English French German Spain Italian Dutch

Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Lá e de volta outra vez...

A Estrada em frente vai seguindo
Deixando a porta onde começa.
Agora longe já vai indo
Devo seguir, nada me impeça...

Acabou.

Mas antes de acabar, acho que devo explicar algumas coisas para vocês.

Sim, há tempos eu não atualizava este blog. O motivo? Vários. Minha graduação, problemas na vida pessoal, e um bloqueio ajudaram a deixar os posts mais e mais escassos. Mas acho que acima de tudo foi a falta de diversão. Perdi a mão no blog. Ele não era mais algo feito para mim, e sim para... todo os outros. Especialmente o povo que me cobrava mais e mais notícias sobre bara. Em vez de hobby, virou obrigação. Além de que o cenário da internet, dos blogueiros e usuários em geral, mudou de dez anos pra cá - sim, faço dez anos de blogagem este ano!

A questão é que eu tenho de fechar este capítulo. Este blog já serviu ao seu propósito. Por meio dele conheci muitas pessoas. Fiz amizades, tive oportunidades. Perdi oportunidades também, e criei inimizades, mas tudo o que conquistei de bom com o Reflections supera tudo isso.

Enfim, precisei de um tempo pra pensar. E pensando foi que vi que na verdade este não é o fim. Minha vontade de escrever supera tudo. E então vi que isto se trata apenas de uma mudança. Enquanto fazia um template novo para este blog, pensei: "Por que não fazer um blog inteiro novo? Começar do zero?". E foi o que eu fiz.

Ele basicamente será como este blog, mas com pequenas diferenças: eu quero mesmo primar por textos melhores, e para isso talvez eu abdique um pouco da frequência. Mas ainda vou publicar coisas das quais eu me divirto falar e me divirto em compartilhar: filmes, música, livros, mangás, shipping... Por aí vai. Quem visitava o blog só atrás de "bara" - que eu não chamo mais assim, e no blog novo eu explico o porquê - também vai ter um espaço lá, MAS não será o foco do meu blog. Comentarei sobre o assunto como curioso e fã do assunto, e só. Se quiserem um blog 100% "bara" e com atualizações constantes sobre, isso é possível. Para isso, eu lhes passo os dados de minha conta bancária e vocês podem me pagar pelo serviço. =D

Outra coisa que me levou a pensar numa mudança foi o fato de que em algumas vezes acho que me expus demais. E há muita coisa aqui que eu escrevi que hoje penso de uma maneira completamente diferente. Daí me enjoou ver esses textos antigos, essas ideias antigas, me perseguindo. Eu precisava de novos ares.

E o meu novo lar está aqui: http://diegohatake.blogspot.com. O mesmo endereço de quando eu comecei ESTE blog, mas que tive de trocar porque estavam usando-o para bullying. Como a fonte de bullying se foi, me sinto seguro em usá-la novamente. E seria muito bom se vocês, que REALMENTE liam os meus textos, curtiam as resenhas, comentavam, enfim, os LEITORES FIÉIS deste blog me seguissem nesse novo lar. Espero não estar pedindo muito, e espero não tê-los frustrado tanto a ponto de não me ler mais. Bem, coisas assim acontecem e eu entendo. Começar do zero tem dessas coisas. Mas ao saber que tinha muita gente com saudades de ler alguma coisa minha, por mais que algumas tenham sido besteirinhas, me deixa muito grato. E eu sei que continuaremos o nosso "papo" por lá.

Então... Que este post não marque o fim, mas o começo de uma nova aventura. Lhes vejo no novo endereço! E com boas novidades a serem postadas em breve. ;)





PS: Este blog ficará online por um tempo, mas depois irei desativá-lo.

Aquele desejando boas festas!

Free! Iwatobi Swim Club
Olá pessoas!

Voltei destas minhas férias - fiquei um tempo ausente do blog como "férias" pelo meu TCC, tirando o tempo para mim - para desejar a todos que ainda dão um pulinho aqui de vez em quando um feliz natal, ou no mínimo boas festas. Vai da crença de cada um.

