English French German Spain Italian Dutch

Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Trailer de The Storm Warriors

Depois da decepção com o novo desastre filme do Jackie Chan, nada como uma boa notícia para alguém que, como eu, gosta de filmes asiáticos...
Saiu o trailer do filme The Storm Warriors, sequência do filme The Storm Riders, que saiu por aqui entitulado Os Cavaleiros da Tempestade, graças à maravilhosa - porém hoje extinta - China Video (o DVD é raro, mas creio que vocês o encontrem nas locadoras mais bem abastadas). O filme conta a história de dois lendários guerreiros, Wind (interpretado por Ekin Cheng) e Cloud (interpretado por Aaron Kwok), e é baseado num famoso manhua (HQ chinesa), chamado "Fung Wan". Nessa sequência, Wind e Cloud se unirão contra um maligno invasor japonês que utiliza de um plano de conspiração para dominar a China.

 

Lançado dez anos após o original, The Storm Warriors não é uma sequência direta do filme Os Cavaleiros da Tempestade - e sim, eu sei que estou devendo post sobre o filme XD - é uma história separada, mas baseada ainda nos quadrinhos.
Os diretores de tamanha beleza visual foram os famosos irmãos diretores Oxide e Danny Pang (Pang Brothers). Eles optaram por essa fotografia e efeitos mais sombrios inspirados no filme 300, e acertaram em cheio. Os efeitos visuais, com o perdão da palavra, estão fodásticos! Os Cavaleiros da Tempestade, em 99, também foi um avanço no cinema chinês pelo uso de efeitos visuais inovadores (na época), e a sequência conseguiu alcançar novos patamares, sem dúvida alguma. Agora é só esperar pelo filme e ver se a história é boa.

Ah... E é bom que alguma distribuidora se interesse em trazer este filme para o Brasil... ù.ú9

Algumas lições chegam nos momentos mais inesperados...


Semana passada a aula estava entediante... Eu então decidi me distrair como uns 90% dos otakus fazem quando estão na aula: comecei a desenhar! E um colega de classe viu os meus desenhos e ficou encantado...

"Ele - Nossa que legal!
Eu - Obrigado. *tímido ao extremo, quase parei de desenhar XD*
Ele - Você faz um desenho de mim?
Eu - Ah, é que eu não sou muito bom em desenhar pessoas... Tipo, ver alguém e desenhar.
Ele - Hum...
Eu - Além disso, toda vez que faço desenho das pessoas elas reclamam que está feio!
Ele - Que nada! Quando é de coração a gente gosta, tem que agradecer!..."

A conversa foi algo mais ou menos assim. Mas é tudo verdade.
E realmente, quando eu lembro, quase todas as vezes que fiz desenhos das pessoas e entreguei pra elas elas reclamaram sobre o quanto estava feio, que não parecia com elas... Enfim, ouvi muita coisa. Uma então me deu um baita de um esporro porque eu a desenhei gorda. Mas não tirei sarro dela no desenho, nem nada assim. Foi simplesmente porque eu a desenhei com certo sobrepeso (que pra mim não a fazia feia de forma alguma). Mandou eu fazer outro e só aceitou meu desenho dela quando eu a desenhei bem magra, seca mesmo, e ela aceitou, porque segundo ela "revelava sua beleza interior"... Nunca agradeceram pelo trabalho que tive fazendo o desenho, nem tentaram mostrar respeito pela minha visão.
Isso aconteceu tanto que eu decidi não mais fazer desenhos para dar de presente, muito menos se for um retrato. Mas essa conversa na faculdade foi realmente surpreendente, me mostrou que algumas pessoas AINDA mantém respeito por outras, são educadas... Sabem ser gentis e agradecidas quando recebem um presente, que mesmo não sendo agradável, foi dado por consideração.

Consequentemente, ao falar dessa história, lembrei também que com o tempo eu me afastei dessas pessoas mal-agradecidas, ou elas mesmo que se afastaram de mim. E com essa conversa eu pensei que talvez eu não tenha perdido muito ao perder contato com elas...

E aproveitando o espaço, deixa eu fazer um merchan XD e deixar aqui link do meu y!Gallery (desenhos yaoi!): http://yaoi.y-gallery.net/user/diegohatake
É lá que está hospedado o desenho que ilustra o post de hoje. #^^#

Especial: o Melhor PERFIL de 2009

Perfil da semana Hiro Mizushima Jang Hyuk Aaron Kwok

Não passou muito tempo, mas vinte e três artistas asiáticos tiveram destaque aqui no blog na seção "Perfil da Semana"... E agora eu queria que elegessem o melhor homem que já passou pela seção de perfil na opinião de vocês.
No final da votação vou fazer um post com o TOP 10, comentando os resultados e mostrando ainda mais fotos dessas pessoas que fazem minha vida (e a de visitantes desse blog, que eu sei! XD) um tantinho mais felizes! Se você não os conhecer, tudo bem, é só votar no que achar mais bonito, é essa a intenção. Tanto que pra isso existe o espaço na enquete para você colocar a sua sugestão caso ele não tenha aparecido ainda em algum post... Escolham o mais bonito, o mais interessante, o mais sexy, o mais MAIS!!!

A votação será até o dia 19 de dezembro, o post especial sairá no dia 20 de dezembro desse ano! Pertinho do Natal pra gente "comemorar", hehehe... *risada perva*
E além de votar, peço que também divulguem esse post. Se essa ideia der certo, talvez eu faça todo ano uma eleição!

Votem abaixo (ou cliquem aqui) para fazer a sua escolha. Podem votar quantas vezes quiser para ver se seu favorito fica em primeiro lugar!




E para quem não se lembra de todos que passaram por aqui, eis os links de todos os artistas candidatos:
E é só!... Espero que participem! ^^v

Trailer do novo fracas... Ahn, filme do Jackie Chan!

Sim, Jackie Chan está de volta à Hollywood... Infelizmente!
Sua mais nova empreitada é o filme The Spy Next Door, que estreará em 2010 por aqui. O trailer já saiu e eu devo dizer... Sinto cheiro de fracasso no ar.
O filme conta a história de Bob Ho (Jackie Chan), um agente secreto trabalhando disfarçado (=O oooh!) que é convocado por uma mãe de três criancinhas para servir de babá enquanto ela trabalha (=O oooooooh!). É claro, acontecem muitas confusões (estilo "Sessão da Tarde" de narração) com a babá de primeira viagem e os pirralhinhos, e a situação piora quando o trabalho de espião de Jackie, ops, Bob Ho, começa a ser revelado, demonstrando perigo para as crianças. Ele então recruta os pequeninos para serem agentes junto com ele (=O ooooooooooooooooooooh!). Trailer segue abaixo...


Não tenho nada contra filmes infantis, mas a história desse filme não passa pela minha garganta. E isso porque só vi o trailer até agora! Pra começo de história, o diretor do filme é o mesmo que dirigiu Arnold Schwarzenegger em "Um Herói de Brinquedo", e destruiu a imagem de rapper desbocado e violento de Ice Cube dirigindo-o na também comédia infantil "Querem Acabar Comigo". Parece que o diretor ama colocar atores ícones de filmes de ação em comédias com crianças... Acho que nem preciso dizer que ambos os filmes foram fracassos e tiveram críticas negativas.
Agora vocês me perguntam por que acho que vai dar merda com esse filme... Eis minhas primeiras impressões: a história é recheada dos clichês de filmes de crianças, com atuações medonhas de um elenco que provavelmente não levou o (fraco) roteiro a sério. Jackie Chan então parece absurdamente deslocado no filme, provavelmente tentando atuar mesmo sem entender um quinto das piadas escritas pelos americanos. Os efeitos especiais tem um certo clima "Os Mutantes da Record" de ser. E os atores infantis, bem... Só precisam aprender a atuar!
Mas se isso não lhe convenceu o suficiente de que o filme é uma bomba prestes a explodir, preste atenção nisso: o "ajudante" de Jackie é interpretado por ninguém mais, ninguém menos do que Billy Ray Cyrus, o pai da Miley-Hannah-Montana-Cyrus, que por nunca ter decolado com sua carreira como cantor country passou a atuar. E claro, ele só tem competência pra interpretar em filmes infantis.
O filme pode atrair os baixinhos que gostam das acrobacias de Jackie Chan ou gostam de ver outras criancinhas agindo como agentes secretos (quem nunca brincou de algo parecido na infância?), mas esse provavelmente será mais um na lista dos piores filmes do Jackie para os fãs de longa data, juntinho de "O Medalhão" e "The Tuxedo".

