vemos as indagações de Tozaki sobre até onde essa relação pode ir.

E sim, falta falar do elenco né? XD Os papéis principais foram definidos aos seguinte atores...

Rakuto Tochihara fará o papel de Tozaki. Sinceramente? Acho ele meio novo demais pro papel (tem 20 anos apenas, e ainda tem essa cara de 16 LOL), mas quem sabe ele me surpreenda. Quem gosta de shounen-ai pode ter visto ele no dorama RH Plus.

Rakuto Tochihara

E o papel de Kurata foi para Yuta Takahashi, que participou do musical de Prince of Tennis, Tenimyu.

Yuta Takahashi

Bem, os dois são cute... *grin* Na minha opinião estão aprovados. XD Agora é só esperar pra ver... Quando sair - se sair - eu dou um aviso aqui. =)

MusicMonday: Pretend To Be Nice

Depois que a Valéria falou no seu podcast sobre o filme de Josie e as Gatinhas, me veio à mente uma música do filme que eu gosto muito...
O filme tem lá seus problemas, poderia ser bem melhor, mas eu gostei muito de algumas músicas da trilha sonora, especialmente esta entitulada Pretend To Be Nice. E antes que alguém pergunte depois de ouvi-la ou ler a tradução abaixo, não, a música não se dirige a ninguém... Há algum tempo atrás até que me lembrava alguém, mas isso não me pertence maaaaais... XD Enfim, eis minha recomendação pra hoje!

Josie and the Pussycats

Josie and the Pussycats - Pretend To Be Nice

"Bem, ele me olha com aqueles olhos inocentes
E diz: 'Parece que você está usando algum tipo de disfarce
Porque seu cabelo tá em pé,
Seus sapatos desamarrados,
Eu espero que você tenha comprado essa camisa por metade do preço'
E toda palavra que eu digo é ignorada
Eu tento contar uma piada, ele já a ouviu antes
E eu não acho que posso mais aguentar
Ele está me enlouquecendo

Porque você faz o que você faz comigo, baby?
Mexendo com minha confiança, me deixando louca?
Você sabe que se eu pudesse, faria qualquer coisa por você,
Por favor não me ignore pois você sabe que eu te adoro

Você não poderia fingir ser legal?
Você poderia ao menos fingir ser legal?
Se você pelo menos fingisse ser legal,
Bem, tudo na minha vida estaria bem

Oooh wee ooh wee ooh wee ooh wee ooh wee oooh
Oooh wee ooh wee ooh wee ooh wee ooh wee oooh
Oooh wee ooh wee ooh wee ooh wee ooh wee oooh
Ooooh...

E eu me esforço tanto pra entendê-lo
Mas ele não me conta no que ele está pensando
E depois ele adormece no sofá da sala
Com seus óculos escuros e sua língua pendurada pra fora
E então ele desaparece por uma semana
Depois aparece como se tudo estivesse bem
E eu não entendo o que se passa na mente dele
Mas eu estou cansada de ouvir as mesmas desculpas estúpidas

Porque você faz o que você faz comigo, baby?
Mexendo com minha confiança, me deixando louca?
Você sabe que se eu pudesse, faria qualquer coisa por você,
Por favor não me ignore pois você sabe que eu te adoro

Você não poderia fingir ser legal?
Você poderia ao menos fingir ser legal?
Se você pelo menos fingisse ser legal,
Bem, tudo na minha vida estaria bem

Oooh wee ooh wee ooh wee ooh wee ooh wee oooh
(Você não poderia fingir ser legal?)
Oooh wee ooh wee ooh wee ooh wee ooh wee oooh
(Você poderia ao menos fingir ser legal?)
Oooh wee ooh wee ooh wee ooh wee ooh wee oooh
(Se você pelo menos fingisse ser legal)
Ooooh...
(Bem, tudo na minha vida estaria bem, muito bem...)"


Podem ouvir a música clicando aqui também, num áudio melhor e sem edição...

Eu tenho cara de quê?... O estereótipo nosso de cada dia.

Essa notícia chegou a me dar nojo, tanto pelo lado de eu ser negro quanto o de ser um jornalista em formação, mas tenho de divulgar aqui...
No Twitter de Jean Wyllys houve uma referência a este blog em que o post dava destaque a uma foto publicado no site R7, de responsabilidade da Rede Record, sobre o encerramento da novela "Viver a Vida" da Rede Globo...


Um destaque para a imagem. Observem a legenda:


Agora vem a bomba. A mulher ao lado da atriz Natália do Valle não é camareira, é simplesmente a primeira juíza negra do Brasil. Eu vi quando o depoimento dela foi exibido na televisão. Uma pena eu não ter achado pra postar aqui, achei muito tocante, e um trecho que ela contou lembrou uma história de racismo que a minha mãe passou na escola quando criança e me contou.
Enfim, eu repito a pergunta postada no blog: por que a pessoa que inclui a legenda atribuiu à mulher o ofício de camareira? Nada contra as camareiras, acho que todo o trabalho é digno, mas queria saber o que fez a pessoa que escreveu a legenda achar que a juíza Loislinda Valois fosse uma camareira. Todo mundo se engana? Sim, mas tenho a impressão que isso está além de uma mera falta de informação.
E assim segue a sociedade, com muitos atribulando que nós temos "cara de cozinheira", "cara de lixeiro"... Difícil imaginar pessoas negras em outras funções, isso é tão patético quanto atribuir a todos os japoneses a função de vendedor de pastel! Um horror... E se me permitem ser mais abusado, esse tipo de pré-julgamento medíocre se estende a coisas piores, como achar que todo negro tem "cara de ladrão".
O site agora teve a legenda corrigida. No blog de onde vi essa notícia se vê  também um comentário de retratação escrito pela Rosana Hermann...
 

Tal "engano" só me remete a uma frase de uma professora que sintetiza a maior responsabilidade do jornalista: "seu trabalho é informar, para isto informe-se". Se o indivíduo fosse mais competente, e lembrasse de algo chamado "pesquisa" talvez não tivesse feito tamanha cagada.
Mas ao menos isso traz à tona aquilo que nossa sociedade finge que não existe... É com essas e outras que tem gente que ainda vem dizer na minha cara que "racismo não existe", que "é coisa de minoria barulhenta" e que "somos vitimistas", blá blá blá... Enfim, falem agora pro meu cu, que meu ouvido já tá cheio de merda...