Se todo dia 25 de dezembro dá início a esse sentimento de renovação, de coisa nova, que culmina com a virada do ano, que este restinho de ano reserve boas surpresas a todos. Que os ensinamentos de Jesus, especialmente aqueles sobre amar ao próximo que até alguns "cristãos" se esquecem, persistam por um longo tempo e que sirva de exemplo para todos, por mais que se acredite nele ou não.

E além disso, comemorem, celebrem a vida. Um abraço a todos que comentam, mandam e-mail, ou falam comigo no Twitter... Obrigado pelo carinho, e feliz natal mais uma vez!

Notícia THORKI do ANO!...

A imagem está mais do que viralizada nas redes sociais. Tecnicamente estou bem atrasado, e minha internet amável ajudou bastante nisso, mas não tem como deixar isso em branco. Ontem surgiu uma foto de um cinema em Xangai que usou uma fanart feita por um@ fã de Thorki (a imagem ficou bem famosinha no Tumblr tempinho atrás) para um provável anúncio da estreia do filme Thorki: O Mundo Sombrio por lá.

E repito o que disse quando vi a imagem original da fanart no Facebook: MUITO melhor que o pôster original. ;)

Até agora não dá pra saber se foi intencional - a gerente pode ser fujoshi, vai saber -, ou se foi fruto de alguém desavisado, ou até mesmo trollagem, mas pelo visto o fandom está com tudo e não está prosa. XD Enquanto os fãs menos instruídos estão se mordendo (evitem ver os comentários da foto acima publicado no Omelete, para o bem de sua sanidade mental), fujoshis felicíssimas regozijavam com a foto do pôster. Eu mesmo recebi e fui marcado nessas fotos milhares de vezes, muito obrigado por lembrarem de mim, hehe!

E pra quem reclama (e não, não é homofobia, imagiiiiiiiina...), acha que Thorki é algo muito "viajado", deixo o próprio Loki Tom Hiddleston dando a palavra final:


Nem tem o que discutir, né? Para os fãs irritadinhos, relevem... Em vez disso, se juntem ao grupo: shippem. XD

PS: Estou escrevendo resenha do filme "Thorki: O Mundo Sombrio". Só queria que a internet ao menos permitisse SALVAR os rascunhos do Blogger, senão não tem como eu postar tão em breve. Mas até o fim dessa semana semana que vem isso sai!

Stacie Orrico está voltando... definitivamente!

Stacie Orrico is back!

Alguns aqui podem não lembrar, mas no começo dos anos 2000 esta moça aí na foto chamada Stacie Orrico estava abrindo seu caminho para a fama - ai, que coisa mais Ego de se falar, hahahaha... Uma cantora que começou a carreira lançando um disco de música gospel aos 14 anos, foi contratada pela Virgin records e lançou um disco pop em 2003 que fez com que ela fosse uma das mais exibidas na MTV, tanto a daqui quanto a americana. Para quem quer relembrar, ou mesmo conhecer, eis duas das músicas mais famosas desse disco:





Bem, depois de uma indicação ao Grammy e um terceiro disco lançado não muito divulgado, aparentemente culpa da gravadora, ela foi fazer trabalho voluntário na África e sumiu um pouco do radar. Mas agora parece estar disposta a voltar ao cenário musical. No começo dessa semana, a Stacie gravou um vídeo para inaugurar seu novo canal no Youtube. Nesse vídeo ela conta o que andou fazendo nesses sete anos ausente da mídia:



Dentre várias coisas (além de filantropia, ela começou a estudar artes cênicas!), ela fala que andou compondo com vários compositores e produtores, inclusive amigos de infância. E depois de um tempo refletindo sobre a vida e simplesmente "vivendo", ela anuncia a produção de um novo disco! Para divulgar novas músicas, além de tocar as antigas, Stacie vai realizar um show online, daí ela pede que estejam atentos à novidades que ela vai postar em seu Twitter e Facebook.