MusicMonday: POP STAR

Eu provavelmente estarei atualizando o MusicMonday do blog mais uma vez atrasado, porque esse maldito PC sempre decide empacar quando eu estou escrevendo... Enquanto eu me controlo pra não jogar essa merda pela janela em plena madrugada, deixem-me contar sobre a música de hoje.

Ken HiraiPOP STAR é a famosa música de Ken Hirai, cantor japonês, que muitos conhecem pelo vídeo divertido e um tanto "kitsch". Essa foi a primeira música do Ken Hirai que eu ouvi (assim como uns 98% dos brasileiros) e eu gostei de imediato, mesmo que a primeira coisa que muitos fazem ao ver o videoclipe é (lamentavelmente) tirar sarro da dança um tantinho afeminada do Ken Hirai. Uma perda absurda se comparar a letra super meiga que fala que viramos popstars aos olhos da pessoa amada.
De fato, o vídeo de POP STAR ganhou tanto destaque que podemos até chamá-lo de viral. O clipe, um tanto simples (o cenário é apenas um palco) mas com ótimos efeitos (vários "Ken Hirais" aparecem no clipe e interagem entre si) e ambientado num clima de apresentação de programa musical dos anos 60/70, ganhou a simpatia de várias pessoas que o viram, contando com vários clipes paródia espalhados pelo YouTube.
E essa música tem um grande significado pra mim, visto que ela me faz ficar feliz e - perdão por tomar o papel de "coitadinho" - me faz acreditar numa coisinha chamada amor, sabe? Prestem atenção na letra (foi difícil não achar uma tradução mal feita estranha), que foi resultado de uma tradução em português e outra em inglês... Creio que está próxima, mas não tenho certeza.
Eu preciso mesmo estudar nihongo...

Ken Hirai - POP STAR



"Eu quero ser um popstar
E te deixar enlouquecido
Um popstar reluzente
Eu vou abrir minhas asas
E te enfeitiçar 

Quando estou com você fico tão feliz
Mas quando não estou fico tão triste
Ao darmos as mãos
Disparamos rumo a paixão
Eu não posso voar pelo céu
Mas posso cantar minha canção de solidão esta noite
Se isso lhe trouxer um sorriso
Como quando te abracei pela primeira vez
A única missão que Deus me deu
É a de me tornar o seu herói

Eu quero ser um popstar
E te deixar enlouquecido
Um popstar reluzente
Eu vou abrir minhas asas e te enfeitiçar
Eu quero ser seu popstar
Vou tentar arduamente
Então venha cá que eu vou lhe abraçar
Um popstar reluzente
Eu vou abrir minhas asas e te enfeitiçar

A escuridão que tentei esconder
Você a acolheu comigo
Se eu sou importante pra você
Então me abrace forte
Eu continuo seguindo o caminho que leva à luz
Usando minha mão direita para te proteger da dor
Para te abraçar com a outra

Você vai ser meu popstar
Me enlouqueça com o seu sorriso
Um popstar reluzente
Com seus olhos, me enfeitice
Você é meu único popstar
Tente por mim
Me abrace e não solte mais
Um popstar reluzente
Com seus olhos, me enfeitice

Todos viram popstar para alguém
Quando nos apaixonamos
A única missão que Deus me deu
É a de me tornar o seu herói

Eu quero ser um popstar
E te deixar enlouquecido
Um popstar reluzente
Eu vou abrir minhas asas e te enfeitiçar
Eu quero ser seu popstar
Vou tentar arduamente
Então venha cá que eu vou lhe abraçar
Um popstar reluzente
Eu vou abrir minhas asas e te enfeitiçar
"

E eu fico pensando enquanto ouço a música... Será que um dia eu serei um popstar pra alguém? #^^#

Perfil da semana: Takeshi Kaneshiro

Chegou o momento... Este é o post especial de aniversário atrasado que havia falado no Twitter há algum tempo. Sim, atrasadíssimo, porque dia 11 de outubro foi o aniversário dele e eu esqueci completamente. Que decepção, Diego... Que decepção!!!... Mas eis a compensação!
Na verdade, queria falar sobre o Takeshi Kaneshiro já faz um tempo, mas sempre adiei. Pensava que talvez por ser fã, seria um tanto esperado que fizesse um post elogiando o Takeshi, visto que eu sempre falei dele nos meus fotologs por exemplo, daí decidi não ser tão "previsível" e me pus a pesquisar outros artistas asiáticos que conheço para divulgá-los. Mas outra parte diz que na verdade eu preferi não falar sobre ele por... ciúmes! XD Não queria que mais pessoas soubessem dele (que possessivo, né? Haha!), apesar de que ele é, sem dúvida, um dos atores orientais mais populares deste mundo.


Takeshi Kaneshiro (金城 武, Kaneshiro Takeshi) é um ator e modelo, com um passado de cantor pop (!!!), nascido e criado em Taipei, capital de Taiwan (ou República da China). Seu pai é de origem japonesa e sua mãe de origem taiwanesa, o que lhe deu a característica de mestiço. Por causa disso ele foi vítima de bullying na infância. Por essa peculiaridade foi difícil para ele saber em que cultura se encaixar ou como se reconhecer já que, segundo ele próprio, "em Taiwan as pessoas diziam que eu era japonês, mas na escola japonesa me diziam que eu era taiwanês...".
Depois de se formar na Taipei Japanese Junior High School, ele começou a estudar na Taipei American School, onde ele pode aprender inglês. E enquanto ele estudava Takeshi começava a conseguir trabalhos em comerciais de TV. E como todo idol asiático, chinês ou japonês, para entrar no mundo artístico você deve cantar ou atuar, e Takeshi Kaneshiro foi induzido a começar uma carreira como cantor, o que o fez tomar a decisão de abandonar os estudos para se dedicar a uma carreira no show business. Hoje em dia Takeshi fala sem problema nenhum que cantar para ele não era natural, mas ele sempre se propôs a aceitar desafios em sua carreira. E mesmo assim, diferente de muitos artistas pré-fabricados por aí, Takeshi escrevia suas canções. Seu primeiro álbum, Heartbreaking Night, saiu em 1992, e obviamente obteve sucesso, tanto que sua popularidade o levou a uma nova proposta de trabalho: atuar em filmes.
Seu primeiro trabalho como ator foi uma ponta no filme Executioners que, graças a Deus, saiu aqui no Brasil (com o nome Heroic Trio 2)! E logo depois dele, em 1994, ganhou um dos papéis principais no filme do aclamado diretor Wong Kar Wai, Chungking Express, que ganhou grandes elogios e é frequentemente citado em listas dos melhores filmes chineses. Com isso, Takeshi Kaneshiro foi conseguindo mais e mais trabalhos como ator, e consequentemente seu trabalho como cantor pop foi deixado de lado. Hoje em dia ele não produz mais nenhuma música, e só canta quando um papel o exige, como no filme musical Perhaps Love (2005).

Takeshi Kaneshiro em seu primeiro filme, contracenando com ninguém mais, ninguém menos que Anthony Wong, talentosíssimo ator chinês.