Eu particularmente estou muito ansioso por esse novo trabalho. A última música que ela lançou, Catch Me If You Can, foi lançada de modo independente e tem uma pegada jazz. Será que ela vai voltar ao pop/R&B ou vai se enredar pelo jazz? Bem, para termos as respostas temos de esperar pelo seu show online, que ocorrerá no dia 6 de novembro desse ano. Quando eu tiver informações, prometo divulgar pelo meu Twitter pra vocês. ;)

Enfim, que bom que a Stacie Orrico está voltando. Meus ouvidos precisam de coisa boa. E em minha opinião, a indústria musical também. Para quem gosta de música pop sem as firulinhas eletrônicas de hoje, fica a sugestão.

Notícias bara: comentando nova história do Jiraiya (18+)

AVISO: Post com conteúdo adulto, possivelmente com imagens de nudez masculina, sexo e homossexualidade. Se não gosta, não prossiga!

Semana passada o blog Scheduled Bara Translations lançou uma nova história do Jiraiya traduzida. E uma ótima história, que talvez mude a opinião do povo que acha que bara tem zero de plot e sexo em excesso.


Intitulada Whichever way the wind blows (pra onde o vento soprar), aqui vemos uma breve história de dois homens que, além de serem grandes (eles se conhecem numa competição para ver quem é o mais forte), juntos passam por um momento de redenção por conta do que fizeram no passado (!). Sério, é nesse nível. =) Tatsumaki é um motorista de caminhão que se lamenta de ter tido uma família, com mulher e filho, e tê-los perdido por "não saber como lidar com uma família". É que, dentre vários possíveis motivos, ele não tinha conhecimento de sua sexualidade. Daí, ele se acostumou a ser uma pessoa solitária. O outro é Fubuki, um jovem recém saido da prisão que teme voltar para a casa de sua irmã, já casada e com filhos, com medo de ser um "intruso". E no meio disso tudo, óbvio, nasce um relacionamento entre os dois.

Claro, falamos de uma HQ gay erótica, então obviamente que temos cenas de sexo. Mas ao contrário de certas histórias, o sexo não é necessariamente o "clímax" da história. Ele faz parte da história, tanto que apesar das cenas serem explícitas, como é esperado, elas não ganharam tanto destaque (a maioria do número de páginas da história inteira, por exemplo) quanto se normalmente veria num bara. Talvez por ter tido um espaço maior (a história tem 41 páginas), a narrativa pode fluir de modo que vemos que os personagens tem personalidade e, bem, a história se desenvolve bem. Mas calma, não diria que é um "avanço" para os mangás bara. Mangakás bara como Jiraiya precisam às vezes fazer milagres de criar uma história interessante em poucas páginas disponibilizadas nas revistas gays japonesas, mas eles mostram todo o seu potencial de criar uma narrativa interessante em doujinshis ou nas revistas mesmo quando essas dão um espaço maior.


Recomendo aqui "Whichever way the wind blows" não só para os fãs de bara que geralmente passam por aqui, mas ao povo fã de yaoi/BL que julga bara como "grotesco" ou que "não tem história". A primeira opinião eu não sei se vai mudar, visto que os personagens continuam barbudos, peludos e enormes como sempre XD, mas pode mudar a visão de que bara é pornografia pura, sem plot. Que mais histórias desse nível apareçam. =)

Opa, quase esqueci... Pra ler o mangá, é só clicar aqui. Avisando que a tradução é para o inglês. Sorry folks!

Issaê, Wentworth Miller!


Adoro chegar em casa e me deparar com notícia boa. Ótima, na verdade.

Acredito que todo mundo por aqui sabe o que se passa na Rússia ultimamente, certo? Em resumo: Putin, a impossibilidade de gays adotarem, lei que aprisiona pessoas que fazem "propaganda gay" como segurar a mão ou beijar namorad@ em público, gays sendo torturados e tendo vídeos divulgados na internet... enfim, uma putaria imensa e grande desrespeito no quesito direitos humanos. Para mais informações, "joga no Google".

Ao ser convidado para um festival de filmes em São Petersburgo, o ator Wentworth Miller não só recusou o convite, como fez questão de deixar bem claro o porquê de sua recusa: ele é gay. Isso aí, pessoas. Wentworth Miller assumiu sua sexualidade. Eis a tradução da carta que ele enviou para a diretora do festival (podem ler no idioma original clicando aqui):

Cara Ms. Averbakh:

Obrigado pelo seu convite. Como alguém que já visitou a Rússia antes e que também carrega um pouco de descendência russa, eu ficaria feliz em aceitar.

Entretanto, como um homem homossexual, eu devo recusar.

Estou profundamente incomodado com a atitude e o tratamento atualmente dado para homens e mulheres homossexuais pelo governo russo. A situação é inaceitável, e eu não posso participar de uma ocasião de celebração apresentada em um país onde pessoas como eu tem sistematicamente negados seus direitos de viver e amar livremente.

Talvez, quando e se as circunstâncias melhorarem, eu esteja disposto a fazer uma escolha diferente.

Até lá.

Wentworth Miller

As mais recentes "saídas do armário" me fazem pensar em como a indústria em Hollywood pode ser cruel, mais do que muita gente de fora pode imaginar, já que é preciso que acontecimentos como estes na Rússia façam com que atores e atrizes se disponham a falar sobre isso. Claro que sexualidade é algo muito pessoal, que não é algo que se discute com qualquer pessoa, mas eles como figuras públicas acabam se dispondo a falar disso para fazer as pessoas em geral refletirem sobre a situação (e dependendo de alguns casos, é para propaganda pessoal, mas deixa pra lá...).

Enfim, sempre que isso acontece eu fico feliz. Pela pessoa e por ser mais um que pode se tornar um herói ou um exemplo para outr@s pessoas lidando com sua sexualidade. Minha admiração pelo Wentworth Miller hoje só fez aumentar. =)

Notícias bara: novo fórum Bara (de novo)

Atualização rápida. Na verdade, faz um tempinho - mês passado =P mas avisei no Twitter - que foi noticiado que o Bara Forums antigo será apagado em breve. O motivo? Sabe Deus... Sinceramente, já cansei de tanta mudança de fórum pra investigar mais uma mudança. Mas provavelmente foi por conta de copyright, os downloads de mangás que tinha no fórum antigo.

Agora o novo lar do povo bara é este... Barachan Forum: http://forum.barachan.org/index.php Apesar do site estar parado, quase morrendo, acho que com o tempo tudo se estabiliza, aos poucos os integrantes do fórum antigo estão migrando para o novo. O que posso dizer é que me parece que as chances de aparecerem bots será mais rara, já que pra se inscrever ou postar tópico novo tem um anti spambot que parece muito eficiente. O visual me parece mais organizado que o Bara Forums, apesar de cinza, e menos propenso a bugs.

Quase esqueço: a maior mudança é que os links para downloads de mangás estão bem mais organizados, em um site avulso (que parece o 4chan). Dá pra ter uma lista do que foi publicado por lá.

Enfim, para notícias do gênero e para socializar com outros fãs (como euzinho aqui!), é só se inscrever. E paciência até que ele seja mais frequentado. ^^''''

Meu perfil no Barachan Forum. Deem um oizinho por lá, se quiserem. =)

Fechado para balanço


Apesar de que quando eu fiz a pesquisa de opinião sobre este blog, eu ainda vou fazer análise dos dados, desculpem, a maioria respondeu que achava até legal que eu fizesse uns posts mais pessoais, eu realmente tomei aversão em escrever posts mais pessoais, desabafos, aqui. A paranoia de que RHs e o caralho a quatro estão investigando e julgando tudo o que faço aqui também ajuda nessa paranoia. Isso até me fez pensar em criar dois blogs, um para coisas bara e coisas jornalísticas, mais "profissional", e um blog pessoal, mais "vou chorar aqui". Mas como a preguiça (e outras coisas, como falta de paciência) me impede, vai por aqui mesmo.

Primeiro, pra quem perguntou em redes sociais e afins: sim, eu ando extremamente irritado. E isso, pra quem é naturalmente irritado feito eu, é bem complicado. Eu também ando chateado com muitas coisas. Pra resumir, estou triste. Bem triste. Não chega a ser depressão, mas creio que é quase. Não tentei dar cabeçadas na parede ainda. =) E acho que até já falei no meu post de aniversário, não estou satisfeito com a minha vida. Não acho que tenha feito nada significante por todo esse tempo, não sou importante, não sei fazer nada de especial, blá blá blá...