Por causa de sua fluência em várias línguas (mandarim, cantonês, japonês, taiwanês e inglês), Takeshi conseguiu estender sua carreira e trabalho além da China, protagonizando filmes e doramas japoneses. E com trabalhos de publicidade, como os feitos para os computadores VAIO, SonyEricsson, Prada e Emporio Armani ele também é bastante conhecido. Além disso, serviu de modelo e emprestou sua voz para o personagem principal do videogame Onimusha.
Takeshi não faz muita questão de estar sempre na mídia, mostra-se uma pessoa muito reservada que raramente fala de sua vida pessoal. De fato, pouco se sabe sobre o que ele faz longe dos sets, e sua vida amorosa é um mistério, fazendo com que existam apenas especulações. Mas isso não é tão importante, ele faz um ótimo trabalho ns telas, e a sua postura de se preservar é admirável, especialmente se considerarmos o número de celebridades que erroneamente deixam sua vida pessoal sobrepujar o trabalho. Continue assim, Takeshi Kaneshiro!

Agora, aquela reclamação de sempre: as distribuidoras de filme poderiam trazer mais filmes do Takeshi Kaneshiro (ou outros títulos asiáticos) para o Brasil, por favor? Sweet Rain, que eu adoraria ter em minha coleção de filmes, não vi nem sombra... Que descalabro!
Enfim, eu vou continuar rezando esperando que isso mude.


Nome: 金城 武
Nome romanji: Takeshi Kaneshiro
Outros nomes: Jincheng Wu (mandarim), Chin-cheng Wu (taiwanês), Gam-sing Mo (cantonês).
Profissão: Ator, modelo.
Data de nascimento: 11 de outubro de 1973.
Local de nascimento: Taipei, Taiwan.
Altura: 1m78cm
Signo: Libra
Parentes: Dois irmãos mais velhos.

Filmografia
  • Onimusha (2011)
  • The Battle of Red Cliff II (2009)
  • K-20: Legend of the Mask (2008)
  • The Battle of Red Cliff (2008)
  • Sweet Rain (2008)
  • Os Senhores da Guerra (The Warlords) (2007)
  • Dor e Ódio (Confession of Pain, 2006)
  • Perhaps Love (2005)
  • Clã das Adagas Voadoras (House of Flying Daggers) (2004)
  • Turn Left, Turn Right (2003)
  • O Retorno (Returner) (2002)
  • Love in year 2000 (2000) - dublagem em japonês
  • Lavender (2000)
  • Space Travelers (2000)
  • Tarzan (1999) - dublagem em cantonês, mandarim e japonês
  • Tempting Heart (1999)
  • Misty (1998)
  • Sleepless Town (1998)
  • Anna Magdalena (1998)
  • Too Tired to Die (1998)
  • First Love: The Litter on the Breeze (1997)
  • The Odd One Dies (1997)
  • Downtown Torpedoes (1997)
  • Hero - The Legend (1997)
  • Dr. Wai and the Scripture Without Words (1996)
  • Lost and Found (1996)
  • The Jail In Burning Island (1996)
  • The Feeling of Love (1996)
  • Trouble Maker (1995)
  • School Days (1995)
  • China Dragon (1995)
  • Forever Friends (1995)
  • Fallen Angels (1995)
  • Young Policemen in Love (1995)
  • No Sir (1994)
  • The Wrath of Silence (1994)
  • Don't Give a Damn (1994)
  • Mermaid Got Married (1994)
  • Chungking Express (1994)
  • Heroic Trio 2 (Executioners) (1993)

 
TV
  • Golden Bowl (2002) 
  • Love 2000 (2000) 
  • God, Please Give Me More Time (1998) 
  • The Miracle on a Christmas Night (1995) 
  • Colour Of Armour (1995)
  • Grass Scholar (1992)

Videogames
  • Onimusha 3 (2004)
  • Onimusha (2001)

Curiosidades
  • Revista Time o nomeou como o "Johnny Depp asiático".
  • Tentou fazer um curso de cinema na New York University, mas não concluiu o curso.
  • Takeshi foi convidado a reprisar o papel de Samanosuke, dessa vez na versão live action do game Onimusha. Não foi confirmado se ele aceitou o papel, ou mesmo se esse filme sairá, embora a produção esteja prevista para 2011.

Estou (re)vendo: Midori no Hibi

O título já diz bastante. Depois de anos desde a primeira vez que vi este anime,  que me foi emprestado, um sentimento saudosista veio com tudo e eu decidi baixar Midori no Hibi para mim. E por gostar muito da obra, decidi recomendar aos leitores do blog!

Midori no HibiMidori no Hibi (美鳥の日々) conta a história de Seiji Sawamura, um estudante do qual todo mundo tem medo pela sua fama de delinquente. De fato, ele carrega muitas brigas em seu currículo, tanto que ganhou o apelido de "Cachorro Louco Sawamura" com a sua temida "mão direita do demônio"  (apelidada pelo próprio Seiji devido a força de seu soco), mas nenhuma briga acontece de graça, geralmente foi uma briga em defesa de alguém.
Mas poucas pessoas sabem disso, e todos se afastam dele... Incluindo as garotas! O coitado do Seiji nunca conseguiu um encontro porque as garotas fogem dele, o que o deixa extremamente frustrado, com a consciência de que sua namorada será sempre "sua mão direita". Para bom entendedor, meias palavras bastam... XD
Até que um dia, sem mais nem menos, sua mão direita é substituída por uma garota em miniatura! E essa garota chama-se Midori, uma jovem extremamente simpática que sempre admirou Seiji de longe, mas que sempre foi muito tímida para se declarar. E ao ver uma garota no lugar de sua mão se declarando Seiji entra em pânico. Inicialmente, Seiji detesta ter de conviver com uma garota, literalmente, grudada nele, mas com o tempo Midori o conquista pela sua simpatia e amabilidade.

Midori no Hibi
Seiji no seu momento "Cachorro Louco".

Midori no Hibi
Coitadinho do neko (perdão pela montagem mal feita XD)...


Midori no Hibi é uma série curta, tanto em mangá (8 volumes) quando em anime (13 episódios). Nunca vi o mangá, mas o anime é muito divertido. O que é estranho é que eu sempre pensei que Midori no Hibi fosse shoujo por causa do romance, mas na verdade é shounen. Deveria ter sacado pelas cenas um tanto ecchi (cenas de nudez), e quando o anime quase se torna do gênero harém (depois de Midori, mais duas garotas se apaixonam por Seiji, que conveniente!...).
As músicas de abertura e encerramento me tocam profundamente pela letra, já que eu me identifico com elas (especialmente a música de encerramento "Mou Sukoshi... Mou Sukoshi..."). Isso também serviu pra me enganar e achar que Midori no Hibi fosse shoujo...
O anime é muito engraçado (o gato da série é um dos personagens mais engraçados que aparecem, e isso sem aparecer muito!), divertido, e a Midori é daqueles personagens que deixa qualquer um sorrindo à toa. No fim a gente fica torcendo pra que Seiji aceite Midori como namorada... Mas como isso pode acontecer com ela presa em sua mão? E como ela parou ali? Será que Midori voltará ao seu corpo? Baixem aqui o anime e confiram!

Midori no Hibi

Chegaram meus mangás de Antique!!!

Demorou mas chegou... E como demorou, considerando que iniciei uma campanha para obtê-los em julho... Consegui os mangás de Antique Bakery!

Antique Bakery mangá
Foto dos mangás que encomendei. Não são lindos? Adoro a arte da Fumi Yoshinaga.