Mas enfim, uma das coisas que refleti ao decidir bem honesto comigo mesmo é na questão de vida amorosa. Estou fechado pra balanço.

O motivo? Bom, vários, e que acho que nem vale muito a pena discutir sem que pareça que eu tenha pena de mim mesmo, como já me disseram. =P Basicamente, eu reconheci que não tenho paciência para entrar nesse "jogo". Na verdade, eu nem sei como se joga. Não entendo as regras e não gosto das regras que conheci. Especialmente no que se trata de construir um relacionamento homossexual.

Aliás, que relacionamento? Vivemos numa época em que trocar um "oi" e "quer tc?" em "Disponíveis" e "Scruffs" da vida significa "amizade". Pegar, ou até mesmo foder, significa "amizade", mas chamar para um encontro é algo "demais", que poderia "estragar a amizade". Sim, conheci pessoas que chegaram a esse nível de paranoia contra relacionamentos. Eu que nem comecei, nunca namorei, também já tomei aversão. Só sei que nem quero tentar mais nada. E por nada, falo NADA mesmo, nem ficada, nem sexo casual. N-A-D-A. Não tenho paciência pra ladainha de gente imbecil que só se preocupa com o prazer próprio, prazer efêmero que dura os 25 segundos de uma gozada.

Alguns amigos me aconselharam a, em vez de conhecer gente pela internet, que eu saísse mais. Sair pra onde? A noite gay de Manaus, me perdoem a honestidade, é uma merda. E como disse, odeio as regras do jogo: odeio ficar encarando horas de carão, odeio música barata dessas boates, odeio ter que procurar a "turma" que eu mais me encaixo - sou urso? Sou barbie? Sou queer nerd? Sou drag? Sou qua-quá? -, odeio a "responsabilidade" de ter "pegada" e ser bom de cama logo na primeira vez que falo com a criatura. Isso e mais outros problemas. Tipo, só eu acho esse tipo de comportamento algo cruel?

Sempre sonhei em conhecer alguém como na música "Someone to Call My Lover", da Janet Jackson. Talvez num bar - qualquer bar, embora em nem goste de beber, acho essa uma forma de socialização tão imbecil -, num clube, no local de trabalho, na faculdade, na rua... qualquer lugar, sabe? Conhecer de forma natural, sem a "pressão" que se tem de marcar algo logo após uma conversa no bate-papo UOL (não, eu não uso isso, e as vezes que tentei, conto nos dedos) ou de sair acompanhado da A2. Esse talvez seja o maior empecilho meu, e posso dizer o maior arrependimento que tenho por ser gay: estou preso a frequentar espaços que detesto, guetos, locais marginalizados, para estar com gente "do meu tipo". Nunca conheci alguém interessante ao frequentar a Livraria Saraiva, e às vezes nem posso pensar em tentar algo sob o risco de, sei lá, levar um murro na cara. Tem gente que se contenta em ficar preso no seu guetinho, eu não.

Não que eu queira dizer que meu gosto é "muito aprumado" pra ser comparado com o "resto das bees", não é isso. Não me acho melhor do que ninguém. Mas não posso mentir que até hoje não conheci ninguém interessante o suficiente - apesar de muitos dizer que não existe, eu sou "sapiossexual", piro por gente com conteúdo, conhecimento, sabe? E se conheci, das duas uma: ou é casadinho com seu parceiro, ou nem gay é. ^^

E tem o fato mais complicado: eu. Como disse, não tenho nada de especial. Eu sou de uma raça onde poucos veem beleza, no máximo se interessariam se eu tivesse um pênis grande, como alguns julgam que todo negro tem. Não tenho corpo definido, e nem quero. E claro, sou uma pessoa difícil. Não consigo manter conversa com um gay que posa de superior aos outros, como os que conheci no grupo de Facebook "Gay Rockers", onde os integrantes se achavam "mucho machos", e que valorizavam andar só com "machos", não esse povo "que quer ser mulher", que "leva lâmpada na cara". Percebem o nível? Não agrado malhados, não agrado ursos, não agrado ninguém. Sempre soube disso. A diferença é que antes eu procurava a culpa disso. No começo achava que a culpa era exclusivamente minha. Depois, achava que a culpa era dos outros. Hoje não vejo mais isso. Sou o que sou, pronto. E se isso não ajuda na minha vida amorosa, nada posso fazer, certo? Não há motivo pra se estressar. Melhor não lutar contra a natureza.