Na verdade, os mangás chegaram na segunda-feira, dia 20. E foi uma surpresa! Os mangás são bem grandes (achava que fossem pequenos). Uma pena que não consegui todos os volumes. As edições 01 e 04 estão fora de catálogo, embora ainda tenham os usados à venda, que eu vou conseguir em breve, ao menos espero.
E pra completar, a edição 02 veio meio acabadinha. Ela veio com um rasgadinho, mas graças a Deus não foi na capa... Não é nada que uma fitinha não resolva. O cheirinho, a área onde esfregamos o dedo e sentimos o cheiro do doce da capa, também havia se acabado. E pelo que observei, acho que andaram esfregando demais e acabaram roubando o cheirinho... Felizmente o da edição 03 veio intacto, dá pra sentir o cheirinho de limão. ^^

Comentários da edição americana? Bem, acho estranho a adaptação de algumas onomatopéias e de termos japoneses... Por exemplo, não concordo com o uso da palavra "barbecue" (churrasco) substituindo "yakiniku"... Ou o uso de "Mr. Ono" substituindo "Ono-san". Fora isso, a edição em si, incluindo impressão e o papel, achei de ótima qualidade.
Agora vamos em busca da primeira e última edição pra completar minha coleção... Aí a campanha estará definitivamente finalizada. ;P

Socializar o caralho!

Dia desses na faculdade ouvi certa pessoa (vou fingir que não sei quem foi) dizendo que eu era antipático. Isso porque eu nunca conversei com ela pra saber se eu sou de fato antipático. Só não joguei a cadeira na pessoa porque, infelizmente, eu seria preso por isso - saco! Mas essa é a vontade que eu tenho às vezes quando ficam comentando sobre eu ser quieto, calado... Será que não posso ser assim não?

antisocialNo começo das aulas, desde muito pequeno, eu sempre me torno um tanto autista ao redor de tanta gente desconhecida... Tenho absurda dificuldade em me socializar. Agradeçam aos alunos super simpáticos da quinta série do meu antigo colégio batista que não me conheciam e nem faziam questão de me conhecer e baseando-se nas aparências me tratavam muito bem quando eu tentava conversar com alguns deles, chegando a mudarem de lugar sem qualquer cerimônia quando me sentava perto... :D *memória de olifante*
Enfim, se algumas pessoas conversam comigo, eu falava rapidinho e ficava sem assunto. As coisas que eu gosto (mangá, anime, bara, filmes de kung fu, Mariah Carey, música negra, Senhor dos Anéis, entre outras nerdices) eu não me atrevo a falar, não iam entender mesmo. Tenho experiencia nisso. Não faço questão de ficar popular, me isolo mesmo, antissocial de carteirinha.
E não ajuda muito  também quando se está numa classe cheia de heterocaras que só falam de futebol (as piadas sobre times são de fazer meu maxilar deslocar de tanto rir... ¬¬) e são do tipo machões, falando cretinices sobre gays e mulheres. Enfim, típicos héteros burros com idade mental de criança de 10 anos.
Aliás, imaturidade é a palavra na minha classe de faculdade. É cada comentário estúpido que a minha cabeça dói. Um dia eu voltei zonzo por tanta burrice que algumas pessoas falam. E como falam!... Não me acho mais inteligente que todos ali, mas Jesus, meu ouvido não é penico!
E como sempre as pessoas associam assim: tímido = metido. E geralmente ao fazer essa associação começa a futricagem, ou o que mais odeio, é a tentativa de aparecer chamando a atenção pra mim quando eu estou quieto no meu canto. Isso é pedir pra ser esculachado, e eu não tenho medo nenhum de ser cruel quando estou com raiva.

Mas enfim, odeio mais ainda é quando falam pra mim que eu tenho de ser mais aberto, sorridente, conversar mais... Puta merda, estão pedindo demais pra que eu fique sorrindo feito uma Miss Universo quando eu estou sendo obrigado a ler trocentos livros maçantes e fazendo trabalhos tediosos. E isso sendo obrigado a ouvir idiotices que um merda aluno acha que todo mundo merece rir de suas piadas enquanto o professor se mata ali na frente pra explicar algo.
Não nasci feito minha mãe que fala até com puta de esquina, super simpática com todos (não que eu maltrate prostitutas, eu quero dizer que simplesmente não falo com desconhecidos por medo de retaliação). Eu revelo confiança pra conversar e fazer amizade com o tempo, convivência. Lembram de O Pequeno Príncipe? O trecho da raposa? Pra mim "cativar" não é algo de imediato:

"- É preciso ser paciente - respondeu a raposa. - Tu te sentarás primeiro um pouco longe de mim, assim, na relva. Eu te olharei com o canto do olho e tu não dirás nada. A linguagem é uma fonte de mal-entendidos. Mas cada dia te sentarás um pouco mais perto..."

Não gosto de ficar pavoneando pela sala, especialmente sabendo que sou nerd  (ou ordinário) demais pra isso. Admito que não sou uma pessoa "normal", meu senso de humor e perspectiva de mundo são muito diferentes da dos outros, sei muito bem.
Acho mais patético ainda tentar ser o palhaço de turma fingindo estupidez (com exceção das pessoas legitimamente tapadas), e não gosto mesmo de me sentir forçando a fazer amizade com todo mundo. Não nasci pra ser pop. Minha simpatia desenvolve-se com o tempo, coisa que não me é dada porque ficam achando que já me conhecem só porque sou uma pessoa calada.

camisa antisocial

E o principal: não vou desenvolver confiança nas pessoas em um dia quando eu fui ensinado a nunca esperar nada de ninguém, sempre depender de si mesmo. Isso sem falar nos anos seguidos que sofri por bullying... Então não me peçam pra socializar como se fosse uma coisa fácil, ou porque o mundo exige pessoas assim, "100% felizes". Não sou assim. Não sou como você(s). Não confio em ninguém, ponto final. Se isso é ser metido, antipático, que seja, mas não vou mudar porque acham que eu devo mudar. Estou bem no meu cantinho, vocês que se acham no direito de invadi-lo e falar sobre mim sem me conhecer... Antes ser metido do que cretino. ;)

"E se me achar esquisita, respeite também. Até eu fui obrigada a me respeitar." - Clarice Lispector

Escolha o cartaz oficial de "Do Começo ao Fim"

Olha que notícia interessante pessoas...
Do Começo ao Fim é um filme brasileiro que conta a história de dois irmãos (de pais diferentes, acalmem-se) que se apaixonam. Sim, tema polêmico, e por isso muitos estão curiosos de ver... Principalmente pelos atores principais, meu Deus do céu... *¬*

Do Começo ao Fim

Mas vamos parando com os delírios pervos... XD Uma notícia legal que saiu é que os internautas podem escolher o cartaz oficial do filme pra divulgação. Sim, aquele cartaz que fica exposto nos cinemas e tal... Não é uma ideia legal? Logo depois de postar isso estarei enviando a minha escolha.
Para mandar seu voto, primeiro você deve ver o video (veja abaixo neste post) dos atores principais mostrando os dois modelos de cartazes, daí você manda um e-mail para o cartaz escolhido.


Do Começo ao Fim estreia nos cinemas dia 27 de novembro.

Vídeo do dia: Jordy asiático o.O

5 destaques do vídeo:
1. O cenário e direção de qualidade dignas dos vídeos da Stephany, aquela do Crossfox.
2. O gingado do garoto.
3. A roupa estilo Calypso ultra fashion dos dançarinos.
4. As piriguetes dançando super empolgadas.
5. O garoto mostrando que tem um alcance vocal maravilhoso ao gritar cantar a letra da canção.

Ao ver essas crianças super talentosas, seja em vídeo ou na TV, me pergunto porque submetem uma criança a tal coisa... Sandy & Junior já não foi tortura o suficiente?
Mas enfim, não falo mais nada. Assistam e chorem...


Doujinshis de Antique Bakery

Numa noite em que eu estava passando por uma crise existencial, ou algo do tipo, eis que obtive uma grande felicidade: achei doujinshis de Antique Bakery, a série que eu gosto muito e já falei várias vezes neste blog. Os doujinshis são "oficiais", por assim dizer, já que são obras da própria autora de Antique Bakery, Fumi Yoshinaga. E são obras muito boas, justamente explorando o lado yaoi do mangá, olha que coisa boa! *¬* Em particular, achei o capítulo Kouzuka No Ehon o mais divertido deles, em que clientes, yaoi fangirls, começam a discutir quais seriam os pares yaoi entre os trabalhadores da Antique. E o último par inclusive foi um que eu sempre achei que seria engraçado se acontecesse, hahaha...