Daí simplesmente cansei. Se ainda sonho com certas coisas, é mais pra me inspirar em escrever histórias. Nelas, acho que vivo um pouquinho de felicidade. Também decidi ter mais atenção para coisas que REALMENTE me dão prazer: estou aproveitando a companhia de mangás e livros, vendo animes, filmes e ouvindo muita música... Ah, a música. Isso sim, eu amo muito. Amo de verdade.

Sério mesmo, antes tinha medo da solidão, hoje só procuro aceitá-la. Não adianta assistir em algo que só te traz dor, frustração, cansaço... E a vida é curta demais pra perder tempo com coisas assim. Tentarei procurar coisas melhores pra mim. Lembram daquele diálogo da Celine e Jesse em "Antes do Pôr-do-sol" que postei uma vez aqui? É aquilo ali, ainda mais convicto. Admito que dói, especialmente se vejo amigos tão bem sucedidos com suas vidas, emprego, e que estão com um relacionamento que, confesso, me dá uma pontinha de inveja... mas acredito que certos males vem para o bem.

E vamos em frente...

Amor à Vida: breves comentários sobre Félix


Antes de tudo: SIM, VOLTEI! Monografia entregue, colação de grau em agosto, estou sussa... Agora só preciso, sei lá, arrumar emprego! LOL Mas fora isso, vamos ao que interessa... Tem muita coisa estocada aqui no Iruka-chan (meu PC) que quero falar, tem traduções bara que saíram que quero comentar... Mas neste quero opinar sobre algo que ultimamente só deu pra falar pelo Twitter: a novela Amor à Vida. Além daquela abertura com uma versão - a música é do Gonzaguinha - medonha de "Maravida", relinchada cantada pelo Daniel (argh!), quero falar é sobre Félix, o vilão interpretado por Mateus Solano que criou certa controvérsia entre os que sigo em meus perfis de redes sociais. Afinal, o Félix faz mesmo um desserviço para a imagem de gays no Brasil? É um exemplo de que as novelas estão se rendendo e estão mais "realistas", mostrando que gays também existem?

Bom, eis minha opinião. Sobre a primeira indagação, eu acho que não. Ainda não. Afinal, estamos no começo da novela, não sei o que vai ser da personagem Félix, mas por ora não acho um desserviço. Primeiro devo dizer que foi um espanto um vilão causar tanta comoção só na primeira semana. Entre os gays, o que percebi é que a personagem tinha sua "graça", por assim dizer, porque ele se mostra extremamente recalcado em relação à sua irmã, ou a qualquer pessoa que ele não goste. Félix é falso, cínico, e seu excesso de carinhos para quem ele mais detesta acho que acaba sendo reconhecível. Quem nunca conheceu um Félix nessa vida? Alguns, no auge do recalque que ele demonstrava nos primeiros capítulos, chamaram-no de "Felixciano"... Daí você pode tirar alguma ideia.

Aliás, o fato de ele ser um gay enrustido, preso sob a camuflagem de um casamento com uma mulher com quem ele até tem um filho é muito importante. Não sou noveleiro, mas acho que pela primeira vez há a possibilidade das pessoas discutirem sobre sexualidade e sobre viver de aparências. Ao decorrer da história aprendemos que, quando Félix é flagrado pela esposa, ele confessa que sabia muito bem de sua sexualidade, mas que "poderia escondê-la dentro do armário". E isso não pelo bem dela, mas pelo fato de querer agradar o seu pai. Assim como vemos Loki motivado a usar de manobras ardis e nada éticas para impressionar o pai em "Thor", o mesmo pode ser dito por conta de Félix. Não sei se o autor está sendo bem sucedido nisso, mas é fato de que muito do que ele faz é para impressionar o pai, para ser o filho número um. Não é só pelo dinheiro. E nessas coisas que ele faz, isso se inclui reprimir sua sexualidade, mostrando ao pai uma família digna de um comercial de margarina. Nisso eu parabenizo a novela, pela iniciativa de se mostrar - mesmo que os capítulos não deem tanta ênfase quanto eu gostaria - como é perigoso reprimir a sexualidade, os problemas que isso dá para a pessoa. E é só lembrar que em época de "PEC da Cura Gay" tal discussão é bem válida, em minha opinião.