Antique Bakery Tachibana
Uma das capas do doujinshi. Lindão o Tachibana, né?

As histórias, segundo a autora, se passam numa "Antique alternativa" em que os acontecimentos não são com os mesmos personagens que conhecemos da série oficial. Complicado pensar assim, né? XD Mas quem é acostumado a ler yaoi já está acostumado a ver yaoi onde ele não existe... XD
Li em um fórum de anime que existem vários outros doujinshis de Antique, mas ainda tenho de averiguar isso direito... Mas enfim, deixo aqui o link para lerem alguns doujinshis de Antique Bakery traduzidos pro inglês.

E enquanto isso, a pergunta fica no ar: meus mangás de Antique Bakery encomendados, quando vão chegar??? =X

Yaoi fangirls e fanboys, uni-vos!

Uma carta publicada na edição 12 do mangá Colégio Ouran Host Club me chamou bastante a atenção porque ela lembrou de um assunto que eu tratei no meu primeiro podcast.
Eis um trecho da carta que quero discutir:

"...o motivo principal deste e-mail é outro. Num dos posts do meu blog comentei minha revolta com o desinteresse das editoras de mangás no Brasil em publicar mangá yaoi. Público vocês tem! E é grande! (...) Tem uma porrada de shounen e shojos nas bancas com as mesmas histórias; é a garotinha apaixonada pelo garoto popular, é o menino querendo se provar o melhor entre os amigos... Mas cadê a menina que sente atração pela melhor amiga? (...) Homossexualidade é um assunto sério, é muito comum e muito abordado em inúmeros mangás. Por que as bancas estão vazias? por que os pedidos estão sendo ignorados?"

Hirotaka Kisaragi

Falei no podcast sim, mas vou escrever sobre isso agora também. A carta ao menos me deixou feliz que o assunto fosse tocado. Como fã de yaoi/yuri/bara eu penso praticamente a mesma coisa. O mercado de mangá praticamente se divide entre shounen e shoujo. Pouca coisa foi publicada para homens adultos, menor ainda para leitoras adultas. E yaoi, até agora, só um: Gravitation. Um título com grande popularidade sim, mas também com grande público yaoi que o despreza pela "tosquice" do mangá, quem leu entende o que eu falo, e isso talvez tenha se refletido nas vendas, já que há a ideia que o título não vendeu muito. E me repetindo, ao menos aqui em Manaus as edições que vinham eram poucas e sumiam rapidinho. Mas tudo bem, poucos títulos agradam a todos. Há pouco tempo Naruto era hors concour dos fãs de shounen, hoje alguns não aguentam mais o mangá e desenvolveram ódio absoluto por ele. XD
A carta toca num ponto importante, e que eu sempre insisto, que é nos pedidos. Sempre falo que os fãs de yaoi/yuri devem escrever, e muito, para as editoras. Isso é que alguns chamam de lobby. Literalmente encher o saco com pedidos. XD Há algum tempo deixei de escrever, e por puro esquecimento (mal utilizo emails, só voltei a usá-los porque a faculdade me obriga), mas sempre que dava eu citava o assunto BL nos emails para editoras. Falei sobre isso quando escrevi pro mangá do Naruto até, haha!
O lobby é que muitos grupos organizados fazem para que divulguem suas ideias e conquistem seus objetivos. Por exemplo, quando moradores se juntam pedindo a reforma de uma quadra de esportes do bairro, alguns se comprometem a recolher abaixo-assinados pra entregar à prefeitura, outros fazem uma pequena marcha na rua com cartazes pedindo a reforma, outros chamam canais de TV para poder fazer o pedido, por aí vai até que consigam o que querem... Entenderam? Não que precise haver uma marcha de fanboys e fangirls nas ruas (por ora, hahahaha! ;P) mas ele pode ser feito muito bem sozinho, cada um sendo responsável pelo seu lobby (trabalho de formiguinha).
Quer exemplos de lobby? Bem, logo depois que a JBC lançou Gravitation escrevi pra que a G Magazine, que na época ainda era uma revista bem trabalhada, escrevesse sobre yaoi, e eles fizeram uma matéria comigo, o que aliás, devo me desculpar por uma informação que saiu errada ali, mas tudo bem... Abafa! XD E escrevi pra revista gay DOM também dando essa sugestão de pauta, que eles atenderam também! E depois publicaram uma carta minha com agradecimentos e algumas reiterações.

revista DOM matéria yaoi
Scan da matéria sobre yaoi da revista DOM.

Alguns podem se perguntar "Por que uma revista gay?", ora, se a história é sobre homossexuais, quer algo mais atraente para leitores de revista gay? Eu indiretamente estava convidando novos leitores a conferirem o mangá, ajudando a divulgar. Pegaram a ideia?
Esse lobby é importante para que consigamos mais títulos yaoi/yuri publicados no Brasil. PORÉM, e essa parte é deveras importante, é preciso que COMPREMOS os mangás. Não faz sentido pedir, pedir, pedir, pra que na hora que coloquem um título como teste nos o deixemos encalhando, é "morrer na praia" como diz minha mãe... E isso inclui fazer sacrifícios. Posso parecer radical, mas é assim que tem que ser. O preço de Gravitation não era bem convidativo (onze reais, mais caro que qualquer tankohon na época se não me engano, junto com Death Note), mas comprei todas as edições. Ficava liso,  tive de abdicar de outros títulos igualmente queridos de mangás, mas fiz questão de ter  Gravitation na minha coleção, eu fui um dos que assinaram os trocentos abaixo-assinados pedindo Gravitation, e não me arrpendo.
Junjou RomanticaOs mangás yaoi "da vez" que estão sendo "lobbyzados" são Loveless e Junjou Romantica. Os dois eu nunca li, Junjou Romantica eu até vi um episódio do anime, mas parei de baixar porque o link não funcionava direito... Mas se lançarem eu compro com certeza. O engraçado é que está acontecendo com esses dois títulos o mesmo que aconteceu com Gravitation, que era o "yaoi da vez", que todos amavam... Quando popularizou de vez, começou a pipocar vários que o odiavam. Antes só ouvia coisas maravilhosas, sugestões calorosas de Loveless e Junjou Romantica. Agora já vi em alguns tópicos de fóruns críticas que tais títulos estão muito "modinha"...
Entendam que essa atitude é o que afasta essas opções das editoras, os comentários que "já baixei tudo dos scanlations, não preciso comprar" também matam qualquer possibilidade. A própria editora do Ouran deu indiretamente essa dica ao responder a carta, dizendo: "Acredito que a preocupação maior deles [Panini e licenciadores] não é em relação à temática homossexual e sim a possibilidade de um título dessa natureza não dar o retorno financeiro esperado. A mobilização dos fãs é importante para ajudar a convencer os chefinhos de que vale a pena arriscar, mas só isso não basta. (...) Pedir e não comprar depois não vale. =)".

Enfim, mais uma vez estou aqui dando minha dica, aproveitando a dica da editora do mangá Ouran, mais clara impossível. E não quero posar de "ativista yaoi" (isso existe?), este post é simplesmente meu trabalho de formiguinha como fã de yaoi/yuri. Reconheço meu papel como cliente, posso exigir, mas tenho de cumprir minha parte do trato que é consumir o produto que pedi. Agora espero que eu não esteja sozinho nessa...
Pensem nisso! ;)

Novidade: enquetes e um pequeno aviso

Olá povo! Mais uma vez interrompendo os posts para dar umas infos a respeito do blog.
Primeiro é que eu criei algumas enquetes que eu gostaria que os visitantes do blog se dispusessem a responder, para que eu tivesse mais noção das quase 100 pessoas que passam pelo blog por dia.
Também coloquei uma enquete perguntando sobre o conteúdo do blog, para que eu tivesse noção do que lhes agrada. Como diz a descrição do blog, aqui coloco tudo o que se passa na minha mente, mas é legal discutir o que vocês acham do que eu coloco por aqui! :D
Com o tempo colocarei mais enquetes, e não só sobre o blog, mas outros assuntos em geral, para discutirmos. Elas estão no perfil do blog, aí do lado, mas se quiserem podem clicar abaixo:

Enquete #1
Enquete #2

E um aviso que eu queria fazer é que vou parar com os podcasts... Mas não de uma vez! É que agora não tenho tempo de gravar nada, muito menos de pensar em algo pra falar. Já tá difícil buscar inspiração pra escrever com um monte de trabalho universitário te azucrinando, sabe? Volto com as gravações assim que a faculdade der uma folguinha!
E isso é tudo... Já já recomeço a postar, e tenho coisas interessantes para falar, vocês vão ver... Até mais!

"Memoirs of an Imperfect Angel": Faixa a faixa

Mariah Carey Memoirs of an Imperfect Angel

O novo álbum da Mariah Carey, Memoirs of an Imperfect Angel, foi muito esperado pelos fãs, desde que a própria Mariah começou a twittar sobre como andava seu novo trabalho. Ela pediu opiniões, discutiu algumas ideias, e por aí vai... O povo achava que sairia o novo Butterfly. E devo dizer que ela realmente estava inspirada.
A primeira coisa notável é que o trabalho do disco concentra-se em dois produtores: The-Dream e Tricky Stewart, o que deu coesão ao álbum, não ficou parecendo uma colcha de retalhos com músicas de vááááários produtores. Outro ponto positivo é que as composições em que Mariah trabalhou com Jermaine Dupri (que já criou sucessos pra Mariah, mas convenhamos, seu trabalho é muito repetitivo, limitado - e me atrevo a dizer que quase afundou a carreira da namorada Janet Jackson) e Timbaland (preciso dizer nada, é o produtor que muitos veem como criador de hits certos pra salvar carreiras - Nelly Furtado? Madonna? Ashlee Simpson? - o que fez que hoje ele tenha uma imagem bem desgastada) foram deixadas de fora do álbum. Graças a Deus!
Outra coisa que muitos fãs apreciaram foi a exclusão de participação de rappers. Para quem não sabe, a indústria considera Mariah Carey como a pioneira nesse tipo de colaboração pop/hiphop utilizando a participação de um rapper. Infelizmente essa ideia foi copiada à exaustão e eu que achava isso legal não aguento mais... Sim, esse trabalho carrega apenas a voz da Mariah e isso é louvável! Há anos ela não produzia algo assim.
Comprei minha edição do álbum ontem e gostaria de opinar sobre cada faixa para quem quiser acompanhar... Falarei um pouco das minhas impressões e darei uma nota, de zero a dez. Mas devo dizer que zero não vai aparecer aqui, porque o álbum é muito bom! Comentarei mais sobre isso no fim, vamos lá...

Comentários faixa a faixa
Betcha Gon' Know (The Prologue): A introdução (intro) do álbum, que com mais de quatro minutos poderia muito bem ser single. Na verdade a música até entrou nas Digital Charts da Billboard por causa dos downloads. Para uma introdução, essa música ficou ótima, em que Mariah deixa bem claro que um possível amor passado que a fez sofrer agora vai saber como ela se sentia, e ela vai fazer questão disso... Uma canção carregada de angústia, com direito a Mariah soltando palavrões, adoro! XD 10/10

Obsessed: O que dizer dessa música que eu já não disse? Um chute no saco pra qualquer pessoa que a música possa ser direcionada (vamos fingir que não foi pro Eminem). É aquela coisa, arianos quando ficam com raiva ficam com prazer em ser cruéis. XD Letra brilhante, mais uma batida que carrega certa obscuridade... Perfeita! 10/10

H.A.T.E.U.: A primeira "balada" do álbum, por assim dizer, já que o álbum não tem baladas típicas de Mariah (ou Celine Dion, ou Whitney... entenderam?), são todas no que chamam "mid-tempo". "H.A.T.E.U." (Having A Typical Emotional Upset) conta que Mariah está percebendo que o amor acabou, que estão se separando, mas que ela ainda o ama e isso a incomoda tanto que ela deseja começar a odiá-lo pra que isso acabe. Preciso dizer que eu me identifiquei? Pra quem diz que a Mariah não passa emoção, recomendo que ouça essa música, onde ela começa cantando docemente, depois passa a utilizar um grave pesado e volta a usar um vocal mais delicado, mostrando justamente as mudanças emocionais, do amor pro ódio, ódio pro amor. Essa música, segundo Mariah, foi inspirada nos trabalhos da Minnie Riperton. 10/10

Candy Bling: Essa pra mim foi uma surpresa. Me lembra muito algo que mistura R&B e Neo Soul, algo próximo a um trabalho do Maxwell ou Erykah Badu... Uma música lenta, mas com certo ritmo, daquelas adequadas para um clima mais íntimo. Também achei essa música algo estilo Minnie Ripperton. E não, ela não exagera nas firulas vocais. 10/10

Ribbon: Essa música também tem um clima meio "slow jam", mas tem uma batida hip hop mais pesada, onde Mariah se "dá de presente", cantando: "Estou embrulhada, empacotada/ Com uma fita e um laço em cima". Uma música divertida com refrão pegajoso, que depois de um tempo fica pegajoso demais, começando a enjoar (especialmente pela introdução distorcida). Mas isso não tira muito mérito da canção. 9/10

Inseparable: Uma música que, creio eu, é mais adequada ao que o pessoal espera ouvir da Mariah (ao menos sobre trabalhos mais recentes). Uma música romântica, com um tema semelhante ao de "We Belong Together", mas sem a dramaticidade desta. A batida é até "feliz demais" pra letra que fala sobre tentar recomeçar um caso amoroso. 10/10

Standing O: Poderia ser uma versão hip hop para a música "Take A Bow", seja da Madonna ou Rihanna, já que o tema é o mesmo. Mariah mais uma vez destilando sua ironia onde ela diz "Então parabéns, um brinde, bravo para você!/ Você é o homem do momento/ Acho que vou ter de te mandar algumas flores...". Uma música que lembra o trabalho de Mary J. Blige. Ótima de ouvir. e o refrão convida a cantar. 10/10

It's A Wrap: Outra música de clima hostil contra um homem que andou aprtontando, onde ela declara que "quando acabou, acabou". Uma letra muito foda da perspectiva de uma mulher brava (e bêbada) expulsando o homem de sua casa. Tenta manter a compostura, mas sua vontade é: "Eu devia te acertar bem na sua testa". Haha! Só o começo da música, onde ouvimos um copo ser preenchido com bebida já me faz morrer de rir.10/10

Up Out My Face: Mariah aqui chega ao ápice de sua acidez e sarcasmo no álbum. Uma música cantada com certo sotaque "ghetto", lembra até músicas em que a Beyoncé usa e abusa de gírias e do sotaque afro-americano. Na letra ela tira sarro do cara com quem ela terminou e que continua atrás dela. Uma das letras mais bem sacadas e engraçadas que Mariah escreveu, com pérolas como: "Se fossemos duas peças de Lego nem os formandos da Universidade de Harvard conseguiriam nos colocar juntos de novo". Sim, essa é a minha favorita do álbum, onde Mariah mostra seu lado mais "sem noção", coisa que pouca gente conhece. 11/10 XD

Up Out My Face (The Reprise): Reprise em que o refrão é cantado com o acompanhamento de uma fanfarra. Engraçadinha, mas meio enjoadinha. 6/10