Ainda nesse meio, claro, temos o dedo do pai. Edith, esposa de Félix, era na verdade uma prostituta que César Khoury, pai do dito vilão da novela, contratou para fazer Félix "virar homem", já que na família dele "não tinha espaço pra um filho gay". Daí podemos tirar muitas coisas: primeiro, que se Félix se sente sempre em segundo plano, talvez isso tenha como responsável o pai. Infelizmente não pude ver todos os capítulos pra saber se isso foi explicado, mas acredito que o pai tenha sabido da sexualidade de Félix há muito tempo. Ou seja, ele tem responsabilidade pelo Félix ser quem é, até podemos imaginar que o modo como Félix trata seu filho Jonathan - que na verdade é filho do César (!!!), seu pai, com Edith -, é reflexo do que ele próprio teve no passado. Quer cena mais emblemática do que Félix colocando seu filho de castigo dentro de um armário?


E ao discutir isso, não que isso isente Félix do que fez, tentando até mesmo matar a sobrinha, mas como li em um comentário em um dos portais que dão notícias sobre novela, o verdadeiro vilão dessa história me parece ser César, ou se bobear, a família Khoury inteira, já que até a mocinha, Paloma Khoury, está praticamente agindo por trás de Bruno, o homem que recuperou a filha dela que foi jogada na rua quando bebê por Félix para ser morta. Agora que ela descobriu que Paulinha é a sua filha, ela e a família inteira estão apunhalando Bruno pelas costas. E pior, ela, que supostamente amava Bruno, pretende ficar com a Paulinha E voltar a namorar aquele vagabundo por quem ela se apaixonou no começo da novela, e é pai biológico de Paulinha, o Ninho. Aliás, ESSA personagem, Ninho, é a mais intragável que eu já vi nessa novela, superando até o César e o resto da família Khoury. Não acredito que ele seja um dos mocinhos...

O que vejo que tentam fazer com Félix é o mesmo que a Xuxa fazia com a personagem Keka em seu programa antigo "Xuxa no Mundo da Imaginação". A ideia era usar de psicologia reversa: mostrar às crianças como elas NÃO deveriam agir, vendo que a bruxa Keka fazia tudo de errado e se dava sempre mal. E, bem, era uma bruxa. Assim vejo Félix: uma tentativa de mostrar o que um homem gay se torna quando é mal resolvido, e por extensão, como a família tem responsabilidade por isso, ao não ser compreensiva com a sexualidade dos filhos. Mas se a personagem da Xuxa, na época, era criticada por uns que achavam que em vez de mostrar como não agir, Keka acabaria servindo de exemplo por se tornar uma personagem carismática, também penso que Félix pode mostrar-se um exemplo equivocado, em que pessoas pouco instruídas acabem pensando que todo gay é maquiavélico e mal resolvido, e pior: que gays podem se casar e ter filhos, ou seja, "voltar ao normal" com um tantinho de esforço. Ou seja, ele seria um belo instrumento pra desserviço nas mãos de pessoas cretinas, mas espero que este não seja o que mais acontece. Apesar da Globo vender o personagem como um "vilão divertido" pelo que percebo algumas vezes em entrevistas e matérias sobre a novela, no fundo, ele é trágico. Por ora, Félix está passando a mensagem certa, acredito eu, de que ele é fruto da pressão de uma família, até mesmo da sociedade, preconceituosa, e peço que os autores continuem dando ênfase a esse lado. Mas apesar do que os telespectadores estejam captando no momento, se Félix estiver criando esse ou qualquer tipo de discussão nas salas de estar das casas, eu agradeço.