More Than Just Friends: Uma canção mais "uptempo" carregadas de metáforas que vão fazer os fãs da "old Mariah", que ainda esperam que ela se torne uma cantora "classe" estilo Celine ou Barbra Streisand, se morderem de ódio, como "Eu quero estar em seus lábios como sorvete/ Me pinte eternamente em sua pintura como Picasso/ Me ame até que eu atinja a nota mais alta de meu soprano...". A letra é outra em que Mariah usa gírias de rua, só que bem humorada, que a Missy Elliott com certeza gostaria de ter escrito. 10/10

The Impossible: Música escrita inspirada em seu mais novo amor e recente marido. Na música, uma balada com uma certa pegada soul, ela diz que seu marido fez o impossível: resgatou seu amor. Muito bonita a melodia e é bem honesta a letra, com mais comparações que só a Mariah sabe fazer: "Te amo como [amo] Louis Vutton, salto alto e minissaias". XD Mas a música não é tão fútil quanto parece, não mesmo. 10/10

The Impossible (The Reprise): Reprise bontinho, destacando o refrão. 8/10

Angel (The Prelude): Introdução para a canção "Angels Cry". Linda montagem com vários agudos da Mariah. Eu pelo menos gosto de ouvi-los, tem gente que não gosta... E viva as diferenças! XD 7/10

Angels Cry: A música mais "Mariah" do álbum, digamos. Uma balada pop que puxa pro lado R&B, mas não é completamente R&B como as do resto do álbum. Melodia bonita, letra simpática, mais uma vez sobre um amor acabado em que Mariah vê uma chance de revivê-lo. De fato, uma das melhores músicas que ela escreveu recentemente, muito tocante. E a interpretação, soberba. 10/10

Languishing (The Interlude): Só a Mariah mesmo pra fazer um interlúdio (trecho musical intercalado numa obra maior, como um álbum, geralmente melodias simpls ou até mesmo conversas) que poderia muito bem ser uma música normal. A música é incrivelmente linda, com uma letra carregando grande carga emocional em que ela fala para algum ex-amigo ou ex-amor (depende da interpretação de cada um) que "Essas lembranças antigas enterradas/ Nós as transformamos e selecionamos/ Você tem as suas, eu tenho as minhas, tudo bem/ Por que estamos tão feridos pra não conseguirmos nos curar?/ Os pontos não desaparecem/ Você tem os seus, eu tenho os meus, tudo bem..." e em seguida pergunta "Eu estava pensando será que você choraria/ Se eu te dissesse que não consigo respirar?" demonstrando que não conhece a pessoa que conviveu por tanto tempo, mas que ainda se preocupa com tal pessoa apesar de tudo. Uma música muito tocante que com certeza ultrapassa o papel de interlúdio do disco. 10/10

I Want To Know What Love Is: Cover da banda Foreigner daquela música que toca quase toda semana nos programas de músicas românticas das rádios, e mais uma vez a Mariah não fez feio com uma cover, dando a ela uma vibe R&B e gospel para a famosa balada. Com a ausência de baladas pop mais "tradicionais" no álbum, a cover faz bem esse papel. 10/10

Anjo imperfeito. Disco mais que perfeito!
O álbum Memoirs foi uma grande evolução da Mariah Carey em relação a trabalhos anteriores, digo sem titubear. O trabalho supera de longe álbuns como o divertido, porém simplório The Emancipation of Mimi e o anterior, o bem mediano E=MC².
Mariah Carey
Geralmente ao adquirir um disco novo aparecem aquelas músicas que eu demoro a me acostumar, fico pulando. Acontece em qualquer álbum que seja,  poucas vezes aconteceu de ouvi-lo inteiro, como aconteceu com Memoirs... Podem dizer que é só opinião de fã, mas justamente como fã eu sou um tiquinho mais exigente.
Eu fiquei realmente orgulhoso desse álbum, em que ela pareceu bastante honesta com relação a letras, já que ela deixou um pouco o lado "garotinha apaixonada" pra fazer algo mais divertido (sem utilizar canções pop chiclete), e até mesmo algo mais sombrio, com letras de conteúdo mais agressivo. Com certeza quando a Mariah resolve desabafar em letras ela produz grandes trabalhos, vide os álbuns Daydream, Rainbow, Charmbracelet e claro, o mais honesto  e artístico de todos seus discos: Butterfly. E creio que grande parte dessa inspiração veio dos produtores novos, que deram a ela novo fôlego.

Enfim, Memoirs of an Imperfect Angel é outro álbum que eu recomendo a amantes de música em geral, assim como Butterfly e Daydream. Butterfly na minha opinião continua como o ápice da Mariah Carey em relação a letras e música, mas Memoirs chegou bem perto. Já abocanhou lugar nos meus discos favoritos (tô ouvindo direto nesses dois dias). E diante da crise criativa que a cena pop musical americana está visivelmente passando (nunca vi uma época em que a música negra fosse tão repetitiva e frívola como hoje), eu agradeço a Deus por este disco!

Fonte: Mariah Daily

Proibido para héteros (os homens, pelo menos)

Pra comemorar as 8000 visitas que o blog já teve até agora (obrigado a quem passa por aqui!) eis um video que descobri recentemente que me deixou passado, dobrado e engomado... Se preparem que o babado é forte!!! XD



Não deixem de ver o video a partir de 0:49. Nem as loiras do Tchan fazem melhor! Aliás, se o É O Tchan contratasse esse cara, estariam fazendo sucesso até hoje! Haha! ;P

Eu não quero ser japonês!!!...

...E tenho dito! Mas antes que achem que isso é xenofobia, deixem-me explicar...

Eu lembro que no dia 31 de dezembro de 2008, enquanto a família toda fazia os preparativos para o jantar da virada, eu estava dando um giro nos canais de TV e me deparo com o canal NHK, canal japonês pra quem não sabe... E estava passando o programa tradicional Kōhaku Uta Gassen (紅白歌合戦), programa de final de ano que os artistas mais tops do Japão se apresentam. E ouvindo as cantorias em japonês, povo de casa começou a rir e futricar (mania irritante de família, argh!):

"Esse menino ouvindo essas músicas japonesas?"
"Mas que diabo é isso que tão cantando?"
"Hahahaha... Ele por acaso entende isso?"
"Ele quer ser japonês?"
"Ele quer ser japonês agora! Hohohoho..."



Tenho medo de tratar esse assunto aqui, mas prometo tentar não ser preconceituoso ou rude... Se for, me avisem que eu me corrijo! XD

Enfim... Eu? Querendo ser japonês? Isso é possível?
É estranho. Vivemos numa era de globalização. O que acontece na China eu fico sabendo aqui. E os britânicos ficam conhecendo fatos daqui. Ninguém mais vive "isolado", digamos assim... Então não seria normal eu admirar outras culturas além da minha? E admirar a cultura japonesa não quer dizer que eu queira ser japonês. Também acho interessante ler sobre a cultura francesa, escocesa, americana, coreana e chinesa... Por aí vai! E não, não abdico de ser brasileiro por causa disso. Aliás, uma coisa que eu quero é passar por esses países, seja por turismo ou por trabalho, e mostrar que sou brasileiro. Um brasileiro amigo que compartilha sua cultura e abraça outras. Um homem brasileiro que abraça o mundo.
Existem aqueles seres bizarros, uma parte excêntrica dos otakus infelizmente, que literalmente choram para se tornarem japoneses. Desgostam de tudo do Brasil, TUDO. Brasil é podre, Brasil é chato, Brasil é perigoso... Querem se casar com japoneses, querem morar no Japão, querem usar cosplay 24 horas por dia (nem no Japão isso acontece!), aprendem a falar japonês... Aliás, pra mim não havia nada mais maçante que ouvir "kawaii" e "sugoii" sendo usados o tempo todo numa conversa entre duas otakus que somente tinham essas palavras de japonês no vocabulário e ainda assim se achavam muito "japonesas", ou sei lá o quê...
Não me levem a mal, não levem minhas palavras como lei. Acho ridículo em certo ponto, mas também não condeno. Não acredito que todo brasileiro goste de ser brasileiro, todo americano sente orgulho de ser americano, todo coreano sente orgulho de ser coreano... Existem pessoas que, realmente, foram feitas pra viver em outro lugar. Eu por exemplo me sinto mal nesse calor de Manaus. E a cidade fica numa depressão, ou seja, quase não venta. Pra mim, um ventinho frio é tudo... Já falei no meu Twitter que me sinto melhor nos climas mais chuvosos, ou com o sol bem ameno. Mas quanto a sair daqui, bem, isso eu não sei bem... Mas odiar a cidade eu não odeio. Não tenho motivos. Como falei antes, não condeno essa atitude de alguns otakus, mas chegar a desprezar tudo que é brasileiro em nome de uma "moda", por assim dizer, como alguns fazem é de dar pena.
Também não me orgulho de muitas coisas sobre a sociedade brasileira. Nossa democracia é absurdamente falha, os jovens de hoje em dia estão cada vez mais preguiçosos e mimados (e eu me incluo nisso), o preconceito ainda é latente (só o fazem mascarar), não existe respeito para as pessoas nem o espaço público (parece regra todo banheiro público ser podre, toda rua ser cheia de lixo)... E nem falo da violência e falta de educação. Mas todo país tem seu problema não? E mesmo assim cada indivíduo é único, não se pode julgar um povo por visões estereotipadas, antigas... Ou por essa e determinada pessoa, como fazem por exemplo associando Bush e os EUA, ou Maradona e Argentina... Eu acho que o intercâmbio de culturas nos fazem crescer, aprender, pensar... Ver o mundo realmente como um só.
Mas que me irrita esse negócio de falaram que eu quero ser japonês, irrita!... E não é nada contra japoneses, é a ideia de me rotular que eu acho um porre. Imagino que isso é mais chato ainda quando se pertence a um grupo de descendentes, uma colônia japonesa, holandesa, alemã por exemplo... Exigem que você seja um representante do país natal de seus antepassados e ficam fazendo gracinhas  ou repreensões quando você mostra interesse em outras culturas. Isso acontece muito? Você que se identificar com isso, por favor, comente.



Eu me pergunto: hoje em dia qual é o fundamento do nacionalismo? Qual é o ponto que separa nacionalismo de xenofobia? Nacionalismo leva a xenofobia? Admirar outras culturas, se mudar para um país "melhor" seria exagero? Desrespeito? Hum, acho que isso fica para um próximo post...

A proposta de casamento dos meus sonhos... XD

Pessoas, vejam só este vídeo... Este jovem chamado Maurie Sherman fez a proeza de fazer um pedido de casamento a seu parceiro no meio do show da Mariah Carey em Las Vegas! Em cima do palcoooooo! *_*
Seu namorado havia lhe dito que só se casaria quando conhecesse a Mariah... E Maurie Sherman realizou o sonho de seu amado. E a proposta de casamento foi feita com uma aliança de doce, do mesmo jeito que a Mariah foi pedida em casamento... Que namorado hoje em dia é tão dedicado assim, hein?



Agora sei que muitos que me conhecem adorariam perguntar para mim: "Você também gostaria de ser pedido em casamento no meio do show da Mariah, né?". Bem, claro que sim, mas por um lado acho melhor que não. Do jeito que eu me conheço, era bem capaz de eu ficar mais emocionado, tendo ataques de fã por estar do lado da Mariah do que sendo pedido em casamento, hahahaha... Mas convenhamos, que coisa mais fofa, né? #^^#

Fonte: Dolado

MusicMonday: Fallin' For You

Tá, postando o MusicMonday do blog atrasado de novo, mas tudo bem... O Blogger ainda considera que estou postando no dia 12, haha!
Essa música eu queria ter postado semanas atrás, mas só consegui um espaço hoje. E sinto muito se esse post vai deixar o carregamento da página ainda mais devagar... XD Ultimamente escrevi posts longos demais, não? Olha que tive pouco tempo pra isso.

Colbie Caillat Fallin' For YouFallin' For You é uma música da cantora Colbie Caillat que, ultimamente, é a minha paixão. A música fala daquele momento sublime de quando a gente começa a gostar de uma pessoa, me identifiquei de imediato, lembrando do XXXXXXXXX... Embora eu não esteja mais tão apaixonado como antes, lembrei do quanto era bom me sentir assim, vocês vão entender ao ler a tradução...
E o clipe da música é dos mais singelos, e engraçados... Mostra a Colbie saindo com um cara de beleza, ahn, incomum para um videoclipe... Alguns comentários chatos no vídeo falam que esse clipe é para dar esperanças a pessoas feias, mas não é isso.
A coisa mais legal do vídeo, a mensagem, ela fala no começo: "Ele não faz o meu tipo, mas é engraçado...". Quantos aqui já gostaram de alguém que não parecia em nada com o "príncipe" ou "princesa" que sonhamos? E não importava, porque essa pessoa nos fazia sentir bem, felizes, e isso era tudo. Eis o ponto do vídeo, que muitos podem se identificar, tenho certeza.
Então é isso, a música que escolhi hoje é a que anda me fazendo sorrir feito bobo enquanto ouço... Lembrando de bons tempos eu que eu gostava de alguém...

Infelizmente o vídeo não pode ser incorporado aqui, então cliquem no link pra ver direto no YouTube: http://www.youtube.com/watch?gl=US&v=j7qtLrQVUFQ e acompanhem a tradução abaixo:

Colbie Caillat - Fallin' For You

"Eu não sei mas
Acho que estou ficando
Apaixonado por você
Gostando rapidamente
Talvez eu deva

Guardar isso pra mim
Até conhecê-lo melhor
 

Estou tentando
Não contar pra você

Mas eu quero
Estou com medo do que irá dizer
Então escondo
O que estou sentindo
Mas estou cansado de
Segurar isso dentro da minha cabeça
 

Eu venho passando tanto tempo
Só pensando em você
Eu não sei o quê fazer

Eu acho que estou me apaixonando por você
Eu tenho esperado por toda a minha vida
E agora eu te encontrei
Eu não sei o que fazer
Eu acho que estou me apaixonando por você
Apaixonando por você


Enquanto fico aqui

E você segura a minha mão
Me puxa para si

E começamos a dançar
À nossa volta
Eu não vejo ninguém
Aqui em silêncio
Somos só você e eu


Estou tentando
Não contar pra você

Mas eu quero
Estou com medo do que irá dizer
Então escondo
O que estou sentindo
Mas estou cansado de
Segurar isso dentro da minha cabeça
 

Eu venho passando tanto tempo
Só pensando em você
Eu não sei o quê fazer

Eu acho que estou me apaixonando por você
Eu tenho esperado por toda a minha vida
E agora eu te encontrei
Eu não sei o que fazer
Eu acho que estou me apaixonando por você
Apaixonando por você


Oh, eu não consigo lidar com isso
Meu coração está batendo forte
As emoções ficam desordenadas
 
Eu venho passando tanto tempo
Só pensando em você
Eu não sei o quê fazer

Eu acho que estou me apaixonando por você
Eu tenho esperado por toda a minha vida
E agora eu te encontrei
Eu não sei o que fazer
Eu acho que estou me apaixonando por você
Apaixonando por você


Eu acho que estou me apaixonando por você...


Eu não consigo parar de pensar nisso
Eu quero você perto de mim
E agora não consigo esconder isso
Eu acho que estou me apaixonando por você

Eu não consigo parar de pensar nisso
Eu quero você perto de mim
E agora não consigo esconder isso
Eu acho que estou me apaixonando por você

Me apaixonando por você
Ooohhh
Oh no no
Oooooohhh
Oh, me apaixonando por você..."


Saudades de me sentir assim... ^^ Só queria que alguma vez fosse, sei lá... recíproco! XD

Colbie Caillat