E alguns podem falar que, para contrabalançar a presença de Félix, "Amor à Vida" tem um "bom exemplo" de homossexuais com o casal Niko e Eron, interpretados por Thiago Fragoso e Marcello Antony. Por incrível que pareça, esses personagens me irritam muito mais que Félix na questão de retratar gays na ficção. Primeiro que odeio versões casais gays de "casal comercial de margarina". Pra mim isso é fruto da heteronormatividade: casal gay em novela? Só se os dois forem bonitos e ricos. E o fato deles serem super "flamboyants", saltitantes quase o tempo todo deixa tudo pior ainda, e não falo pra dizer que sou contra gays afeminados em novela, mas é que acho a afetação deles meio forçada, mais especificamente a do Thiago Fragoso. Niko e Eron são pra lá de estereotipados, seguindo a cartlha "gay para a família hétero ver", queria que colocassem um casal estilo Mitch e Cam, do seriado "Modern Family", em que ao menos um dos homens do casal foge do padrão de beleza da mídia atual, só pra começar. Além disso, o fato deles sequer terem sobrenome na seção de personagens da página oficial da novela me parece deixar claro que eles são personagens pra lá de secundários, já que personagens de histórias paralelas tem nome completinho. Ah, e pior, fiquei sabendo que a amiga deles, Amarilys, que servirá de barriga de aluguel para o filho do casal, vai se apaixonar por um deles "criando um triângulo amoroso". Sinceramente, CHEGA desse tipo de história, Globo! Deixa um gay ser gay até o fim da novela, só pra variar, por favor? Ou seja, para responder a segunda pergunta: acho que as novelas da Globo ainda tem muito o que aprender ao retratar um gay. Não chegamos aos patamares argentinos. ;)

Enfim, não sei se vou aguentar ver "Amor à Vida" por muito tempo. O roteiro às vezes me cansa, e tem outros problemas, como o fato de só ter gente branca na novela inteira... Mas enfim, por ora ainda vale a pena, já que a relação pai e filho de Félix e Jonathan parece que vai dar muito pano pra manga... Enfim, se quiserem, comentem o que pensam do Félix, ou da novela em si, aí nos comentários. ;)

Questionário de pesquisa sobre shoujo mangá - respondam!!!

 Pesquisa encerrada! Obrigado a todo mundo que respondeu!


Olá pessoas.

Como devem estar cansados de saber, estou fazendo meu TCC. E como muitos devem saber, minha pesquisa é sobre o bishounen (a personagem masculina e seu estereótipo de beleza) no mangá shoujo, e estou usando como análise o mangá Antique Bakery.

Para embasar a minha pesquisa, eu lancei ontem um questionário de pesquisa sobre o mangá shoujo e o bishounen. Eu o divulguei em certos grupos no Facebook, no Twitter, e faltou eu divulgá-lo aqui no blog!

Nem preciso dizer como é importante que respondam o questionário. A psquisa irá ajudar a entender um pouco do leitor de mangá, mais especificamente o leitor de mangás shoujo. Ele é bem simples, e é rapidinho de responder. Ele é aberto a todos os sexos, mas a restrição é que apenas os leitores residentes em Manaus respondam.

Quer me ajudar? É só clicar nesse link e dar sua opinião. A pesquisa vai se encerrar no dia 15 de junho, mas quanto mais cedo responder, melhor para mim que tenho de entregar o TCC no final desse mês! XD Também deixei um link na barra de links do blog, para facilitar o acesso. Ah sim, além de responder, agradeceria se convidassem os amigos para respondê-lo também. Divulgação é sempre bom.

Ah sim, não se preocupem que quando o trabalho estiver prontinho, eu o deixarei disponível para quem quiser ler. É um trabalho acadêmico, ele DEVE ser disseminado ao público.

Então é isso. Obrigado desde já a quem responder! =)

PS: Sim, eu tinha feito uma pesquisa antes, mas essa foi inviabilizada por erros na elaboração.